Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Escalada de Biden sobre veredito de Trump muda paradigma de campanha

    Biden endurece retórica, chama Trump de "criminoso condenado" e destaca ataques ao sistema de justiça

    Stephen Collinsonda CNN

    A decisão do presidente Joe Biden de chamar seu antecessor Donald Trump de “criminoso condenado” pela primeira vez representa um endurecimento significativo de sua retórica contra seu adversário republicano na eleição geral.

    A escalada de Biden em um evento de arrecadação de fundos fora das câmeras em Connecticut na noite de segunda-feira (3) ocorreu enquanto alguns democratas pressionavam por um ataque político mais robusto ao candidato republicano presumido, após Trump ser condenado por suborno no julgamento realizado em Nova York, na semana passada.

    “Pela primeira vez na história americana, um ex-presidente que é um criminoso condenado está agora buscando o cargo de presidente”, disse Biden. “Mas tão perturbador quanto isso, e mais prejudicial, é o ataque total que Donald Trump está fazendo ao sistema de justiça americano”.

    Outras autoridades democratas usaram tal retórica. Mas a frase ganhou maior força ao sair da boca do próprio presidente.

    Enquanto os republicanos se uniram em torno de Trump desde sua condenação, permanece incerto como o veredito será recebido nos estados decisivos onde a mudança de alguns milhares de votos pode decidir a eleição em novembro.

    A observação de Biden foi mais uma reviravolta surpreendente em uma eleição entrelaçada com múltiplas ameaças legais contra Trump. Isso ocorre em um dia em que a sua família estava envolvida em seu próprio drama de tribunal extraordinário, já que o filho de Biden, Hunter, se tornou o primeiro filho de um presidente em exercício a ser julgado.

    Hunter Biden se declarou inocente das acusações de comprar e possuir uma arma ilegalmente enquanto estava viciado ou abusando de drogas. Ele também enfrentará um julgamento por questões fiscais em setembro.

    Na semana passada, Biden observou que Trump havia sido condenado por 34 acusações criminais e disse que era “imprudente… perigoso… e irresponsável” seu oponente dizer que o veredito foi manipulado.

    Declarações presidenciais em eventos de arrecadação de fundos fora das câmeras podem frequentemente servir como um campo de teste para a retórica que posteriormente emerge em eventos públicos.

    Mas o tom mais aguçado de Biden certamente levará a acusações da campanha de Trump de que a condenação do ex-presidente veio após um processo de politização do sistema de justiça.

    Em outro desenvolvimento legal significativo na segunda-feira (3), Trump recebeu boas notícias da Geórgia, onde ele é um dos vários réus em um caso de extorsão por sua tentativa de reverter o resultado eleitoral do estado, que foi decisivo para a vitória de Biden na eleição de 2020.

    A Corte de Apelações da Geórgia marcou audiências orais para 4 de outubro sobre uma tentativa de remover a Promotora do Condado de Fulton, Fani Willis, do caso.

    Ex-presidente dos EUA Donald Trump durante evento de campanha em North Charleston, na Carolina do Sul / 14/02/2024 REUTERS/Sam Wolfe

    Foi apenas o mais recente golpe para os promotores que acusam Trump no caso de interferência eleitoral. O momento das audiências – apenas um mês antes do dia da eleição – cria um período impossivelmente curto para um julgamento. O caso da Geórgia, no qual Trump se declarou inocente, foi adiado pela tentativa dos réus de desqualificar Willis após ela ter empregado um promotor com quem ela tinha um relacionamento.

    Outros casos de Trump estão em suspensão

    Dois casos federais contra Trump, nos quais ele também se declarou inocente, estão em espera. Espera-se que a Suprema Corte dos EUA decida este mês sobre a ampla demanda de Trump por imunidade para ações que ele realizou enquanto era presidente.

    Os juízes ainda podem emitir uma decisão definitiva, mas qualquer decisão que exija mais litígios nos tribunais inferiores pode significar que o tempo se esgote no caso de interferência eleitoral levado pelo procurador especial Jack Smith, com apenas cinco meses restantes antes da eleição.

    Ao mesmo tempo, múltiplas disputas em moções pré-julgamento colocaram o julgamento federal iminente na Flórida sobre o suposto manuseio indevido de documentos confidenciais por Trump em suspensão. Os democratas acusaram a juíza nomeada por Trump, Aileen Cannon, de mostrar viés político em suas decisões.

    O impasse em múltiplas frentes significa que pode ser impossível para o sistema legal dos EUA responsabilizar a suposta tentativa de um ex-presidente de permanecer no poder contra a vontade dos eleitores antes que ele tenha a chance de ganhar outro mandato.

    Em si, o atraso representa uma ameaça significativa à tentativa da democracia americana de se salvar, pois sugere que um futuro presidente que agisse da mesma forma que Trump poderia esperar impunidade.

    A falta de responsabilização de Trump sobre a interferência eleitoral de 2020 – através de uma mistura de litígios habilidosos de seus advogados, algumas decisões contraproducentes dos promotores e sorte – também aumentaria enormemente as suas chances na eleição de novembro.

    Manifestação a favor de Trump em Palm Beach, Flórida / 30/5/2024 REUTERS/Marco Bello

    Se Trump perder, seu futuro após já ter perdido um caso criminal parece incrivelmente sombrio, com três casos que provavelmente chegarão a julgamento eventualmente, acarretando enormes taxas legais. Mas se Trump vencer, ele poderia nomear um procurador-geral que poderia interromper os casos federais.

