Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda como fica a disputa republicana após vitória de Trump na Carolina do Sul

    Ex-presidente dos EUA derrotou a rival Nikki Haley; resultado demonstra força de Trump no partido Republicano

    Ex-presidente dos EUA, Donald Trump, e a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley.
    Ex-presidente dos EUA, Donald Trump, e a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley. REUTERS/Scott Morgan - Theo Wargo/Getty Images

    Gregory KriegEric Bradnerda CNN

    O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump venceu as primárias presidenciais republicanas da Carolina do Sul derrotando Nikki Haley em seu território.

    A vitória do ex-presidente no estado de Palmetto, onde Haley foi eleita governadora duas vezes, praticamente encerrou a disputa – mesmo que a candidata insista que continuará lutando pelo menos até o próximo mês.

    O domínio de Trump na Carolina do Sul não foi surpreendente. O estado está entre os mais conservadores do país e apoiou o ex-presidente sempre que ele esteve nas urnas.

    De acordo com uma pesquisa da CNN com eleitores primários, mais de quatro em cada 10 se descreveram como afiliados ao movimento “Make America Great Again”, enquanto cerca de 8 em 10 se descreveram como conservadores.

    Apenas um terço dos entrevistados reconheceu o presidente Joe Biden como o legítimo vencedor das eleições de 2020.

    Biden e Trump se voltaram para a campanha eleitoral semanas atrás, mas a decisão de Haley de disputar a disputa tem atormentado o ex-presidente, que está se posicionando para diminuir seu controle sobre o aparato político do Partido Republicano.

    Embora o resultado na Carolina do Sul nunca tenha sido realmente posto em dúvida – a maioria das sondagens mostrava Trump com uma vantagem de 25 a 30 pontos – ainda existem alguns detalhes pendentes.

    O principal deles: Haley ganhará pelo menos um ou dois delegados? A Carolina do Sul dá a maior parte do seu saque ao vencedor em todo o estado, mas também distribui delegados ao vencedor em cada um dos seus sete distritos eleitorais.

    As vitórias distritais para Haley não mudariam a trajetória da corrida, mas poderiam nos dizer algo sobre o caminho que Trump tem pela frente.

    Aqui estão as conclusões das primárias presidenciais do Partido Republicano na Carolina do Sul em 2024.

    Corrida nacional

    O concurso muda para um novo ritmo a partir de agora. A demora pelos primeiros estados que votaram acabou. A primária agora é nacional.

    Até 12 de março, 56% dos delegados à Convenção Nacional Republicana terão sido premiados. E na maioria dos estados, os delegados republicanos são os que levam tudo – o que significa que Haley não recebe nenhum crédito pelas fortes exibições de segundo lugar.

    Com Haley sem vitórias até agora, a linha de chegada – 1.215 delegados necessários para garantir a nomeação – poderá estar à vista de Trump dentro de semanas.

    O próximo teste acontece na terça-feira (27), nas primárias de Michigan, embora os republicanos estaduais tenham optado por premiar seus delegados parcialmente por meio das primárias e parcialmente por meio de uma convenção dias depois.

    Seguem-se as convenções em Idaho e Missouri, juntamente com as primárias em Dakota do Norte. Depois, na Super Terça, estão em jogo 36% dos delegados do partido.

    Cartazes de Donald Trump e Nikki Haley na Carolina do Sul, EUA / 22/02/2024 REUTERS/Brian Snyder

    O partido de Trump

    Desde que Trump venceu a indicação em 2016, tornou-se presidente, expulsou todos, exceto alguns críticos republicanos selecionados, do cargo ou do partido e depois invadiu a corrida à Casa Branca de 2024 – apesar de enfrentar múltiplas acusações – o Partido Republicano pertence a Donald Trump.

    Mas o seu sucesso aqui, no estado natal de Haley, sublinha o quanto mudou em menos de uma década. Nem foi uma aquisição hostil, por mais hostil que Trump possa ser para com os seus rivais.

    A maioria dos eleitores republicanos apoia Trump – como evidenciado pela maioria que afirma acreditar que ocorreu fraude nas eleições de 2020 – e as partes da sua personalidade que fazem os republicanos do establishment estremecerem são, como vimos, na verdade, uma grande parte do seu apelo à maioria dos eleitores.

