EUA: Todos os estados e DC já certificaram os resultados da eleição presidencial

O processo do Colégio Eleitoral segue avançando, com a reunião de delegados agendada para segunda-feira (14)

Liz Stark e Ethan Cohen, da CNN
10 de dezembro de 2020 às 12:25
O presidente eleito dos EUA, Joe Biden
Foto: Joshua Roberts - 25.nov.2020 / Reuters

Todos os 50 estados e o Distrito de Columbia já certificaram seus resultados da eleição presidencial, de acordo com a contagem da CNN. O processo do Colégio Eleitoral segue avançando, com a reunião de delegados agendada para segunda-feira (14).

A Virginia Ocidental foi o último estado a certificar os resultados das eleições presidenciais, na quarta-feira (9), declarando formalmente que o presidente Donald Trump tem direito aos cinco votos eleitorais do estado.

O presidente eleito Joe Biden deve ganhar 306 delegados, e Trump deve ganhar 232, segundo a projeção. São necessários 270 delegados dos 538 disponíveis para se tornar presidente.

Leia também:
Joe Biden nomeia primeiro general negro para o cargo de secretário de Defesa
EUA: Biden anuncia três medidas de saúde para os 100 primeiros dias de governo
Trump decreta que EUA tenham prioridade para receber vacinas

As certificações dos estados acontecem ao mesmo tempo em que Trump alega sem fundamento que a eleição foi fraudada e semeia dúvidas sobre o resultado da corrida presidencial. Dezenas de ações judiciais questionando os resultados foram arquivadas nos níveis estadual e federal em todo o país desde a eleição de novembro.

Cada estado tem diferentes processos de certificação de resultados, e alguns certificaram sua lista de delegados separadamente dos resultados das eleições estaduais e locais.

O próximo grande passo no processo do Colégio Eleitoral é a reunião dos delegados, que são requeridos pela lei a se reunir na primeira segunda-feira após a segunda quarta-feira de dezembro, que este ano cai em 14 de dezembro. Os votos dos eleitores são posteriormente transmitidos às autoridades e contados em sessão conjunta do Congresso em 6 de janeiro.

Destaque do CNN Brasil Business:
Homem mais rico do Brasil, o banqueiro Joseph Safra morre aos 82 anos
Com inflação em alta, salário mínimo pode ir a R$ 1.093 em 2021, diz Dieese
Podcast: Guedes promete cortar isenções tributárias, mas Bolsonaro zera imposto de armas

Alguns estados têm leis que procuram vincular seus delegados ao candidato vencedor e, em alguns casos, estipulam que os chamados “delegados infiéis” podem ser sujeitos a penalidades ou substituídos por outro eleitor. A Suprema Corte decidiu no meio do ano que tais leis que punem os membros do Colégio Eleitoral por quebrar a promessa de votar no vencedor do voto popular do estado são constitucionais.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).