    Seu Departamento de Justiça certamente faria todo o esforço para atrasar ou desviar qualquer resultado negativo que ele enfrente no caso da Geórgia, bem como a condenação por suborno em Nova York, que está prevista para a sentença em 11 de julho.

    Dado o interesse pessoal, é razoável supor que Trump não vai parar por nada para recuperar o poder em um momento em que ele se recusa a garantir que aceitará o resultado da eleição de 2024.

    Ty Cobb, um ex-advogado da Casa Branca de Trump, disse à CNN que a data marcada na Geórgia em outubro significa que “não há possibilidade deste caso ir a julgamento antes da eleição”. E ele acrescentou que as chances estavam aumentando de que Trump pudesse evitar qualquer responsabilidade legal por suas ações em 2020 se ele vencer em 2024.

    “É muito real se ele vencer a eleição, não é real de forma alguma se ele perder”, disse Cobb. Referindo-se ao caso federal de interferência eleitoral e à questão dos documentos confidenciais, Cobb disse: “Ambos terminarão em algum momento no início a meados do próximo ano se Trump perder e o caso da Geórgia provavelmente seguirá essa linha”.

    História feita em Delaware

    O ritmo lento dos julgamentos criminais de Trump contrasta com a eficiência daqueles enfrentados por Hunter Biden, que também deverá ser julgado por acusações fiscais em setembro.

    Os casos do ex-presidente e do filho do presidente atual não são análogos, e aqueles envolvendo Trump são extremamente complicados.

    Mas eles certamente deixarão muitos democratas maravilhados com a perspectiva de que o único julgamento federal entrelaçado com a eleição deste ano poderia ser aquele que está mirando Hunter Biden e não Trump, cujas ações após a eleição de 2020 levaram a democracia dos EUA ao limite.

    Hunter Biden, filho do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden / 26/07/2023 REUTERS/Jonathan Ernst

    Joe Biden prometeu na segunda-feira não comentar sobre o resultado de um julgamento federal, mas em uma declaração, ele expressou amor ilimitado por seu filho e seu respeito pelo sucesso de superar o vício em drogas. “Eu sou o presidente, mas também sou pai”, disse Biden.

    A retórica intensificada de Biden no evento de arrecadação de fundos na segunda-feira segue um aviso de Trump em uma entrevista à Fox News transmitida no domingo (2) sobre as consequências se o juiz Juan Merchan impuser qualquer pena de prisão após o veredito de culpa na semana passada.

    “Não tenho certeza se o público suportaria isso”, disse o ex-presidente. “Acho que seria difícil para o público aceitar. Sabe, em certo ponto, há um ponto de ruptura”, adicionou.

    Alguns democratas seniores acusaram Trump de incitar violência em suas declarações, que tomaram uma aparência mais sombria dado seu apelo anterior aos apoiadores para “lutar como o inferno” antes do ataque ao Capitólio dos EUA em 6 de janeiro de 2021.

    “Isso é claramente Donald Trump mais uma vez incitando violência, violência potencial, quando ele for sentenciado”, disse o deputado Adam Schiff à CNN no domingo (2). O democrata da Califórnia acusou Trump de emitir “mais um apelo perigoso à violência”.

    O extraordinário entrelaçamento da eleição de 2024 e dos casos legais que pesam sobre Trump e Biden provavelmente dominará uma audiência no Capitólio na terça-feira (4), quando o procurador-geral Merrick Garland enfrentará uma nova sabatina dos republicanos.

    Garland prometeu restaurar a confiança no sistema legal quando assumiu o cargo após os tumultuosos anos de Trump, garantindo que todos joguem pelas mesmas regras.

    Merrick Garland, procurador-geral, fala em entrevista coletiva / 18/01/2024 Jay Janner/USA Today Network via REUTERS

    Três anos depois, ele frustrou grande parte de Washington com uma busca que parece antiquada em uma era em que juízes, promotores e jurados em uma onda crescente de casos politicamente carregados estão sob ataque quase constante.

    Mas a hostilidade em relação a Garland não veio apenas dos republicanos, que buscam vingança na terça-feira após a condenação de Trump. Os democratas se preocupam com o ritmo lento das investigações federais.

    E a Casa Branca reclamou com Garland após o relatório do procurador especial Robert Hur sobre o manuseio de documentos confidenciais por Joe Biden ter retratado a memória do presidente como significativamente degradada em um relatório que desencadeou semanas de repercussões políticas.

    Garland também provavelmente enfrentará escrutínio sobre o julgamento de Hunter Biden.

    Os republicanos da Câmara se apoderaram do caso para tentar prejudicar politicamente o presidente, especialmente após não conseguirem fornecer qualquer evidência de que ele se beneficiou dos negócios de Hunter Biden em uma investigação de impeachment que não conseguiu evoluir.

    Os republicanos comemoraram quando um acordo judicial, que eles viam como tratamento “favorável” para Hunter Biden, colapsou no tribunal.

    Mas o julgamento de Hunter Biden, assim como um julgamento federal de corrupção visando o senador democrata de Nova Jersey, Robert Menendez, enfraquece as alegações republicanas de um sistema de justiça tendencioso feitas após o veredito de Trump em Nova York na semana passada.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original