    A própria Haley, quando se tornou uma figura nacional, concorreu como conservadora do Tea Party – como parte de um grupo pouco unido de republicanos que queriam empurrar o partido ainda mais para a direita. Mas à medida que o Partido Republicano se desloca em direção ao populismo de direita de Trump, até Haley é vista como uma figura do establishment.

    As suas posições políticas e o tom geral na discussão das questões refletiram isso. Seu destino nesta primária confirmou isso.

    Próximos passos de Haley

    Houve outrora um caminho estreito, mas tentador, para Haley desafiar seriamente Trump pela nomeação republicana.

    Ela precisaria vencer em New Hampshire, com seu eleitorado muito mais moderado, construído em parte por uma série de independentes que participaram das primárias republicanas do estado.

    Então ela pegaria uma onda de impulso em seu estado natal e entregaria outra surpresa – uma que a colocaria em pé de igualdade com Trump entrando na “Superterça”.

    Ela agora está 0 a 2. E aquele período potencialmente revolucionário da corrida primária republicana acabou. Então, para onde Haley vai a partir daqui?

    Para começar, sua campanha anunciou uma passagem por Michigan, Minnesota, Colorado e Utah a partir deste domingo (25). Ela também está gastando verbas em publicidade televisiva e digital direcionada aos estados que votam na “Superterça”, em 5 de março.

    “Nos próximos 10 dias, mais 21 estados e territórios falarão. Eles têm direito a uma escolha real, não a uma eleição ao estilo soviético com apenas um candidato”, disse Haley no seu discurso.

    Se ela realmente conseguirá alguma vitória e começará a desafiar seriamente Trump na corrida pelos delegados, porém, é uma questão mais difícil.

    Nikki Haley, a última oponente remanescente de Donald Trump pela indicação presidencial republicana, faz campanha na Carolina do Sul / 02/02/2024 REUTERS/Shannon Stapleton

    Coalizão

    A campanha de Haley há muito elogia as pesquisas para as eleições gerais que a mostram em uma posição muito mais forte do que Trump em um hipotético confronto contra Biden. No entanto, ela ainda precisa derrotar Trump nas primárias.

    Há muito tempo existe uma coalizão teórica para Haley. Começa com os republicanos moderados e aqueles rejeitados por Trump, especialmente os eleitores suburbanos com formação universitária que fugiram do partido desde a ascensão do ex-presidente em 2016, e inclui independentes autorizados a votar nas primárias republicanas em alguns estados, como New Hampshire e Carolina do Sul.

    Mas essa coligação não está no horizonte para Haley – pelo menos não com força suficiente para mudar substancialmente a composição de um eleitorado republicano que ainda apoia fortemente Trump em geral.

    A candidata disse que permanecerá na corrida até a “SuperTerça”. Com o apoio de Trump entre a base republicana não mostrando sinais de ruptura, ela terá que de alguma forma agitar as coisas dramaticamente – e fazê-lo num ponto muito mais difícil da corrida do que o que enfrentou até agora.

    “Há um grande número de eleitores nas nossas primárias republicanas que dizem querer uma alternativa”, disse Haley no sábado (24).

    “Eu disse no início desta semana que não importa o que acontecesse na Carolina do Sul, continuaria concorrendo à presidência. Sou uma mulher de palavra.”

    Trump e Tim Scott

    O resultado mais importante das primárias da Carolina do Sul pode ser a relação acolhedora que Trump parecia desenvolver com o seu antigo rival nas primárias republicanas de 2024, o senador Tim Scott.

    As últimas semanas podem ter servido como teste de Scott para a indicação à vice-presidência. Ele fez campanha com Trump, apareceu ao lado dele na prefeitura da Fox News e em outras entrevistas, e instou Haley – que o nomeou para sua cadeira no Senado quando era governador – a sair da disputa.

    “A Carolina do Sul é o país de Trump”, declarou Scott no palco na noite de sábado.

    Scott tornou-se um substituto importante de Trump desde que abandonou a corrida presidencial em novembro – e o ex-presidente percebeu.

    “Ele é o melhor substituto que já vi”, disse o ex-presidente em comício na noite da última sexta-feira (23). “Ele é um representante muito melhor para mim do que para si mesmo.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original