Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cinco explosões são relatadas em base militar pró-Irã no Iraque, diz fonte

    Ao menos três combatentes ficaram feridos; houve "perdas materiais"

    Iraquianos na capital, Bagdá
    Iraquianos na capital, Bagdá Foto: Murtadha Al-Sudani - 4.dez.2020/Anadolu Agency via Getty Images

    Da CNN

    Ao menos três membros das Forças de Mobilização Popular (PMF), que são aliadas ao Irã, ficaram feridos após “cinco explosões” em uma base militar ao sul de Bagdá, disse Muhannad al-Anazi, membro do Comitê de Segurança local, em comunicado na madrugada deste sábado (20), horário local.

    Um breve comunicado divulgado pelas PMF reconheceu que houve “uma explosão que ocorreu no quartel-general das Forças de Mobilização Popular na base militar de Kalsu, no distrito de Al-Mashrou, na rodovia, ao norte da província da Babilônia”.

    Uma equipe de investigação chegou ao local e a explosão causou perdas materiais e feridos, destacaram. “Forneceremos os detalhes assim que a investigação preliminar for concluída”, acrescentou.

    Israel não tem envolvimento nos relatos de explosões, disse uma autoridade israelense à CNN. Uma autoridade dos EUA pontuou à agência Reuters que não houve atividade militar americana no Iraque.

    Duas fontes de um hospital na cidade vizinha de Hilla destacaram à Reuters que um combatente foi morto e seis ficaram feridos,

    Fontes das Forças de Mobilização Popular pontuaram que ataques tiveram como alvo um quartel-general das PMF na base militar de Kalso, perto da cidade de Iskandariya, cerca de 50 km ao sul de Bagdá.

    Autoridades do governo não responderam imediatamente a um pedido de comentários da Reuters.

    As PMF tiveram início como um agrupamento de facções armadas, muitas delas próximas do Irã, que mais tarde foi reconhecido como uma força de segurança formal pelas autoridades iraquianas.

    Facções dentro das PMF participaram em meses de ataques com foguetes e drones contra as forças dos Estados Unidos no Iraque durante a campanha de Israel na Faixa de Gaza, mas deixaram de fazer ações do tipo em fevereiro.

    *com informações de Aqeel Najim eHamdi Alkhshali, da CNN, e da Reuters