Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Diplomatas europeus lutam para ter acesso a aliados de Trump em busca de informações

    Em visita a Washington DC, diplomatas europeus buscam reuniões com aliados do ex-presidente enquanto se preparam para seu potencial retorno à Casa Branca

    Secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, durante visita ao prédio do Congresso dos EUA em Washington
    Secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, durante visita ao prédio do Congresso dos EUA em Washington 30/01/2024 REUTERS/Nathan Howard

    Kylie Atwoodda CNN

    Diplomatas europeus em Washington estão trabalhando freneticamente para marcar reuniões com aliados do ex-presidente Donald Trump enquanto se preparam para seu potencial retorno à Casa Branca, disseram fontes familiarizadas com o esforço à CNN.

    Em reuniões presenciais em clubes privados, hotéis, embaixadas e grupos de reflexão espalhados pela cidade, os diplomatas fazem perguntas sobre as intenções políticas de Trump e as suas possíveis escolhas pessoais, e enviam notas para as suas capitais europeias, onde os funcionários estão ávidos por quaisquer informações enquanto trabalham para estabelecer barreiras de proteção para a Otan e tentam garantir um apoio duradouro à Ucrânia na sua guerra com a Rússia.

    Enquanto embaixadores e funcionários diplomáticos se acotovelam para estabelecer contato com aqueles que possam saber o que Trump está planejando, listas informais de alguns ex-funcionários do alto escalão de Trump circulam pelas embaixadas, incluindo o ex-diretor de Inteligência Nacional John Ratcliffe, secretário de Estado Mike Pompeo, conselheiro de segurança Robert O’Brien e principal conselheiro de segurança nacional do ex-vice-presidente Mike Pence, Keith Kellogg.

    As reuniões nem sempre são agradáveis e por vezes se tornam acaloradas, mas na maioria das interações os diplomatas simplesmente ouvem com atenção, segundo duas fontes que estiveram presentes em algumas delas.

    Mas os encontros são cobiçados e, em muitos casos, mais fáceis de serem agendados por alguns diplomatas do que por outros.

    Os embaixadores de países maiores, e aqueles que estão em Washington há vários anos, estão tendo mais facilidade em entrar no círculo de Trump, em comparação com os embaixadores que são novos em DC e os de países menores, disseram vários diplomatas.

    A atividade antes das eleições presidenciais de novembro contrasta fortemente com a preparação para as eleições de 2016, quando a maioria dos diplomatas presumiu que Hillary Clinton venceria e fez pouco esforço para se conectar com os aliados de Trump ou com quaisquer círculos republicanos de política externa. Agora, eles aprenderam uma lição importante.

    “Não estamos tão nervosos porque sabemos que com Trump tudo se resume a relacionamentos”, disse um veterano diplomata europeu que está em DC desde a administração Trump. “Estamos trabalhando nisso e dizendo à capital que o gabinete do primeiro-ministro precisa estabelecer uma conexão pessoal com Trump logo desde o início”.

    Não está claro quanta influência real alguns desses contatos ainda têm com Trump e a sua campanha, mas fontes dizem à CNN que, em alguns casos, os diplomatas estão lançando uma ampla rede – cortejando grupos de reflexão republicanos e procurando reuniões com ex-membros do gabinete de Trump – para obter qualquer aparente percepção.

    Donald Trump em Las Vegas / 27/1/2024 REUTERS/Ronda Churchill

    Um conselheiro sênior de Trump disse que nenhuma reunião estava sendo realizada sob orientação da campanha.

    Visão continental

    De volta à Europa, autoridades da Otan e da União Europeia estão trabalhando para reforçar o apoio à Ucrânia, em antecipação a uma potencial administração Trump que quase certamente apoiaria menos o país devastado pela guerra.

    Fontes dizem que esses esforços têm sido observados há muito tempo, mas que a ascensão de Trump nas pesquisas e a vitória conveniente nas primárias republicanas deram uma nova urgência.

    A principal delas é a criação de um fundo da Otan de cerca de US$ 100 bilhões durante os próximos cinco anos, destinado a canalizar dinheiro para a Ucrânia.

    Esses fundos seriam retirados especificamente dos membros da aliança como forma de garantir uma base de apoio antes de um potencial segundo mandato de Trump.

    “É tornar à prova do futuro”, disse um diplomata europeu experiente familiarizado com as discussões, explicando que as mudanças que estão sendo consideradas tornarão mais difícil para os membros individuais da Otan alterarem e interromperem o apoio contínuo à Ucrânia tão rapidamente – especialmente porque antecipam o possível retorno de Trump à Casa Branca.

