Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Apoiadores de Nikki Haley acham que ela não tem chance de vencer Trump, mas eles não se importam

    Ex-governadora tem arrastado multidões aos seus comícios que contam com apoiadores insatisfeitos com Trump e Biden e que afirmam estarem dispostos a seguir com ela até o fim

    Nikki Haley disputa indicação do Partido Republicano para eleição presidencial
    Nikki Haley disputa indicação do Partido Republicano para eleição presidencial 19/02/2024REUTERS/Randall Hill

    Gram Slatteryda Reuters

    Raleigh, Carolina do Norte

    Nikki Haley está atraindo as maiores multidões de sua campanha presidencial. Ela acabou de obter o apoio de dois senadores dos EUA.

    E ela está apresentando performances confiantes para multidões que estão mais barulhentas do que nunca – mesmo que quase ninguém presente pense que ela vencerá.

    “Só quero dizer que fiz algo”, disse Alyson Emanuel, participante de um evento da Haley em Raleigh, Carolina do Norte, no sábado (2).

    Questionado se a ex-governadora da Carolina do Sul tinha alguma chance de receber a indicação presidencial republicana, Emanuel foi direto: “Não. E quer saber? Não me importo”.

    Essa é a última e talvez a fase conclusiva da candidatura presidencial de Haley. Embora apoiadores e pessoas próximas a Haley vissem um caminho estreito para ela superar o ex-presidente Donald Trump há apenas algumas semanas, agora eles não têm mais ilusões.

    Em entrevistas com 13 eleitores em comícios de Haley na Virgínia, Carolina do Norte e Washington, D.C., nos últimos quatro dias, 11 disseram que consideravam a vitória de Trump nas primárias algo certo, ou próximo disso.

    Mas eles saíram de casa de qualquer maneira, disseram, para registrar o seu descontentamento com o ex-presidente ou para demonstrar apoio às ideias políticas que eram populares entre os republicanos antes de Trump entrar em cena.

    Esses eleitores, profundamente insatisfeitos com Trump e com o presidente democrata Joe Biden, serão um eleitorado crucial rumo a uma provável revanche nas eleições gerais de novembro.

    Alguns apoiadores de Haley esperam que essa corrida a prepare para outra chance em 2028 ou que ela possa se beneficiar se Trump for afastado devido a problemas legais ou de saúde, embora Haley tenha consistentemente minimizado qualquer motivação desse tipo.

    Enquanto ela atravessa o país antes da “Superterça” de 5 de março, quando 15 estados e um território sediarão suas disputas de indicação, Haley conseguiu persuadir aplausos, cantos e gritos de apoio de multidões lotadas.

    No evento de Raleigh, mais de 1 mil pessoas compareceram para vê-la falar em uma estação de trem, muitas delas em pé nos bancos para vê-la.

    Após o evento, Haley permaneceu no local para apertar mãos e tirar selfies até a multidão se dissipar.

    Nikki Haley tira foto com apoiadores durante evento de campanha em Sumter, na Carolina do Sul / 19/02/2024 REUTERS/Randall Hill

    “Fundo de descarga”

    Em um evento na sexta-feira (1º) em Washington, D.C., ela criticou Trump por gastar fundos de campanha em honorários advocatícios.

    Ela disse que o Comitê Nacional Republicano seria seu “fundo de descarga” legal, antes de se corrigir, dizendo que seria seu “fundo secreto”.

    “Você estava certa na primeira vez!”, um participante gritou, provocando risadas e aplausos. “Fundo de descarga!”, outro participante gritou.

    Está muito longe de algumas outras campanhas em suas últimas etapas, que assumiram um ar taciturno ou cansado.

    O ex-governador da Florida, Jeb Bush, por exemplo, pediu de forma infame a uma pequena multidão em New Hampshire que lhe aplaudisse semanas antes de abandonar as primárias de 2016, vencidas por Trump.

    “Acho que eles são guerreiros felizes”, disse Chip Felkel, estrategista republicano da Carolina do Sul e crítico ferrenho de Trump.

