Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Enfermeira israelense passou cativeiro em Gaza ajudando reféns idosos em túnel

    Nili Margalit negociou medicamentos para reféns com doenças crônicas

    Nili Margalit e Shani Goren são libertadas em Gaza após sequestro
    Nili Margalit e Shani Goren são libertadas em Gaza após sequestro Divulgação via REUTERS

    Dan Williamsda Reuters

    Uma enfermeira que estava entre os vários israelenses sequestrados em Gaza diz que passou seu cativeiro em um túnel subterrâneo, tratando de outros reféns idosos, alguns com dificuldades de visão ou audição, com suprimentos médicos escassos, pelos quais teve que negociar com o Hamas.

    Nili Margalit foi repatriada em uma trégua em novembro entre Israel e o Hamas. Entrevistada pela TV local, ela disse que civis palestinos a sequestraram em seu vilarejo e a “venderam” para combatentes islâmicos que lideraram o ataque de 7 de outubro que desencadeou a guerra.

    Sem saber que seu pai, juntamente com cerca de 1.200 outras pessoas, havia sido morto, Margalit, de 41 anos, foi levada descalça para um túnel sufocante do Hamas, onde, segundo ela, os reféns haviam sido reunidos, com vários ferimentos causados pela condução brusca.

    “Estávamos em estado de choque”, disse ela ao Canal 12.

    Mas usando árabe básico aprendido na sala de emergência de um hospital do sul de Israel que recebe pacientes beduínos, Margalit informou aos captores do Hamas que era enfermeira. Eles concordaram com sua oferta de cuidar das necessidades médicas dos reféns.

    “Os idosos me preocupavam”, afirmou. “Pedi a eles que fizessem uma lista de seus medicamentos importantes – para problemas cardíacos, pressão arterial, rins.” Margalit anotou esses dados em inglês para o Hamas. Dias depois, uma sacola preta com suprimentos farmacêuticos chegou, mas se mostrou inadequada, com algumas prescrições incompatíveis.

    “Havia pessoas doentes. Elas tinham doenças crônicas”, disse ela. “Não havia comprimidos suficientes. Não havia comida suficiente.”

    No entanto, a privação oferecia paliativos. A quase inanição significava que os portadores de diabetes não tratados eram poupados da hiperglicemia. Ao receber apenas uma cartela de antibióticos, Margalit decidiu guardá-la e, em vez disso, fez um curativo em um ferimento com mel para combater inflamação.

    Para conseguir novos suprimentos, foi necessário negociar regularmente com os captores do Hamas, incluindo alguns que ela descreveu como altos funcionários palestinos que inspecionavam os reféns e conversavam em hebraico.

    “Eu os incomodava, fazendo isso com o que se pode chamar de um pouco de bom humor”, disse ela, lembrando-se de como avisou os captores que alguns dos reféns poderiam sucumbir às doenças. “Isso os assustou. Eles não queriam que essas pessoas morressem.”

    Várias reféns idosas foram libertadas junto com Margalit, em um acordo no qual Israel libertou dezenas de prisioneiros palestinos. Homens idosos permanecem entre os 132 reféns ainda em Gaza – 25 dos quais morreram, de acordo com autoridades israelenses. O Hamas disse que alguns deles foram mortos por bombardeios em Gaza e, no início da guerra, também ameaçou executar os reféns.

    Margalit disse que acredita que os suprimentos médicos já tenham se esgotado. “Sabemos que estávamos em túneis e sabemos que a guerra está sendo travada atualmente acima do local onde estávamos presos”, disse ela.