Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Opinião: preparação para uma vitória de Trump não deve ser o foco

    Impedir o ex-presidente de um segundo mandato é a única prioridade real

    Candidato republicano à Presidência dos EUA, Donald Trump, fala com jornalistas em Washington
    Candidato republicano à Presidência dos EUA, Donald Trump, fala com jornalistas em Washington 13/06/2024 REUTERS/Evelyn Hockstein

    Dean Obeidallah

    O New York Times publicou um artigo detalhado no domingo (16) descrevendo como uma ampla rede de funcionários democratas, ativistas progressistas e grupos de vigilância, entre outros, estão “tomando medidas extraordinárias para se preparar para uma potencial segunda presidência de Trump.”

    Exemplos incluíram os esforços do governador de Washington, Jay Inslee, para tornar seu estado um refúgio onde as mulheres poderiam buscar abortos sem medo de perseguição. O artigo também citou uma organização que está contratando preventivamente um novo auditor no caso de Trump direcionar o Serviço de Receita Interna para investigar o grupo durante um segundo mandato.

    Por um lado, devemos aplaudir esses funcionários e organizações por entenderem que o retorno de Donald Trump à Casa Branca representa uma ameaça única às nossas liberdades democráticas. Mas a única maneira segura de impedir que Trump subverta o governo para uma campanha de retaliação, na qual leais a Trump ocuparão posições-chave no governo federal — e de implementar uma agenda de extrema direita — é derrotá-lo neste novembro. Devemos focar exclusivamente em manter os bárbaros do lado de fora, não em descobrir como minimizar os danos depois que eles estiverem dentro.

    Trump está dizendo a qualquer um que queira ouvir quais são seus objetivos sombrios para um segundo mandato — desde deportações em massa até a construção de amplos campos de detenção para migrantes e a expansão de seu poder presidencial. Há também sua promessa profundamente preocupante de “libertar” a América daqueles que não são leais a ele.

    Ouvimos isso pela primeira vez durante seu discurso de 2023 na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), onde prometeu aos seus apoiadores que seria sua “vingança”. Ele então prometeu atingir os democratas, “a mídia de notícias falsas”, republicanos apenas de nome, os globalistas e outros que se opõem a ele, proclamando: “Vamos libertar a América desses vilões e canalhas de uma vez por todas.” Ele repetiu essa promessa de “libertar” nossa nação daqueles que se opõem a ele, inclusive em um comício no mês passado em Wisconsin.

    É extremamente raro ouvir um político americano falar sobre “libertar” o país de colegas americanos com os quais simplesmente discordam politicamente? Minha suposição é que você nunca ouviu isso, porque nunca tivemos um político que tenha prometido ser um ditador “no primeiro dia” — e depois afirmado “depois disso, não sou um ditador” — liderar um dos nossos dois principais partidos políticos.

    Para ser franco, é improvável que as formas de resistência empregadas para frustrar a agenda do primeiro mandato de Trump funcionem contra esse criminoso amargo e irritado, que está obcecado em retaliação e purgar a América daqueles que não se curvam a ele.

    Mesmo a estratégia detalhada no artigo de domingo do New York Times, que inclui o uso dos tribunais para retardar uma agenda de segundo mandato de Trump, é muito menos provável de ser bem-sucedida desta vez. Uma razão para isso é que, em seu primeiro mandato, Trump conseguiu confirmar mais de 200 juízes federais, incluindo três juízes da Suprema Corte dos EUA que ele pessoalmente nomeou.

    Basta observar como a juíza federal Aileen Cannon, nomeada por Trump, parece ter retardado o processo de Trump em relação às acusações de retenção de documentos confidenciais, levando críticos a dizer que ela está promovendo a estratégia de Trump de tentar adiar seu julgamento até depois das eleições.

    E o país está atualmente observando a Suprema Corte favorável ao partido Republicano parecer proteger Trump de ser processado antes da eleição de novembro por seus supostos crimes em conexão com a tentativa de permanecer no poder, apesar de perder a eleição de 2020, arrastando-se em uma decisão sobre a reivindicação de imunidade total de Trump.

    Do ponto de vista legislativo, se Trump conseguir vencer e os republicanos do MAGA conseguirem também assumir o controle da Câmara e do Senado, poderíamos esperar que ele cumprisse uma lista extensa de sonhos de política de direita que eles têm cobiçado há muito tempo. Não será como no primeiro mandato de Trump, quando alguns republicanos se opuseram a ele para bloquear sua agenda radical — o exemplo mais famoso sendo o do falecido senador do Arizona, John McCain, que impediu Trump de revogar o Affordable Care Act com seu voto.

    Quase todos os republicanos que ousaram se opor a Trump estão fora do Congresso ou capitularam ao seu governo antidemocrático. Dos 10 republicanos da Câmara que votaram em janeiro de 2021 pelo impeachment de Trump por incitar a insurreição de 6 de janeiro, apenas dois permanecem no Congresso (os deputados Dan Newhouse, do estado de Washington, e David Valadao, da Califórnia).

    Os republicanos no Senado também capitularam. O senador Mitt Romney, um crítico vocal de Trump, deixará o cargo em janeiro. Mesmo o líder da minoria republicana no Senado, Mitch McConnell, que criticou Trump no plenário do Senado após o ataque de 6 de janeiro, declarando que “não há dúvida de que o presidente Trump é praticamente e moralmente responsável por provocar os eventos daquele dia”, encontrou-se com Trump na semana passada e afirmou que o encontro foi “totalmente positivo”.

    Mas mesmo que Trump não tenha um Congresso controlado pelo partido Republicano, não há limite para o dano que ele poderia infligir à nação durante um segundo mandato. Poucas restrições o controlariam.

    É por isso que estratégias de resistência para um segundo mandato apenas desviam recursos do imperativo mais urgente: impedir que Trump vença um segundo mandato. Essa é a principal prioridade — na verdade, a única prioridade real — na qual devemos nos concentrar. Nada mais importa.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original