    “Não sei se é essa a intenção dela. Mas ela está dando voz às pessoas que não querem Trump”, disse Felkel.

    Entre essas pessoas está John Wright, 60 anos, piloto de avião e autodenominado “republicano Reagan” no evento de Haley, no norte da Virgínia, na quinta-feira (29).

    Ele descreveu Haley como a guardiã de um tipo de política republicana que estava prestes a ser destruída, enquanto ele imaginava o que aconteceria após a derrota dela.

    Trump, disse ele, desrespeitou os veteranos, prejudicou a posição dos Estados Unidos no mundo e tem uma “personalidade” abrasiva.

    Mesmo assim, Trump está claramente fortalecendo o seu domínio sobre o partido, um ponto reforçado na semana passada pela decisão do republicano do Senado dos EUA, Mitch McConnell, de renunciar ao seu papel de liderança ainda este ano.

    “Esse partido é total e 100% dirigido por Trump”, disse Wright. “É como um trem desgovernado e está saindo dos trilhos. Eu não ficaria surpreso se um partido totalmente novo surgisse das cinzas”.

    No domingo, Haley obteve sua primeira vitória nas primárias, derrotando Trump em D.C., onde os republicanos há muito são frios com o ex-presidente. As pesquisas mostram que será difícil replicar esse desempenho em outros lugares.

    Nikki Haley, a última oponente remanescente de Donald Trump pela indicação presidencial republicana, faz campanha na Carolina do Sul / 02/02/2024 REUTERS/Shannon Stapleton

    Ainda assim, a campanha comemorou a sua vitória, salientando que foi a primeira vitória de uma mulher em uma disputa de nomeação presidencial republicana.

    “Nikki está lutando pelo futuro do Partido Republicano e por princípios conservadores de longa data, como a disciplina fiscal e uma segurança nacional forte”, disse a porta-voz da campanha, Olivia Perez-Cubas. “Ela está lutando pelos 40% dos eleitores republicanos nas primárias que querem tornar os EUA normal novamente”.

    “Completando a tarefa”

    Haley, ex-embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, recusou-se a dizer se permanecerá na corrida após a Superterça. Quando pressionada por jornalistas no sábado, ela respondeu: “Estamos completando a tarefa”.

    Em seu discurso, Haley reconhece dúvidas sobre por que ela permanece, apesar da enorme liderança de Trump. Mas ela evita dizer explicitamente aos seus apoiadores que está na corrida até o final.

    “Você sabe, toda a mídia está enlouquecendo, tipo, ‘Por que ela continua lutando?’”, disse a ex-governadora da Carolina do Sul à multidão em Raleigh no sábado. “Estou fazendo isso por causa dos meus filhos. É por causa dos seus filhos e dos nossos netos”.

    Sua retórica está muito longe da preparação para as primárias da Carolina do Sul, em 24 de fevereiro. Dias antes da disputa, que ela perdeu por 20 pontos percentuais, ela convocou uma entrevista coletiva para declarar que continuaria na disputa, independentemente dos resultados.

    “Adoraríamos que Haley ganhasse a indicação”, disse Robert Schwartz, cofundador do Primary Pivot, um supercomitê de ação política externo que apoia sua candidatura. “Mas é muito improvável nesse momento”.

    Ainda assim, se ela decidir ficar depois da Superterça, ela terá uma base dedicada disposta a atacar.

    Uma pessoa que trabalhou na campanha de Haley descreveu-se como contente em “afundar com o navio”. Outro oficial de alto escalão associado a um supercomitê de ação política externo que apoia Haley disse que a corrida é agora “tanto uma cruzada quanto uma campanha”.

    Entre os soldados de infantaria dispostos de Haley está Christine Kiley, uma negociante de arte republicana que participou do evento de Haley em Washington, D.C.

    Ela disse que Haley não tem chance de ser indicada, mas que suas chances não importam nesse momento. “Se ela vai continuar na corrida”, disse Kiley, de 65 anos, “então ela precisa de seus apoiadores”.