    Em Bruxelas, as autoridades da UE estão ocupados examinando como utilizar os US$ 300 bilhões em ativos do Banco Central Russo que foram congelados no Ocidente desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro de 2022.

    Especificamente, estão estudando como direcionar os juros acumulados das participações diretamente para a Ucrânia. A medida exigiria que a UE chegasse a um acordo sobre como a Ucrânia poderia utilizar os fundos, seja para despesas militares ou para reconstrução. A UE aprovou uma lei no início desse ano para reservar lucros extraordinários provenientes dos fundos do banco central russo, que as autoridades dos EUA endossaram.

    Secretário das Relações Exteriores do Reino Unido, David Cameron / 01/02/2024 REUTERS/Mohamed Azakir

    Em um outro sinal do desejo crescente dos países da Otan de entrar na órbita de Trump, o secretário das Relações Exteriores britânico, David Cameron, se reuniu com Trump no clube Mar-a-Lago do ex-presidente, na noite de segunda-feira (8).

    A viagem de Cameron ao sul da Flórida ocorreu no momento em que o ex-primeiro-ministro viaja a Washington para se encontrar com o secretário de Estado Antony Blinken essa semana. Um porta-voz do governo britânico chamou isso “prática padrão” de envolvimento entre ministros e candidatos da oposição de nações parceiras.

    A reunião foi marcada quando o governo do Reino Unido entrou em contato com a campanha de Trump sugerindo isso, disseram fontes familiarizadas com o planejamento.

    A dupla discutiu os gastos com defesa da Otan, as próximas eleições nos EUA e no Reino Unido, o Brexit e “acabar com a matança na Ucrânia”, durante o jantar juntos, de acordo com a ata da campanha de Trump.

    Cameron se recusou a entrar em detalhes da reunião, mas disse aos jornalistas que defende apaixonadamente a qualquer pessoa com quem fale que apoiar a Ucrânia é “um investimento na segurança dos EUA” e “bom para os empregos americanos”.

    Cortejando republicanos

    Quando o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, visitou Washington em janeiro, fez um discurso sobre o futuro da Otan na Heritage Foundation, um grupo de reflexão conservador que é um bastião da política externa republicana estabelecido em Washington.

    O local foi escolhido a dedo pela equipe de Stoltenberg, em um esforço para chegar aos republicanos dada a possibilidade de Trump vencer em novembro e em meio a preocupações sobre o seu compromisso com a Otan, explicaram fontes familiarizadas com o planejamento.

    Secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, durante visita à Armênia / 19/03/2024 Stepan Poghosyan/Photolure via REUTERS

    O discurso, que enfatizou a força coletiva da Otan antes do seu 75º aniversário, foi bem recebido, disseram as fontes. “A lógica de fazer isso no Heritage não passou despercebida para nós”, disse Victoria Coates, vice-assessora de segurança nacional do ex-presidente Trump, que agora é vice-presidente do grupo de reflexão.

    Stoltenberg defendeu o apoio contínuo à Ucrânia, mas também destacou a compreensão do imperativo dos EUA de lidar urgentemente com a questão da fronteira do país.

    “Ele não culpa ninguém por pensar que precisamos resolver isso e depois passar para a pauta da Ucrânia”, disse Coates ao refletir sobre como o discurso de Stoltenberg apontou para uma das principais prioridades republicanas.

    Menos de duas semanas depois, Trump atacou a jugular. Em um comício político, Trump proclamou que diria à Rússia para “fazer o que quiser” a qualquer país da Otan que não invista o suficiente em defesa. Os comentários causaram arrepios na espinha dos membros da Otan, disseram diplomatas familiarizados com as reações.

    Os membros da Otan estão bem cientes de que Trump pressionaria para que todos os países membros atingissem a sua contribuição de 2% para despesas, mas ouvi-lo expor tais repercussões drásticas – que minariam efetivamente o Artigo 5º – foi alarmante.

    Os comentários deixaram os diplomatas europeus nervosos, ansiosos por compreender exatamente o que Trump queria dizer.

    “Estamos recebendo muitas ligações de embaixadores, sabemos o que eles estão fazendo, eles estão nos pedindo informações e tentando descobrir o que acontecerá se Trump voltar”, disse um ex-funcionário do governo Trump que fez cerca de 30 reuniões com diplomatas europeus em DC.

