Nos últimos dias de campanha, Trump critica os que lutam contra o coronavírus

O presidente criticou as autoridades democratas em Minnesota por impor regras de distanciamento social que limitaram seu comício a 250 pessoas

Andy Sullivan De WASHINGTON (Reuters)
31 de outubro de 2020 às 12:55
O presidente Donald Trump durante comício no dia 27
Foto: Jonathan Ernst - 27.out.2020 / Reuters


 O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está dedicando os últimos dias de sua campanha à reeleição para criticar autoridades públicas e profissionais da área médica que tentam combater a pandemia de coronavírus, mesmo com o aumento recente de casos e mortes nos EUA. 

Em campanha no meio-oeste na sexta-feira, Trump fez um discurso em que promete uma retomada econômica e uma vacina para combater a Covid-19, que está pressionando os hospitais e causando a morte de até 1.000 pessoas por dia nos Estados Unidos. 

Mas ele também dirigiu ataques ao rival na eleição de terça-feira, o democrata Joe Biden

Leia também:

Saiba tudo sobre as eleições nos Estados Unidos em 2020

Donald Trump ou Joe Biden: de que lado está o mercado financeiro?


10 gráficos mostram como a economia se saiu com Trump ante os demais presidentes

 

Trump disse falsamente que os médicos ganham mais dinheiro quando seus pacientes morrem da doença, intensificando suas críticas anteriores a especialistas médicos como o dr. Anthony Fauci, maior especialista em doenças infecciosas do país.

O presidente criticou as autoridades democratas em Minnesota por impor regras de distanciamento social que limitaram seu comício a 250 pessoas. "É uma coisa pequena, mas uma coisa horrível", disse ele. 

As pesquisas de opinião mostram Trump atrás de Biden nacionalmente, mas com uma disputa mais acirrada nos Estados-chave que decidirão a eleição. Os eleitores apontam o coronavírus como sua principal preocupação. 

Biden, por sua vez, acusou Trump de desistir da luta contra a doença, que já matou quase 229 mil pessoas nos Estados Unidos. 

(Reportagem adicional de Tim Reid)