Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Embaixador chinês é alvo de críticas após dizer que ex-repúblicas soviéticas não têm “status efetivo” na lei internacional

    Mao Ning, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, contrariou o diplomata Lu Shaye e afirmou que Pequim respeita o status de estado soberano dos países da ex-União Soviética

    Lu Shaye, embaixador da China na França.
    Lu Shaye, embaixador da China na França. China News Service/ Getty Images

    Simone McCarthyda CNN

    Países europeus estão exigindo respostas de Pequim após seu principal diplomata em Paris questionar a soberania das ex-repúblicas soviéticas, em comentários que podem minar os esforços da China para ser vista como um potencial mediadora entre Rússia e Ucrânia.

    As declarações do embaixador da China na França, Lu Shaye, que disse durante uma entrevista na televisão que os ex-países soviéticos não têm “status efetivo no direito internacional”, causaram consternação diplomática, especialmente nos países bálticos.

    Lituânia, Letônia e Estônia estariam convocando representantes chineses para pedir esclarecimentos, confirmou o ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, nesta segunda-feira (24).

    Oficiais, incluindo da Ucrânia, Moldávia, França e União Europeia (UE), também reagiram com suas próprias críticas aos comentários de Lu.

    Lu fez as observações em resposta a uma pergunta sobre se a Crimeia, anexada ilegalmente pela Rússia em 2014, fazia parte da Ucrânia.

    “Mesmo esses países ex-soviéticos não têm um status efetivo no direito internacional porque não houve acordo internacional para materializar seu status de países soberanos”, disse Lu, depois de observar primeiro que a questão da Crimeia “depende de como o problema é percebido”, como a região era “no início russa” e depois “oferecida à Ucrânia durante a era soviética”.

    As observações pareciam negar a soberania de países que se tornaram estados independentes e membros das Nações Unidas após a queda da União Soviética em 1991 – e ocorreram em meio à invasão brutal da Rússia na Ucrânia sob a visão do líder Vladimir Putin de que o país deveria fazer parte da Rússia.

    Até agora, a China se recusou a condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia ou pedir a retirada de suas tropas, em vez disso, pediu moderação de “todas as partes” e acusou a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) de alimentar o conflito.

    Pequim também continua a aprofundar os laços diplomáticos e econômicos com Moscou.

    O chefe de relações exteriores da UE, Josep Borrell, respondeu no domingo (23) chamando os comentários de “inaceitáveis”.

    “A UE só pode supor que essas declarações não representam a política oficial da China”, disse Borrell em um comunicado no Twitter.

    A França também respondeu no domingo, com seu Ministério das Relações Exteriores declarando sua “total solidariedade” com todos os países aliados afetados e pedindo à China que esclareça se esses comentários refletem sua posição, segundo a Reuters.

    Vários líderes de ex-estados soviéticos, incluindo a Ucrânia, reagiram rapidamente após a entrevista, que foi ao ar na sexta-feira na estação francesa LCI.

    O ministro das Relações Exteriores da Letônia, Edgars Rinkevics, pediu uma “explicação do lado chinês e uma retratação completa desta declaração” em uma publicação nas redes sociais.

    Ele prometeu levantar a questão durante uma reunião de ministros das Relações Exteriores da UE nesta segunda-feira, onde as relações com a China devem ser discutidas.

    A Moldávia, um pequeno país na fronteira sudoeste da Ucrânia que foi pego no fogo cruzado da invasão da Rússia, disse estar “surpresa” com os comentários de Lu.

    “Estamos surpresos com as declarações chinesas (do embaixador) questionando a soberania dos países que se declararam independentes em 1991. Respeito mútuo e integridade (territorial) têm sido fundamentais para os laços Moldávia-China”, disse o ministério em sua conta oficial no Twitter.

    “Nossas expectativas são de que essas declarações não representem a política oficial da China.”

    “É estranho ouvir uma versão absurda da ‘história da Crimeia’ de um representante de um país que é escrupuloso sobre sua história de mil anos”, escreveu Mykhailo Podolyak, assessor da administração presidencial da Ucrânia, também no Twitter.

    “Se você quer ser um importante ator político, não papagueie a propaganda de forasteiros russos.”

    Quando perguntado sobre os comentários de Lu em uma coletiva de imprensa regular nesta segunda-feira, um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China disse que a China respeita o “status de estado soberano” dos países da ex-União Soviética.

