Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Embriões de fertilização in vitro de Gaza são destruídos por ataque israelense

    Ofensiva arrancou tampas de tanques de nitrogênio líquido, o que elevou temperaturas levando à eliminação de mais de 4.000 embriões e mais de 1.000 amostras de esperma e óvulos não fertilizados

    Clínica de FIV Al Basma destruída por ataque israelense em Gaza
    Clínica de FIV Al Basma destruída por ataque israelense em Gaza 2/4/2024 REUTERS/Dawoud Abu Alkas

    Andrew MillsImad CreidiSaleh Salemda Reuters

    Quando um projétil israelense atingiu a maior clínica de fertilidade de Gaza em dezembro, a explosão arrancou as tampas de cinco tanques de nitrogênio líquido armazenados em um canto da unidade de embriologia.

    À medida que o líquido ultrafrio evaporava, a temperatura dentro dos tanques aumentava, destruindo mais de 4.000 embriões e mais 1.000 amostras de esperma e óvulos não fertilizados armazenados no centro de fertilização in vitro Al Basma, na Cidade de Gaza.

    O impacto dessa única explosão foi de longo alcance, um exemplo do preço que o ataque de Israel, que já dura seis meses e meio, teve sobre os 2,3 milhões de habitantes de Gaza.

    Os embriões naqueles tanques eram a última esperança para centenas de casais palestinos que enfrentavam infertilidade.

    “Sabemos profundamente o que essas 5.000 vidas, ou vidas em potencial, significavam para os pais, seja para o futuro ou para o passado”, disse Bahaeldeen Ghalayini, 73 anos, obstetra e ginecologista treinado em Cambridge que fundou a clínica em 1997.

    Pelo menos metade dos casais – aqueles que não conseguem mais produzir espermatozoides ou óvulos para criar embriões viáveis – não terá outra chance de engravidar, afirmou ele.

    “Meu coração está dividido em um milhão de pedaços”, disse ele.

    Três anos de tratamento de fertilidade foram uma montanha-russa psicológica para Seba Jaafarawi. A retirada dos óvulos de seus ovários era dolorosa, as injeções de hormônio tinham fortes efeitos colaterais e a tristeza quando duas tentativas de gravidez fracassaram parecia insuportável.

    Jaafarawi, de 32 anos, e seu marido não conseguiram engravidar naturalmente e recorreram à fertilização in vitro (FIV), que é amplamente disponível em Gaza.

    Famílias numerosas são comuns no enclave, onde quase metade da população tem menos de 18 anos e a taxa de fertilidade é alta, com 3,38 nascimentos por mulher, de acordo com o Escritório Palestino de Estatísticas. A taxa de fertilidade do Reino Unido é de 1,63 nascimento por mulher.

    Apesar da pobreza de Gaza, os casais que enfrentam a infertilidade buscam a fertilização in vitro, alguns vendendo TVs e joias para pagar as taxas, disse Al Ghalayini.

    Sem comemoração

    Pelo menos nove clínicas em Gaza realizam a FIV, na qual os óvulos são coletados dos ovários da mulher e fertilizados pelo esperma em um laboratório. Os óvulos fertilizados, chamados de embriões, geralmente são congelados até o momento ideal para serem transferidos para o útero da mulher. A maioria dos embriões congelados em Gaza era armazenada no centro Al Basma.

    Em setembro, Jaafarawi engravidou, em sua primeira tentativa bem-sucedida de fertilização in vitro.

    “Nem tive tempo de comemorar a notícia”, disse ela.

    Dois dias antes de seu primeiro exame de ultrassom programado, o Hamas lançou o ataque de 7 de outubro contra Israel, matando 1.200 pessoas e fazendo 253 reféns, de acordo com os registros israelenses.

    Israel prometeu destruir o Hamas e lançou um ataque total que, desde então, matou mais de 33.000 palestinos, segundo as autoridades de saúde de Gaza.

    Jaafarawi ficou preocupada: “Como eu terminaria minha gravidez?”

    Seu ultrassom nunca foi realizado e Ghalayini fechou a clínica, onde outros cinco embriões de Jaafarawi foram armazenados.

    Jaafarawi sangrou um pouco depois que ela e seu marido saíram de casa e se mudaram para o sul, para Khan Younis. O sangramento diminuiu, mas seu medo não.

    Eles atravessaram para o Egito em 12 de novembro e, no Cairo, seu primeiro ultrassom mostrou que ela estava grávida de gêmeos e que eles estavam vivos.

    Mas depois de alguns dias, ela teve cólicas dolorosas, sangramento e uma mudança repentina em sua barriga. Ela conseguiu chegar ao hospital, mas o aborto já havia começado.

    “Os sons dos meus gritos e choro no hospital ainda estão (ecoando) em meus ouvidos”, disse ela.

    Jaafarawi queria voltar à zona de guerra, recuperar seus embriões congelados e tentar a fertilização in vitro novamente.

    Mas logo seria tarde demais.

    Ghalayini disse que um único projétil israelense atingiu o centro, explodindo o laboratório de embriologia do andar térreo. Ele não sabe se o ataque teve como alvo específico o laboratório ou não.

    “Todas essas vidas foram mortas ou levadas embora: 5.000 vidas em um único projétil”, afirmou ele.

    Em abril, o laboratório de embriologia ainda estava repleto de alvenaria quebrada, materiais de laboratório explodidos e, em meio aos escombros, os tanques de nitrogênio líquido, de acordo com um jornalista comissionado da Reuters que visitou o local.