Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Biden e Trump trocam farpas às vésperas de debate

    Escalada nas tensões marca a preparação ao primeiro confronto da campanha, que será realizado pela CNN no dia 27

    Candidatos à Presidência dos EUA Donald Trump e Joe Biden
    Candidatos à Presidência dos EUA Donald Trump e Joe Biden 06/11/2023 e 01/03/2024 REUTERS/Brendan McDermid e Elizabeth Frantz

    Stephen Collinsonda CNN*

    A tensão entre Joe Biden e Donald Trump em temas sensíveis, como a questão racial e o futuro do Supremo Tribunal, à medida que os dois se preparam para o debate presidencial mais crítico dos últimos anos.

    A campanha de 2024 tomou um rumo raro, saindo dos tribunais no fim de semana e em direção a campos de batalha mais convencionais: arrecadação de fundos, blocos eleitorais vitais e os estados indecisos que decidirão as eleições.

    As campanhas de Biden e Trump lutaram pelos votos dos negros americanos, uma tradicional base de poder democrata onde o ex-presidente tenta fazer incursões apesar da sua história pessoal manchada em questões raciais. Isto ocorre num momento em que os republicanos abraçam o seu presumível candidato, apesar da sua condenação criminal, e tentam anular o resultado das eleições de 2020, apostando tudo em Trump enquanto procuram reconquistar a Casa Branca e o Senado e manter a Câmara.

    O presidente Biden, que voou diretamente de sua segunda viagem à Europa em uma semana para um evento de arrecadação de fundos em Hollywood em Los Angeles no sábado (15), argumentou que uma das partes “mais assustadoras” de um segundo mandato de Trump seria a possibilidade de seu rival nomear juízes mais conservadores e linha-dura da Suprema Corte.

    O ex-presidente Barack Obama, que se juntou ao seu ex-vice-presidente na arrecadação de fundos, lamentou o fato de os republicanos estarem prestes a nomear um candidato que foi “condenado por um júri dos seus pares em 34 acusações”.

    Candidatos se posicionam para 1º debate presidencial

    A campanha se intensificou antes do primeiro debate presidencial de 2024, que será realizado pela CNN em 27 de junho, num momento potencialmente decisivo de uma campanha que poderá ver um ex-presidente derrotar o presidente em exercício. O confronto em Atlanta ocorrerá com Biden, de 81 anos, sob extrema pressão para mostrar que está preparado para mais um mandato de quatro anos, em meio às preocupações generalizadas dos eleitores sobre sua idade avançada e após a zombaria incessante de Trump da saúde mental e do estado físico do presidente visivelmente envelhecido.

    A constante ridicularização da capacidade cognitiva de Biden por parte do ex-presidente pode, no entanto, estar diminuindo as expectativas quanto ao desempenho de Biden, aumentando a perspectiva de que uma demonstração enérgica do presidente poderia ter um impacto semelhante ao seu discurso sobre o Estado da União deste ano, que acalmou temporariamente as preocupações relacionadas à sua idade.

    O comportamento volátil do ex-presidente nos últimos dias, está levando a campanha de Biden a argumentar que o estado de espírito de Trump – bem como a sua tentativa de subjugar a democracia americana há quatro anos – significa que ele é inadequado para um retorno ao cargo. Na semana passada, a campanha descreveu Trump como “mais desequilibrado do que nunca” depois de ter regressado ao Capitólio pela primeira vez desde o ataque da multidão de 6 de janeiro de 2021, que foi abraçado pelos legisladores republicanos da Câmara e do Senado.

    O primeiro debate presidencial desta campanha é considerado precoce, o que significa que poderá dar ao presidente a oportunidade de agitar uma disputa acirrada pela Casa Branca que se mantém praticamente estável há meses. Trump registra fortes resultados nas pesquisas nos principais estados indecisos.

    Aparentemente, Biden está agarrado a um caminho cada vez mais estreito no mapa eleitoral nacional até aos 270 delegados necessários para ganhar a presidência. O presidente está sendo prejudicado pela dor sentida por muitos americanos em relação aos preços elevados e às taxas de juros elevadas que dificultaram o acesso a novas casas e empréstimos para automóveis – dando a Trump uma oportunidade para evocar nostalgia sobre a economia pré-pandemia durante seu mandato.

    A CNN anunciou no sábado novos detalhes para o debate, acordados por ambas as campanhas. O evento acontecerá em um estúdio de televisão, e não diante de um público ao vivo. Incluirá dois intervalos comerciais, durante os quais a equipe de campanha estará impedida de interagir com o candidato. Os dois homens concordaram em aparecer em um pódio uniforme e suas posições serão determinadas por sorteio. Os microfones serão silenciados, exceto quando for a vez do candidato falar.

