Em golpe, militares de Burkina Faso detêm presidente e fecham fronteiras

Em anúncio na televisão estatal, o Exército disse que tomou o poder em resposta à "incapacidade do governo" de unir a população

Presidente de Burkina Faso, Roch Kabore
Presidente de Burkina Faso, Roch Kabore Reuters

Sam MednickStephanie BusariNiamh Kennedyda CNN

Ouvir notícia

O exército de Burkina Faso disse que assumiu o controle do país nesta segunda-feira (24), depondo o presidente Roch Kabore, dissolvendo o governo e o parlamento, suspendendo a constituição e fechando as fronteiras do país.

O golpe foi anunciado na televisão estatal pelo capitão Sidsore Kader Ouedraogo, que disse que os militares tomaram o poder em resposta à “degradação contínua da situação de segurança” no país e à “incapacidade do governo” de unir a população.

Sentado ao lado dele, vestido com uniforme militar e boina vermelha, estava o tenente-coronel Paul-Henri Damiba, um oficial militar que foi apresentado ao povo de Burkina Faso como seu novo líder.

Damiba foi promovido em dezembro por Kabore a comandante da terceira região militar do país, que é responsável pela segurança na capital Ouagadougou, segundo a Reuters. Ele estudou em uma academia militar em Paris e recentemente escreveu um livro intitulado “Exércitos da África Ocidental e Terrorismo: Respostas Incertas?”

Não houve menção na declaração televisionada sobre o paradeiro de Kabore. O presidente não é visto em público desde que os combates começaram no domingo (23) em torno do palácio presidencial em Ouagadougou.

Um dos líderes do golpe disse à CNN que Kabore foi detido por soldados que assumiram o controle de uma base militar antes de invadir o palácio do presidente. A mesma fonte disse que Kabore assinou a sua demissão e está a ser mantido num “lugar seguro” no país da África Ocidental.

Mas a localização exata de Kabore permanece desconhecida. Na tarde de segunda, uma mensagem foi postada em sua conta no Twitter. “Nossa nação está passando por tempos difíceis. Devemos, neste exato momento, preservar nossas conquistas democráticas. Convido aqueles que pegaram em armas a abaixá-las pelo interesse superior da nação. É através do diálogo e da escuta que devemos resolver nossas contradições”, diz o tweet.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, está preocupado com o paradeiro do presidente Kabore e está acompanhando de perto os acontecimentos em Burkina Faso, disse seu porta-voz Stephane Dujarric em comunicado na segunda-feira.

Burkina Faso Kabore
Carro da presidência com marcas de tiro próximo ao palácio do governo / Reuters

Os planos para o golpe militar estão em andamento desde agosto, elaborados em aplicativos de mensagens e inúmeras reuniões secretas realizadas fora da capital, disse um dos líderes do golpe à CNN, acrescentando que os soldados estão indignados com a forma como o governo lida com os ataques jihadistas no país. e acredito que Burkina Faso está melhor sob o regime militar.

Alguns civis se reuniram nas ruas buzinando e torcendo em apoio aos militares após o anúncio do golpe.

“As pessoas estão fugindo de suas casas e as pessoas estão morrendo em todos os lugares por causa do terrorismo. A situação não está resolvida. Se o exército assumir a liderança, acho que as coisas voltarão ao normal”, disse Oumar Junior Bahoro, que protestava no centro de Ouagadougou, capital de Burkina Faso.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (Cedeao) publicou um comunicado no Facebook dizendo observar “com grande preocupação a situação política e de segurança no país, na sequência de uma tentativa de golpe de Estado”.

A Comunidade exigiu que os “soldados voltem ao quartel, mantenham uma situação republicana e favoreçam o diálogo com as autoridades para resolver os problemas”, acrescentando que responsabiliza os militares pelo bem-estar de Kabore.

Burkina Faso manifestação
Pessoas se aglomeram em volta de veículo presidencial com marcas de tiros / Reuters

A embaixada francesa em Burkina Faso postou uma mensagem em seu site alertando seus cidadãos no país que a situação “continua bastante confusa”. “Na espera de um esclarecimento, recomendamos evitar movimentos não essenciais durante o dia e não sair à noite”, dizia a mensagem. Dois voos da Air France também foram cancelados, segundo a embaixada.

‘Insatisfação crescente’

Burkina Faso foi assolado pela violência ligada ao Estado Islâmico e à Al Qaeda, que matou milhares e deslocou 1,5 milhão de pessoas, segundo as Nações Unidas. Os militares foram duramente atingidos. No mês passado, pelo menos 50 forças de segurança foram mortas no Sahel.

O golpe ocorre um dia após um protesto na capital exigindo a renúncia do presidente.

“Esta tentativa de golpe não surge do nada. Ela se baseia na crescente insatisfação da população e das forças de segurança com a forma como o governo está lidando com a crise de segurança”, disse Constantin Gouvy, pesquisador de Burkina Faso que trabalha para o Instituto Clingendael, com sede na Holanda.

A Reuters informou que tiros contínuos ecoaram de acampamentos militares no país da África Ocidental no domingo, enquanto soldados exigiam mais apoio para sua luta contra militantes islâmicos.

O governo decretou toque de recolher até novo aviso e fechou as escolas por dois dias.

A turbulência em Burkina Faso ocorre após golpes militares bem-sucedidos nos últimos 18 meses em seus vizinhos da África Ocidental Mali e Guiné. A África Ocidental, que até recentemente parecia ter perdido sua reputação de “cinturão de golpes” da África, continua suscetível a distúrbios.

Os militares também assumiram o poder no Chade no ano passado, depois que o presidente Idriss Deby morreu no campo de batalha.

Burkina Faso é um dos países mais pobres da África Ocidental – apesar de ser produtor de ouro. Seu exército sofreu pesadas perdas nas mãos de militantes islâmicos, que controlam partes do país e forçaram os moradores dessas áreas a cumprir sua versão dura da lei islâmica, relata a Reuters.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN