Biden venceu, mas eleição nos EUA ainda não acabou; veja próximas datas-chave

Certificação de votos costuma ser só uma formalidade, mas ganhou nova importância neste ano, com a equipe de Trump buscando atrasar a finalização dos resultados

Paul LeBlanc, da CNN
23 de novembro de 2020 às 09:57
Local de votação em Flushing, no estado de Ohio
Foto: Matt Sullivan - 06.mar.2012 / Reuters

A luta do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para reconhecer derrota nas eleições do país enfrenta agora uma ameaça existencial: uma série de estados que tentam certificar rapidamente os resultados antes do dia 8 de dezembro.

A certificação normalmente é só uma formalidade, mas o processo ganhou uma nova importância neste ano, com a equipe de Trump buscando atrasar a finalização dos resultados – uma estratégia que visa negar a vitória do democrata Joe Biden no Colégio Eleitoral, que vota no dia 14 de dezembro.

Assista e leia também:
EUA: Biden deve indicar Antony Blinken para secretário de Estado
Tentativas de Trump de reverter derrota nas urnas começam a colapsar
A alternância de poder nos EUA: veja todos os presidentes eleitos até hoje

A ideia é que se não houver uma certificação, os estados comandados hoje por republicanos, principalmente Michigan e Pensilvânia, poderiam indicar chapas de eleitores pró-Trump, mesmo que Biden vença no voto popular nesses locais.

Todo o esquema gira em torno do dia 8 de dezembro, prazo estabelecido pela lei federal. Isso significa que quando o Congresso contar os votos eleitorais em janeiro, precisa aceitar os de eleitores que foram certificados antes do prazo. Se um estado perdeu o prazo, então o Congresso pode considerar a disputa das chapas eleitorais.

Com isso, os esforços de Trump se tornam inviáveis se os estados-chave certificarem seus resultados antes de 8 de dezembro, mas toda a eleição permanece em jogo se a equipe de Trump puder empurrar a certificação para além da data mágica.

Alguns estados importantes estão prontos para certificar os resultados ainda nesta semana. Os dois primeiros a se ficar de olho são Pensilvânia e Michigan.

Pensilvânia

Na Pensilvânia, não há um conselho eleitoral estadual para certificar os resultados. Em vez disso, o processo é feito no nível dos condados. A expectativa é que, dos 67 condados do estado, todo o conselho eleitoral local, com exceção da Filadélfia, se reúna nesta segunda-feira (23) para certificar os resultados. 

O condado da Filadélfia deve se reunir nesta segunda ou na terça (24). Já o de Berks vai se encontrar na quarta (25), segundo o jornal The Washington Post. 

Um processo pendente aberto no fim de semana em um tribunal do estado por apoiadores de Trump tenta atrasar a certificação, embora seja improvável que isso mude o resultado. A campanha do republicano também lançou um apelo em uma ação separada no estado depois que o juiz Matthew Brann rejeitou, no sábado (21), os esforços do grupo para invalidar os milhões de votos da Pensilvânia.

Especialistas legais disseram à CNN que as chances de sucesso do recurso de apelação são inconcebíveis.

Assim que os condados certificarem os resultados, a informação será enviada à secretária de estado, Kathy Boockvar, que concederá os 20 votos eleitorais (dos delegados) do estado ao vencedor.

Michigan

No Michigan, o conselho eleitoral estadual deve se reunir nesta segunda para certificar os resultados, mas há muita curiosidade para saber o que dois membros republicanos do grupo vão fazer.

De acordo com o parlamentar Paul Mitchell, que conversou há alguns dias com Norman Shinkle, um dos republicanos em questão, este indicou que poderia votar contra a certificação dos resultados eleitorais até que uma investigação esteja terminada, de modo a atrasar o processo – mesmo que ainda não haja nenhuma evidência de fraude ou conduta ilegal que exija tal medida.

Shinkle disse ao jornal The New York Times que recebeu centenas de mensagens a favor e contra a certificação. “Você não pode se decidir antes de ter todos os fatos”, afirmou ele.

Wisconsin e Geórgia

Em Wisconsin, a situação também é complicada. O estado, que não deve certificar os resultados até dezembro, um membro republicano da comissão eleitoral elogiou no Twitter um conhecido teórico da conspiração que já disseminou informações falsas sobre fraude eleitoral.

Além disso, na Geórgia, que já certificou os resultados, a campanha de Trump solicitou uma nova recontagem, embora seja improvável que ela mude a situação do republicano no estado.

Todo esse caos causado pela equipe de Trump pode ir a lugar nenhum, mas está transformando o processo de certificação dos resultados em um drama que, no mínimo, levanta dúvidas sobre a validade da eleição. E, em circunstâncias extremas, dá a Trump uma inesperada abertura para fazer manobras e se manter no poder. É improvável, mas ele já surpreendeu a todos em momentos anteriores.

Estados que devem finalizar o total de votos nesta semana

Segunda-feira (23/11)

• Arizona (prazo de certificação de condado)
• Maine
• Michigan (reunião de certificação estadual)
• Pensilvânia (prazo de certificação de condado)
• Tennessee (prazo de certificação de condado)
• Utah

Terça-feira (24/11)

• Washington, D.C.
• Indiana
• Minnesota
• Carolina do Norte (reunião de certificação estadual)
• Novo México
• Nevada (reunião de certificação estadual)

Quarta-feira (25/11)

• Alabama
• Alasca
• Connecticut
• Massachusetts 

Sábado (28/11)

• Ohio (reunião de certificação estadual)

Arizona e Wisconsin, dois outros estados com projeções tardias do vencedor, devem certificar os resultados na próxima semana. 

(Texto traduzido. Leia o original em inglês.)