Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: campanha de Biden investe em nova imagem pública do presidente

    Segundo o analista, um Biden mais arrojado tem se apresentado ao público nos últimos dias, reagindo aos fracos números nas pesquisas e à crescente percepção de que ele não tem resistência para o cargo

    Joe Biden toma sorvete enquanto discute sobre um cessar-fogo no Oriente Médio
    Joe Biden toma sorvete enquanto discute sobre um cessar-fogo no Oriente Médio Reprodução/CNNi

    Zachary B. Wolfda CNN

    Quem é esse novo Joe Biden que estamos vendo, bem a tempo para as eleições presidenciais?

    Ele está sugerindo ideias sobre o Oriente Médio durante uma parada para tomar sorvete em Nova York e contando piadas sobre Donald Trump na televisão tarde da noite.

    Ele está se envolvendo diretamente no financiamento do governo, convocando líderes do Congresso à Casa Branca para negociar em frente à uma lareira. No final da semana, ele irá até à fronteira para conferir de perto a crise migratória.

    Depois de meses de histórias sobre democratas em perigo devido aos fracos números das pesquisas e à crescente percepção de que Biden não tem vitalidade para o cargo, há um ajuste perceptível no quanto as pessoas estão vendo Biden e no que ele tem a dizer sobre questões importantes.

    Falando sobre um cessar-fogo

    Depois de enfrentar um voto de protesto dos democratas pró-palestinos em Michigan nas primárias de terça-feira (27), Biden se mostrou otimista em relação ao Oriente Médio.

    “Minha esperança é que na próxima segunda-feira (4) teremos um cessar-fogo”, disse Biden, enquanto saboreava um enorme sorvete de menta e chocolate na casquinha.

    Os comentários, feitos durante um passeio na segunda-feira (26) em Manhattan com o apresentador Seth Meyers, pegaram de surpresa os negociadores diplomáticos que trabalham em um cessar-fogo temporário do outro lado do mundo.

    A divisão democrata sobre o Oriente Médio é uma questão de política interna crescente para Biden. Os eleitores árabes-americanos desempenham um papel importante no estado pêndulo do Michigan, e os progressistas, apontando para o apoio dos EUA a Israel e à situação dos palestinos, incentivam os democratas do estado a votarem em “descomprometidos” em vez de Biden, que certamente será o candidato deles em novembro.

    Joe Biden conversa com Benjamin Netanyahu em Tel Aviv / 18/10/2023 REUTERS/Evelyn Hockstein

    Contando piadas sobre Trump

    Paralelamente à parada para o sorvete, Biden apareceu no programa “Late Night” e tentou se esquivar das perguntas sobre sua idade invertendo o roteiro para o candidato republicano, Trump, que tem 77 anos, em comparação aos 81 de Biden.

    “Você tem que dar uma olhada no outro cara – ele tem quase a mesma idade que eu, mas não consegue se lembrar do nome da esposa”, disse Biden, se referindo a uma aparição recente em que Trump parecia se referir à sua esposa, Melania, como “Mercedes”.

    Diretamente envolvido nas negociações com o presidente da Câmara

    Biden tem esperança de que republicanos e democratas possam trabalhar juntos, conforme necessário, a fim de evitar uma paralisação parcial do governo no final desta semana.

    “Acho que podemos fazer isso”, disse Biden na terça-feira (27), sentado em frente à lareira com líderes de ambos os partidos e a vice-presidente Kamala Harris. O presidente republicano da Câmara, Mike Johnson, deixou a reunião expressando otimismo em manter o governo funcionando. Johnson também prometeu abordar a prioridade de Biden, renovando a ajuda dos EUA à Ucrânia de forma “oportuna”.

    A primeira prioridade de Johnson é que Biden atue na fronteira, mas ele não rejeitou a ideia de a Câmara também considerar a assistência militar. Biden recuou no “Late Night” quando o apresentador Seth Meyers mencionou o acordo bipartidário de imigração que claramente não seria aprovado na Câmara. “Será”, respondeu Biden com confiança.

    Imigrantes tentar cruzar a fronteira do México com os EUA
    Imigrantes tentam cruzar a fronteira do México com os EUA / REUTERS

    Ele terá muito mais tempo para falar sobre a fronteira essa semana, quando visitar Brownsville, no Texas, para ver a fronteira e conversar com os agentes da patrulha.

    Questionado na segunda-feira (26), na sorveteria, se ele se encontraria com imigrantes durante a viagem, Biden se esquivou da pergunta, argumentando que o Serviço Secreto não gosta que ele fale muito sobre seus planos com antecedência.

