Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Campanha de Biden gasta US$ 50 milhões em anúncio sobre condenação de Trump

    Democrata aposta em registro criminal de Donald Trump para conquistar estados indecisos

    O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, acompanhado pelos advogados Todd Blanche e Emil Bove, em julgamento criminal no Tribunal Criminal de Manhattan, em Nova York, NY
    O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, acompanhado pelos advogados Todd Blanche e Emil Bove, em julgamento criminal no Tribunal Criminal de Manhattan, em Nova York, NY Jabin Botsford/Pool via Reuters (29.5.24)

    Nandita Boseda Reuters Washington

    A campanha do presidente Joe Biden terá como alvo as condenações criminais do desafiante republicano Donald Trump como parte de uma campanha publicitária de US$ 50 milhões veiculada dias antes do primeiro debate presidencial entre os dois candidatos, em 27 de junho, realizado pela CNN.

    A medida, um dos maiores gastos publicitários da campanha até agora, marca uma mudança notável na abordagem de Biden à condenação de Trump, após a relutância inicial do presidente em opinar sobre a questão, para evitar envolver-se com os problemas jurídicos de Trump.

    “Character Matters”, um anúncio de 30 segundos que diz “esta eleição é entre um criminoso condenado que só defende a si mesmo e um presidente que está lutando por sua família”, traçando um contraste entre os dois candidatos, será exibido em todos os estados decisivos — que tradicionalmente alternaram entre republicanos e democratas nas últimas eleições, a partir desta segunda-feira (17).

    Trump foi condenado por um júri de Nova York em 30 de maio por 34 acusações criminais por falsificação de registros comerciais.

    “O corrupto Joe Biden e os democratas armaram o sistema de justiça contra o presidente Trump e este novo anúncio prova mais uma vez que o julgamento falso sempre foi concebido para ser uma interferência eleitoral, mas os americanos percebem isso”, escreveu a porta-voz da campanha de Trump, Karoline Leavitt, nas redes sociais.

    Biden e Trump permanecem empatados nas pesquisas nacionais, faltando menos de cinco meses para a eleição, enquanto Trump tem vantagem nos estados decisivos que decidirão a eleição, mostram as pesquisas realizadas antes da condenação. Em questões econômicas como a inflação, Trump tem uma pontuação mais elevada junto dos eleitores em geral do que Biden.

    A campanha de Biden e vários democratas inicialmente relutaram em enfatizar a condenação de Trump, adotando uma abordagem de “esperar para ver” em relação à publicidade e às novas estratégias. Eles queriam ver as pesquisas e o feedback dos eleitores antes de reagir fortemente.

    No início deste mês, num evento de angariação de fundos com um pequeno grupo de doadores em Greenwich, Connecticut, Biden chamou pela primeira vez Trump de “criminoso condenado” e disse que o seu antecessor representa uma ameaça maior para os Estados Unidos se ganhar outro mandato.

    Uma pesquisa Reuters/Ipsos realizada logo após a condenação de Trump revelou que 10% dos eleitores republicanos disseram que são menos propensos a votar em Trump em novembro após sua condenação, um número significativo dadas as margens estreitas que decidem as eleições presidenciais dos EUA.

    Trump também enfrenta acusações criminais em três outros casos: um caso de interferência eleitoral na Geórgia, um caso de documentos na Flórida e um caso de interferência eleitoral federal. Ele também está apelando dos resultados de seus julgamentos civis.

    O filho de Biden, Hunter, foi condenado este mês por um júri por mentir sobre o uso de drogas ilegais para comprar uma arma, tornando-o o primeiro filho de um presidente dos EUA em exercício a ser condenado por um crime. Pesquisas, incluindo uma da Reuters/Ipsos, mostram que a grande maioria dos eleitores diz que a condenação de Hunter não afetará seu voto nas eleições de 5 de novembro.

    Faltam menos de duas semanas para o debate de 27 de junho entre Biden e Trump, considerado um dos momentos mais significativos do calendário de campanha deste ano, e ambas as campanhas se preparam para o primeiro confronto.

    A arrecadação de fundos da campanha de Biden em abril ficou atrás da de Trump pela primeira vez, depois que o ex-presidente intensificou sua operação conjunta com o Comitê Nacional Republicano e encabeçou arrecadações de fundos de alto valor.

    Os democratas ainda mantiveram uma vantagem global em termos de dinheiro sobre Trump e a campanha de Biden continua a ter um fundo consideravelmente maior. No sábado, Biden arrecadou US$ 30 milhões em uma arrecadação de fundos repleta de estrelas em Los Angeles.