Eleito, filho de ditador filipino pede para ser julgado por ações e não por sua família

Ferdinand Marcos Jr., mais conhecido como "Bongbong", se tornou o primeiro candidato na história recente a conquistar a maioria absoluta nas eleições presidenciais das Filipinas

Apoiador de candidato à Presidência das Filipinas Ferdinand Marcos Jr. segura jornal com manchete sobre a vitória eleitoral de Marcos Jr. na Cidade de Mandaluyong, nas Filipinas
Apoiador de candidato à Presidência das Filipinas Ferdinand Marcos Jr. segura jornal com manchete sobre a vitória eleitoral de Marcos Jr. na Cidade de Mandaluyong, nas Filipinas REUTERS/Willy Kurniawan

Karen LemaEnrico Dela Cruzda Reuters

Manila

Ouvir notícia

O filho do falecido ditador filipino Ferdinand Marcos prometeu nesta terça-feira (10) trabalhar para todas as pessoas após sua impressionante vitória na eleição presidencial do país, e disse ao mundo para julgá-lo por sua presidência, não pelo passado da família.

Ferdinand Marcos Jr., mais conhecido como “Bongbong”, se tornou o primeiro candidato na história recente a conquistar a maioria absoluta nas eleições presidenciais das Filipinas, abrindo caminho para um retorno antes inimaginável ao governo da dinastia política mais notória do país.

“Julgue-me não pelos meus ancestrais, mas pelas minhas ações”, disse Marcos ao mundo, segundo um comunicado de seu porta-voz Vic Rodriguez.

Marcos fugiu para o exílio no Havaí com sua família durante uma revolta popular em 1986 que encerrou o governo autocrático de 20 anos de seu pai, e serviu no Congresso e no Senado desde seu retorno às Filipinas em 1991.

A vitória de Marcos na eleição de segunda-feira (9) agora parece certa, com 98% dos votos apurados em uma contagem não oficial mostrando que ele tem 31 milhões de votos, o dobro do rival mais próximo, a vice-presidente Leni Robredo.

O resultado oficial é esperado para o final do mês.

“Esta é uma vitória para todos os filipinos e para a democracia”, disse o porta-voz Rodriguez.

“Para aqueles que votaram em Bongbong, e aqueles que não votaram, é sua promessa ser um presidente para todos os filipinos. Buscar um terreno comum entre as divisões políticas e trabalhar juntos para unir a nação.”

Embora Marcos, de 64 anos, tenha feito campanha em uma plataforma de unidade, analistas políticos dizem que sua Presidência provavelmente não promoverá isso, devido a sentimentos amargos sobre a vasta influência política e riqueza de sua família.

Mais Recentes da CNN