Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Elon Musk vai a kibbutz atacado pelo Hamas durante visita a Israel

    Dono do X, antigo Twitter, foi criticado neste mês por defender publicação considerada antissemita na rede

    Alex StambaughLauren IzsoMichelle Tohda CNN

    O presidente israelense, Isaac Herzog, deve se encontrar com Elon Musk nesta segunda-feira (27), enquanto o homem mais rico do mundo continua a enfrentar uma tempestade de críticas sobre seu apoio público a uma teoria da conspiração antissemita em sua plataforma de mídia social, X.

    Como parte de sua visita a Israel, Musk foi levado para Kfar Azza – um dos kibutzim atacados pelo Hamas em 7 de outubro – pelo primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. O kibutz é o local onde morava Abigail Edan, uma cidadã americana de quatro anos sequestrada pelo grupo militante naquele dia e liberada no domingo.

    Musk deve se encontrar com Herzog a portas fechadas durante sua visita na tarde desta segunda-feira (27), onde o presidente enfatizará a necessidade de combater o crescente antissemitismo online, de acordo com o escritório do presidente.

    Em um comunicado, o gabinete do presidente disse que representantes das famílias de reféns mantidos pelo Hamas também devem participar da reunião, onde compartilharão “os horrores do ataque terrorista do Hamas e da dor e incerteza contínuas para aqueles mantidos em cativeiro.”

    Musk não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários através do X ou duas de suas outras empresas mais proeminentes, Tesla e SpaceX. X e Tesla não mantêm mais comunicações regulares com a mídia, após a aquisição da plataforma social por Musk no ano passado e a dissolução da equipe de relações públicas da montadora em 2020.

    Netanyahu e Musk atravessaram o kibutz destruído, e as autoridades descreveram a Musk o que aconteceu, disse a assessoria de imprensa do governo israelense.

    “O primeiro-ministro e Musk então prosseguiram para a casa da família Edan, onde Musk ouviu sobre a história da família de Abigail Edan, de quatro anos, cujos pais foram assassinados e que foi sequestrada em Gaza e liberada ontem do cativeiro do Hamas”, acrescentou a assessoria de imprensa.

    A visita do bilionário a Israel ocorre mais de uma semana depois que ele concordou com a alegação de que as comunidades judaicas empurram “ódio contra os brancos”, levando a uma repreensão da Casa Branca e um grande êxodo de anunciantes no X, a plataforma anteriormente conhecida como Twitter.

    Em um post do X no início deste mês, um usuário acusou as comunidades judaicas de “empurrar o tipo exato de ódio dialético contra os brancos que eles afirmam querer que as pessoas parem de usar contra eles.” O post também fez referência a “hordas de minorias” que inundam os países ocidentais, uma teoria da conspiração antissemita popular. Em resposta, Musk disse: “Você disse a verdade real.”

    A teoria da conspiração antissemita de que os judeus querem trazer populações minoritárias não documentadas para os países ocidentais para reduzir as maiorias brancas nessas nações foi defendida por grupos de ódio online.

    Musk, em posts subsequentes na época, disse que não acreditava que o ódio aos brancos se estendia “a todas as comunidades judaicas.”

    Mas ele disse que a Liga Anti-Difamação (ADL), uma organização que combate o antissemitismo em todo o mundo, “ataca injustamente a maioria do Ocidente, apesar da maioria do Ocidente apoiar o povo judeu e Israel. Isso ocorre porque eles não podem, por seus próprios princípios, criticar os grupos minoritários que são sua principal ameaça.”

    Os comentários – que coincidem com uma onda de crimes de ódio dos EUA contra judeus e muçulmanos – atraíram a condenação rápida de grupos de direitos humanos, bem como políticos.

    Musk desde então negou acusações de racismo, escrevendo no X na semana passada que qualquer alegação de que ele é antissemita não poderia “estar mais longe da verdade.”

    Êxodo de anunciantes

    Para o X, o problema é muito difícil de ignorar. A controvérsia rapidamente se transformou em uma enorme dor de cabeça comercial para a empresa, com pelo menos uma dúzia de grandes marcas interrompendo os gastos com anúncios na última quarta-feira. Eles incluem Disney, IBM, Fox Sports e até mesmo a Comissão Europeia.

    Mesmo antes do último tumulto, X enfrentou críticas pela prevalência do discurso antissemita em sua plataforma. Organizações como a Liga Anti-Difamação (ADL) e o Centro de Combate ao Ódio Digital relataram um aumento no discurso de ódio no X no ano passado – descobertas que Musk criticou ou negou.

    Em setembro, Musk ameaçou processar a ADL por difamação, alegando que os relatórios do grupo prejudicaram as vendas de publicidade no X.

    Mais recentemente, a organização também reportou um aumento dramático nas publicações antissemitas no X, particularmente desde o início da guerra Israel-Hamas no início de outubro.

    O X reagiu contra alegações semelhantes da agência de mídia progressista Media Matters, que em uma análise no início deste mês também destacou o conteúdo antissemita e pró-nazista na rede.

    Em resposta, X processou a Media Matters, dizendo que o grupo deturpou a probabilidade de os anúncios serem exibidos ao lado de conteúdo extremista no site. Ele também pediu aos seus parceiros de publicidade para ajudar a proteger o que chama de “liberdade de expressão.”

    A visita de Musk a Israel ocorre durante uma pausa na guerra entre Israel e Hamas. Nos primeiros três dias de uma trégua, o Hamas libertou um total de 58 reféns, principalmente mulheres e crianças, em troca da libertação de 117 prisioneiros palestinos, e disse que quer estender a trégua.

    Em uma entrevista ao Wolf Blitzer da CNN no domingo, Herzog falou sobre o momento de ver reféns libertados reunidos com suas famílias.

    “É algo que nos dá felicidade, mas é claro, felicidade com muita tristeza porque ainda há pelo menos 200 reféns lá”, disse Herzog a Blitzer.

    Herzog disse que a trégua poderia ser estendida, apontando para o acordo original de que haveria um dia extra de cessar-fogo para cada 10 reféns libertados, mas disse que cabe ao Hamas libertar mais reféns.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original