    Espera-se que Biden vá a Camp David no final desta semana para um intenso treino que envolverá seu ex-chefe de gabinete, Ron Klain, que há décadas ensina candidatos democratas antes dos debates. Trump realizou um fórum político com um grupo de conselheiros e senadores Marco Rubio, da Flórida, e Eric Schmitt, do Missouri, quando esteve em Washington na semana passada. Os seus assessores insistiram que o ex-presidente não se envolveria necessariamente na preparação tradicional do debate, mas sim em entrevistas e comícios para aperfeiçoar a sua abordagem. No entanto, as entrevistas de Trump, principalmente com meios de comunicação conservadores, estão muitas vezes cheias de perguntas chapa-branca. E ele faltou a todos os debates primários do Partido Republicano, então pode não estar totalmente preparado quando Biden avançar sobre ele.

    Trump busca quebrar o apoio de Biden entre os eleitores negros

    Numa corrida que envolverá um punhado de estados indecisos que poderiam ser decididos por meros milhares de votos, qualquer pedaço que um candidato possa tirar do eleitorado central do outro poderá ser crucial. É por isso que Trump passou o sábado em Michigan, tentando aproveitar os sinais de diminuição do entusiasmo por Biden entre os eleitores negros.

    O ex-presidente revelou sua coalizão “Negros Americanos por Trump”, que tem o apoio de republicanos negros proeminentes, incluindo o senador da Carolina do Sul Tim Scott e o deputado da Flórida Byron Donalds. Numa entrevista na sexta-feira (14) à Semafor, Trump declarou: “Não sou racista”. Ele acrescentou: “Tenho tantos amigos negros que se eu fosse racista, eles não seriam amigos, saberiam melhor do que ninguém, e rápido”, disse ele.

    Falando numa igreja predominantemente negra em Detroit no sábado, Trump afirmou falsamente que os trabalhadores negros se saíram muito melhor no seu primeiro mandato do que sob Biden, num esforço para alavancar a pedra angular da sua campanha – a imigração – num apelo às minorias que ele afirma estarem perdendo seus empregos para migrantes sem documentos formais.

    Ele também destaca o papel de Biden como senador na aprovação de um projeto de lei criminal da década de 1990 que resultou em altas taxas de encarceramento entre cidadãos negros. De acordo com as pesquisas de boca de urna da CNN em 2020, Trump conquistou cerca de 1 em cada 10 eleitores negros. Mas uma pesquisa recente do New York Times/Siena College revelou que o ex-presidente conquistou mais de 20% dos eleitores negros em estados decisivos. Se conseguir diminuir a vantagem de Biden entre os principais grupos demográficos em cidades como Filadélfia, Detroit e Milwaukee, Trump poderá aumentar as suas hipóteses de vencer na Pensilvânia, Michigan e Wisconsin, estados que constituem o melhor caminho de Biden para manter a Casa Branca.

    A campanha de Biden reagiu ao apelo de Trump a um eleitorado central confiável que ajudou a levar Biden à presidência, destacando controvérsias, incluindo a exigência de Trump pela pena de morte contra cinco jovens que foram injustamente condenados por agressão e estupro no Central Park na década de 1980 e sua campanha racista sobre o local de nascimento de Obama.

    “Certamente não nos esquecemos de Trump se aproximando repetidamente dos supremacistas brancos e demonizando as comunidades negras para seu benefício político – porque é exatamente isso que ele fará se ganhar um segundo mandato”, disse Jasmine Harris, diretora de mídia negra para o Campanha de Biden.

    Obama também atacou o presumível candidato republicano quando questionado pelo apresentador Jimmy Kimmel, no evento de arrecadação de fundos em Los Angeles, o que ele pensava sobre as afirmações de Trump de que tinha feito mais pelos negros do que qualquer presidente na história. O ex-comandante-chefe respondeu: “Uma coisa que ele fez, por exemplo, foi fazê-los sentir-se ainda melhor em relação ao primeiro presidente negro”.

    Biden critica maioria ‘desequilibrada’ na Suprema Corte

    As arrecadações de fundos políticos costumam ser fechadas. Mas a campanha de Biden parecia interessada em mostrar o presidente num ambiente informal com Obama e estrelas como Julia Roberts e George Clooney. O presidente parou em Washington apenas para reabastecer o Air Force 1 no caminho para casa depois da cúpula do G7 na Itália, antes do evento, que ocorreu dias depois de seu filho, Hunter Biden, ter sido considerado culpado por posse ilegal de arma após um julgamento em Delaware.

    A campanha do presidente divulgou no domingo (16) um vídeo da arrecadação de fundos no qual Biden fazia referência à polêmica em torno das bandeiras hasteadas pela esposa do juiz Samuel Alito, que os críticos alertaram serem politicamente provocativas. “Se ele for reeleito, nomeará mais duas bandeiras hasteadas de cabeça para baixo”, disse Biden.

    Questionado por Kimmel se considerava esta a parte mais assustadora de um segundo mandato de Trump, Biden respondeu: “É uma das partes mais assustadoras”. O presidente acrescentou: “O Supremo Tribunal nunca esteve tão desequilibrado como hoje, quero dizer, nunca”.

    Durante anos, antes de a maioria conservadora do Supremo Tribunal construída por Trump derrubar o direito constitucional ao aborto, os republicanos colocaram o destino do tribunal superior do país no centro das suas campanhas eleitorais presidenciais. Biden deu a indicação mais clara neste fim de semana de que os democratas estão agora desesperados para jogar no mesmo terreno.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original