    O jogo de Washington para estabelecer ligações com os que estão no poder se estendem aos diplomatas estrangeiros, que, em alguns casos, procuram de alto a baixo qualquer ligação com o ex-presidente republicano.

    “O sinal de demanda disparou. As pessoas estão percorrendo todo o espaço republicano, tentando conversar com todos para descobrir o que está acontecendo”, disse James Carafano, vice-presidente da Heritage Foundation.

    “Explosões aleatórias de raiva”

    Alguns dos diplomatas foram informados nas suas reuniões para não levarem Trump ao pé da letra depois dos seus comentários sobre a Otan em um comício, disseram várias fontes.

    “É apenas conversa de campanha, não é o que ele realmente pensa”, disse um diplomata europeu ao descrever o que lhes foi dito.

    Mas, de um modo geral, foi dito que não seria negociável cumprir o objetivo de gastos de 2%, e alguns da aliança receberam um aviso drástico se o objetivo não fosse alcançado.

    “Se eles estão preocupados com a reação do presidente Trump, eles têm nas mãos a possibilidade de fazer algo a respeito”, disse Coates. “Não há ninguém nesse planeta que possa dizer a eles: ‘Oh, está tudo bem. Persuadirei Trump a não sair da Otan. E você não precisa se preocupar com os 2%’. Qualquer um que diga isso a eles está mentindo”.

    Durante essas conversas, muitos embaixadores europeus souberam que Trump consideraria pressionar por uma Otan a dois níveis. A estrutura significaria que os países que não chegarem até 2% dos gastos poderiam cair no segundo nível de adesão, o que significa que não seriam protegidos pelo Artigo 5 da Otan, que garante que os recursos de toda a aliança podem ser utilizados para proteger qualquer nação membro caso seja atacada.

    “Ele sempre falou sobre a crise financeira da Otan”, disse um segundo ex-funcionário de Trump. “Ele continuará levando isso sério, e nós dizemos isso a eles”.

    Enquanto o Partido Republicano briga sobre financiamento da Ucrânia, diplomatas europeus em DC observam de perto essa semana o encontro de Trump com o presidente republicano da Câmara, Mike Johnson, na sexta-feira (12).

    presidente republicano da Câmara, Mike Johnson, em Washington / 7/3/2024 REUTERS/Tom Brenner

    Mas os diplomatas europeus não estão preocupados apenas com a Otan. Sabe-se que Trump dispara com força e tem “explosões aleatórias de raiva”, explicou um embaixador, citando as suas preocupações sobre os movimentos imprevisíveis.

    “É mais o geral do que o específico: algo pode dar muito, muito errado só porque alguma decisão foi tomada – basicamente, ir direto ao ponto, sem informação suficiente, sem apreciação dos possíveis efeitos de segunda ou terceira ordem”, disse um diplomata europeu veterano, observando que Trump durante o seu primeiro mandato se envolveu regularmente na política através de tweets.

    Questionado sobre a natureza imprevisível de Trump, um ex-funcionário de Trump explicou que mesmo quando ele toma uma decisão, se segue um processo para implementar essa decisão. O ex-funcionário conta que disse às embaixadas em Washington que quando Trump tinha um objetivo final declarado, o seu gabinete trabalhou com ele sobre como alcançá-lo de forma eficaz.

    Alguns diplomatas estrangeiros em DC foram informados de que o plano de Trump para acabar com a guerra na Ucrânia começaria por fazer com que ambos os lados se sentassem e conversassem, e pressionando por um acordo para parar os combates, disseram fontes.

    Se Trump vencer em novembro, é provável que entre em contato com o presidente russo, Vladimir Putin, e com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, no dia seguinte à sua eleição ou no dia seguinte à posse, para começar a coordenar as negociações, disse uma pessoa familiarizada com o pensamento de Trump sobre o assunto.

    Trump provavelmente usaria a ajuda militar dos EUA à Ucrânia como alavanca para levar ambos os lados à mesa de negociações, disse a fonte.

    Os europeus estão preocupados que seguir o exemplo de Trump possa significar a perda de algum território pela Ucrânia, mas o objetivo final seria pôr fim à perda de vidas.

    “Se a Ucrânia quiser ajuda contínua, terá que se sentar e negociar, e se a Rússia não quiser que demos novos apoios massivos à Ucrânia, então terá que se sentar e negociar”, disse a fonte. “Isso não significa ceder à Ucrânia ou dar a Putin tudo o que ele deseja”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original