Republicanos criticam Trump por questionar a lisura das eleições

Chris Christie, ex-governador de Nova Jersey, Larry Hogan, governador de Maryland, e Mitt Romney senador por Utah, criticaram falas do presidente

Da CNN, em São Paulo
06 de novembro de 2020 às 02:21


 

A fala de Donald Trump questionando a lisura do processo eleitoral dos Estados Unidos não foi bem aceita por alguns líderes do Partido Republicano, que manifestaram na madrugada desta sexta-feira (6) insatisfação com o presidente.

Chris Christie, ex-governador de Nova Jersey, falou durante entrevista para o canal Americano ABC que “não ouvimos nada hoje sobre qualquer evidência [de fraude no processo eleitoral]". "Esse tipo de coisa só faz inflamar a população sem informar e não podemos permitir isso. Se você vai usar a casa branca, é seu direito fazer isso, mas se você estiver errado o povo americano poderá fazer o julgamento”, disse.

Leia também

Biden reage a discurso de Trump: 'Ninguém tirará nossa democracia de nós'

Ex-senador republicano diz que acusações de Trump são 'chocantes' e 'perigosas'

"Espanto e indignação", diz ex-embaixador brasileiro sobre discurso de Trump

Christie é muito próximo de Trump e preparou o presidente para os debates contra Joe Biden neste ano.

Outro republicano que criticou Trump foi o governador de Maryland, Larry Hogan, que disse via Twitter: “Não há defesa para os comentários do presidente, que está minando o processo democrático. A América está contando os votos e devemos respeitar os resultados como sempre fizemos antes.”

 

O senador por Utah Mitt Romney também foi para o Twitter reclamar das falas de Trump. “Contar todos os votos está no cerne de nossa democracia. O processo é muitas vezes longo e para aqueles que estão na disputa, frustrante. Os votos serão contados. Se há alguma irregularidade, isso será investigado e decidido de maneira final da corte. Tenha fé em nossa democracia, em nossa constituição e no povo americano.”

 

Apoio

Quem saiu em apoio a Trump foi o senador recém reeleito Lindsey Graham, da Carolina do Sul. Ele disse que irá doar US$ 500 mil para o fundo de defesa legal de Trump, e disse que há “evidências abaladoras para apoiar as informações de Trump de que o processo eleitoral está sendo fraudado”.

(Edição do texto: Paulo Toledo Piza).