Em encontro tenso do G7, líderes divergem sobre sanções contra a China

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, fez um apelo enérgico para que os outros líderes critiquem em público as práticas antidemocráticas do país asiático

Kevin Liptak, da CNN, em Falmouth, na Inglaterra*

Ouvir notícia

 

Os líderes mundiais presentes na cúpula do G7, que ocorre na Cornualha, na Inglaterra, divergiram neste sábado (12) sobre a melhor forma de abordar as políticas autoritárias da China, disse um alto funcionário do governo Biden.

As divergências, transmitidas durante uma sessão que a certa altura se tornou tão sensível que toda a internet foi fechada, opôs as nações europeias aos Estados Unidos, Grã-Bretanha e Canadá, que pediram uma ação mais forte contra a China por suas práticas autoritárias, incluindo trabalho forçado práticas na província ocidental de Xinjiang.

As autoridades descreveram a questão da China como um dos elementos mais desafiadores do encontro do G7.

“Houve uma discussão interessante e com diferentes opiniões sobre, não se essa ameaça existe, mas sobre o quão forte, de uma perspectiva de ação, acho que diferentes membros do G7 estão dispostos a assumir as coisas”, disse o funcionário.

A certa altura, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, fez um apelo enérgico para que os outros líderes critiquem em público as práticas antidemocráticas da China, disseram autoridades, enfatizando a necessidade de ação.

O presidente da China, Xi Jinping
O presidente da China, Xi Jinping
Foto: Carlos Garcia Rawlins / Reuters

O funcionário disse que Biden se juntou ao primeiro-ministro britânico Boris Johnson, ao primeiro-ministro canadense Justin Trudeau e ao presidente francês Emmanuel Macron para pressionar por uma ação mais dura contra a China.

A chanceler alemã Angela Merkel, o primeiro-ministro italiano Mario Draghi e líderes da União Europeia procuraram enfatizar áreas de cooperação com a China. Mesmo dentro desses grupos, havia um espectro diferente de opiniões sobre o assunto, disseram as autoridades.

Os mandatários concordaram em estabelecer uma iniciativa de infraestrutura para competir com o programa Belt and Road da China. Ainda assim, embora os líderes discordassem, a sessão foi marcada por um clima de respeito entre os líderes após quatro anos de tensão sob o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

“Esses líderes realmente parecem gostar uns dos outros e se respeitar, e trabalham para descobrir onde esse ponto ideal pode ser”, disse o alto funcionário do governo, descrevendo o esforço real para encontrar um consenso em questões delicadas, incluindo a China.

A cúpula do G7 começou formalmente na noite de sexta-feira com a discussão sobre vacinas e, posteriormente, uma foto de família. Autoridades disseram que havia um sentimento de nova unidade entre o grupo após quatro anos de tensão sob Trump, marcada por abraços e olhares calorosos entre os líderes. A sessão de sábado investigou mais profundamente as diferenças entre as nações do que as conversas de sexta-feira.

*Texto traduzido, clique aqui para ler o conteúdo original

Tópicos

Mais Recentes da CNN