    Trump certamente contará uma história muito diferente quando também viajar para a fronteira em Eagle Pass, Texas, na quinta-feira (29).

    Imigração lidera questões eleitorais

    A diretora de pesquisas da CNN, Jennifer Agiesta, observa que houve um aumento acentuado na parcela de americanos que consideram a imigração o problema mais importante que o país enfrenta, e agora, supera todas as outras questões individuais mencionadas, de acordo com uma pesquisa realizada este mês pela Gallup.

    A mudança na nova pesquisa ocorre em grande parte entre os republicanos: 57% dos republicanos consideram agora a imigração o principal problema que o país enfrenta, contra 37% que o afirmaram em janeiro, acrescenta ela.

    A porcentagem de independentes (22% agora contra 16% em janeiro) que consideram a imigração como o principal problema aumentou em menor escala, enquanto entre os democratas se manteve praticamente estável (10% agora contra 9% em janeiro).

    Os problemas relacionados com o governo ou com a fraca liderança estão em segundo lugar, atrás da imigração, com 20%, 12% dizendo que é a economia em geral e 11% o elevado custo de vida ou a inflação.

    Migrante da Venezuela caminha pela rua após ser liberado da custódia da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA em El Paso, Texas, EUA. / 21/12/2022 REUTERS/Carlos Barria/File Photo

    Onde terminam as percepções e começa a realidade?

    O otimismo de Biden quanto a um cessar-fogo no Oriente Médio é um bom tema para dissecar. O analista de relações exteriores da CNN, Barak Ravid, discutiu na terça-feira (27) a questão com Wolf Blitzer depois que a CNN recebeu respostas surpresas do governo israelense e do escritório político do Hamas de que qualquer cessar-fogo – permanente ou temporário – pode acontecer em questão de dias.

    Em troca de qualquer cessar-fogo ou pausa temporária, Ravid disse que os israelenses vão querer “uma garantia dos EUA de que, uma vez terminada a pausa, os EUA continuarão a apoiar a operação militar em Gaza”.

    Ravid também argumentou que Biden está claramente tentando separar o governo de Israel dos israelenses. Biden criticou o governo conservador israelense durante sua aparição no “Late Night”, mas também se referiu a si mesmo como um sionista comprometido.

    “É um ato de equilíbrio muito sutil”, disse Ravid. “Nem tenho certeza se isso é possível, mas é isso que Joe Biden está tentando fazer”.

    Esse tipo de xadrez geopolítico pode ser perdido para os democratas árabes-americanos no Michigan, horrorizados com a ação militar de Israel em Gaza e que se organizam para enviar uma mensagem a Biden.

    Manifestantes protestam por um cessar-fogo em Gaza durante visita de Biden a Warren, em Michigan / 01/02/2024 REUTERS/Rebecca Cook

    Alabas Farhat é um deputado estadual democrata no Michigan e reconheceu que Biden venceria as primárias, mas espera que um grande número de eleitores – muçulmanos, cristãos, árabes americanos, afroamericanos e eleitores jovens – se juntem em uma aliança que pressione a Casa Branca a apoiar um cessar-fogo.

    “Queremos ver a nossa Casa Branca refletir os valores que sabemos que deveria refletir. Acho que essa é a grande mensagem hoje”, disse Farhat.

    Como Johnson fará isso?

    Mudar a política dos EUA em relação a Israel pode ser a coisa mais simples que Biden pode fazer, uma vez que a resolução de outros problemas – financiar o governo, mudar a política de fronteiras e dar ajuda adicional à Ucrânia – exige o bipartidarismo no Capitólio.

    O otimismo de Johnson, mesmo face à crescente frustração dos republicanos de direita, de que um encerramento pode ser evitado antes do financiamento terminar, é uma indicação de que ele reconheceu que irá trabalhar com os democratas para conseguir que isso aconteça.

    “Mike Johnson tem influência quase nula nessa luta e isso se deve, em grande parte, porque ele não pode aprovar projetos de lei apenas com os republicanos”, disse a repórter da CNN no Capitólio, Melanie Zanona, no “Inside Politics” na terça-feira.

    “Eles não conseguem nem aprovar votações processuais básicas agora. Então, sim, ele vai precisar dos democratas para conseguir um projeto de lei para financiar o governo até a linha de chegada”.

    Qualquer coisa que Johnson faça com Biden, mesmo mantendo o governo funcionando, será provavelmente desaprovado por Trump, que também está se organizando para as eleições gerais.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original