    “Após a dissolução da União Soviética, a China foi um dos primeiros países a estabelecer relações diplomáticas com os países envolvidos. A China sempre aderiu aos princípios de solicitação mútua e igualdade em seu desenvolvimento de relações bilaterais amigáveis ​​e cooperativas”, porta-voz Mao Ning disse, sem abordar diretamente as questões sobre os pontos de vista de Lu.

    China respeita status de países da ex-União Soviética, diz porta-voz do Ministério das Relações Exteriores

    A China respeita o status de estado soberano dos países da ex-União Soviética, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Mao Ning, nesta segunda-feira.

    “Após a dissolução da União Soviética, a China foi um dos primeiros países a estabelecer relações diplomáticas com os países envolvidos. Desde o estabelecimento de relações diplomáticas com esses países, a China sempre aderiu aos princípios de solicitação mútua e igualdade no desenvolvimento de relações bilaterais amigáveis ​​e cooperativas”, disse Mao em entrevista coletiva.

    Mao acrescentou que o que ela disse representa as opiniões oficiais do governo chinês. Ela não abordou diretamente as questões sobre as opiniões de Lu.

    A China respeita a soberania, independência e integridade territorial de todos os países e defende os propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas, acrescentou Mao.

    Laços europeus da China

    Esta não é a primeira vez que Lu – uma voz proeminente entre os chamados diplomatas agressivos do “guerreiro-lobo” da China – gerou polêmica por suas opiniões.

    “Ele tem sido um conhecido provocador”, disse Jean-Pierre Cabestan, professor de ciência política na Universidade Batista de Hong Kong.

    “Mas ele é um diplomata, ele representa seu governo, então isso reflete o pensamento da China sobre o assunto”, disse ele, acrescentando, porém, que “não é hora de a China colocar em risco sua relação” com a França.

    Os comentários colocam Pequim sob os holofotes em um momento particularmente sensível para sua diplomacia europeia.

    Os laços azedaram quando a Europa observou com inquietação o estreitamento do relacionamento da China com a Rússia e sua recusa em condenar a invasão de Putin.

    Nos últimos meses, Pequim procurou melhorar sua imagem, destacando sua declarada neutralidade no conflito e o desejo de desempenhar um “papel construtivo” no diálogo e na negociação, alimentando ainda mais o debate nas capitais europeias sobre como calibrar seu relacionamento com a China, um importante fator econômico parceiro.

    Esse debate se intensificou este mês após uma visita a Pequim do presidente francês, Emmanuel Macron, que assinou uma série de acordos de cooperação com a China durante uma viagem que ele considerou uma oportunidade de começar a trabalhar com Pequim para pressionar pela paz na Ucrânia.

    Vozes nos ex-estados soviéticos, onde muitos se lembram de estar sob o regime autoritário comunista, estão entre os que criticam tal abordagem na Europa.

    “Se alguém ainda está se perguntando por que os Estados bálticos não confiam na China para ‘mediar a paz na Ucrânia’, aqui está um embaixador chinês argumentando que a Crimeia é russa e as fronteiras de nossos países não têm base legal”, escreveu o ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Landsbergis, no sábado (22).

    Moritz Rudolf, pesquisador e pesquisador do Paul Tsai China Center da Yale Law School, nos EUA, disse que a China tem sido “cada vez mais bem-sucedida em ser percebida como uma potência responsável que pode desempenhar um papel construtivo em um processo de paz na Ucrânia.”

    “Resta saber se a liderança em Pequim percebe o quanto essas palavras podem ser prejudiciais para suas ambições na Europa se o Ministério das Relações Exteriores não distanciar a (República Popular da China) das palavras do embaixador Lu”, disse ele.

    Ele acrescentou que a “posição e prática oficial” da China contradizem os comentários de Lu, inclusive porque a China não reconheceu a soberania da Rússia sobre a Crimeia ou qualquer território que anexou desde 2014.

    Outros sugeriram que os comentários de Lu também podem lançar luz sobre as reais prioridades diplomáticas de Pequim.

    Para a Rússia, desistir do controle da Crimeia é amplamente visto como um obstáculo em qualquer acordo de paz em potencial na Ucrânia.

    Isso significa que Pequim pode ter dificuldade em dar uma resposta direta sobre essa questão, de acordo com Yun Sun, diretor do Programa China no think tank Stimson Center, com sede em Washington.

    “A questão é impossível de responder para a China. O relacionamento da China com a Rússia é de onde vem sua influência”, disse ela, acrescentando que isso não significa que Lu poderia ter dado uma “resposta melhor”.

    “Entre sabotar o relacionamento da China com a Rússia e irritar a Europa, (Lu) escolheu o último.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original