Michigan confirma vitória de Biden após Trump pressionar para mudar resultado

Decisão do comitê eleitoral foi tomado na tarde desta segunda-feira (23)

Da CNN, em São Paulo*
23 de novembro de 2020 às 19:01 | Atualizado 23 de novembro de 2020 às 20:15

 

O comitê eleitoral do estado americano do Michigan certificou nesta segunda-feira (23) os resultados das eleições presidenciais.

Os 16 delegados que o estado possui no Colégio Eleitoral irão de fato para o democrata Joe Biden, confirmado como o vencedor da votação popular no local.

O próximo passo é que o secretário de Estado local comunique a governadora do Michigan, a democrata Gretchen Whitmer, para que ela assine o resultado.

Assista e leia também:

Mais republicanos estão perdendo a paciência com os absurdos legais de Trump
Casa Branca planeja festa de feriado enquanto povo é orientado a ficar em casa
Biden venceu, mas eleição nos EUA ainda não acabou; veja próximas datas-chave

A decisão do comitê é uma derrota para o presidente Donald Trump. O Michigan é um dos estados onde Trump tem trabalhado para convencer autoridades de que houve riscos à integridade da votação, bem como da possibilidade dos republicanos de supervisionarem a apuração.

Pensilvânia

Na Pensilvânia, outro estado sobre o qual estão os olhos para os rumos da apuração, não há um conselho eleitoral estadual para certificar os resultados.

Em vez disso, o processo é feito no nível dos condados. A expectativa é que, dos 67 condados do estado, todo o conselho eleitoral local, com exceção da Filadélfia, se reúna nesta segunda-feira (23) para certificar os resultados. 

O condado da Filadélfia deve se reunir nesta segunda ou na terça (24). Já o de Berks vai se encontrar na quarta (25), segundo o jornal The Washington Post

Um processo pendente aberto no fim de semana em um tribunal do estado por apoiadores de Trump tenta atrasar a certificação, embora seja improvável que isso mude o resultado.

A campanha do republicano também lançou um apelo em uma ação separada no estado depois que o juiz Matthew Brann rejeitou, no sábado (21), os esforços do grupo para invalidar os milhões de votos da Pensilvânia.

(Com informações de Annie Grayer and Sarah Mucha, da CNN)