Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Enquanto Biden visita Ucrânia, principal diplomata da China vai à Rússia

    Wang Yi deve chegar Moscou esta semana como parte de sua turnê de oito dias pela Europa

    Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi
    Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi Greg Baker/Pool via Getty Images

    Nectar GanSimone McCarthyda CNN

    Hong Kong

    Quando o presidente dos EUA, Joe Biden, pousou na Ucrânia para se encontrar com seu homólogo Volodymyr Zelensky nesta segunda-feira (20), o principal diplomata da China estava viajando na direção oposta, a caminho da Rússia.

    Wang Yi – que foi promovido a principal conselheiro de política externa do líder chinês Xi Jinping no mês passado – deve chegar a Moscou esta semana como parte de sua turnê de oito dias pela Europa, uma viagem que traz à tona a tentativa de equilíbrio diplomático da China desde que os tanques da Rússia entraram na Ucrânia há um ano.

    A ótica das duas viagens – ocorrendo poucos dias antes do aniversário de um ano da guerra brutal na sexta-feira – ressalta o aguçamento das linhas de falha geopolítica entre as duas superpotências mundiais.

    Enquanto as relações entre os EUA e a China continuam a despencar – mais recentemente devido às consequências de um suposto balão espião chinês que entrou no espaço aéreo dos EUA, a China e a Rússia estão mais próximas do que nunca desde que seus líderes declararam uma amizade “sem limites” há um ano – em parte impulsionados por sua animosidade compartilhada em relação aos Estados Unidos.

    E enquanto os EUA e seus aliados reafirmam seu apoio à Ucrânia e intensificam a ajuda militar, o aprofundamento da parceria de Pequim com Moscou levantou alarmes nas capitais ocidentais – apesar da ofensiva pública de charme da China na Europa para se apresentar como um negociador de paz.

    Na Conferência de Segurança de Munique no sábado, Wang se dirigiu a uma sala de autoridades europeias como “querido amigo” e elogiou o compromisso da China com a paz, enquanto aparentemente tentava criar uma barreira entre a Europa e os EUA.

    “Não colocamos lenha na fogueira e somos contra colher os benefícios desta crise”, disse Wang em uma crítica velada aos EUA, ecoando a mensagem de propaganda que regularmente aparece no noticiário noturno do horário nobre da China – que os Estados Unidos estão intencionalmente prolongando a guerra porque seus fabricantes de armas estão obtendo grandes lucros com a venda de armas.

    “Algumas forças podem não querer que as negociações de paz se materializem. Eles não se importam com a vida e a morte dos ucranianos, nem com os danos à Europa. Eles podem ter objetivos estratégicos maiores do que a própria Ucrânia. Esta guerra não deve continuar”, disse Wang.

    Ele instou as autoridades europeias a pensar sobre “que estrutura deve haver para trazer uma paz duradoura à Europa, que papel a Europa deve desempenhar para manifestar sua autonomia estratégica”.

    Wang também anunciou o plano de Pequim de divulgar sua proposta de “resolução política” da crise na Ucrânia por volta do primeiro aniversário.

    Mas a vaga menção da proposta foi recebida com desconfiança por alguns líderes ocidentais que estão observando de perto qualquer apoio que a China dê a seu vizinho do norte – especialmente assistência que possa ajudar a Rússia no campo de batalha.

    “Precisamos de mais provas de que a China não está trabalhando com a Rússia, e não estamos vendo isso agora”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, à CNN no sábado.

    Tais suspeitas são agravadas por alegações de autoridades americanas de que Pequim está considerando intensificar sua parceria com Moscou, fornecendo “apoio letal” aos militares da Rússia.

    “Temos observado isso muito de perto”, disse o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, a “Face the Nation” na CBS em Munique no domingo.

    “A preocupação que temos agora é baseada em informações de que eles estão considerando fornecer apoio letal, e deixamos muito claro para eles que isso causaria um problema sério para nós e nosso relacionamento”, disse Blinken.

    Respondendo às acusações na segunda-feira, o Ministério das Relações Exteriores da China criticou os EUA por “afastar a responsabilidade, transferir a culpa e espalhar informações falsas”.

    “É o lado dos EUA, não o lado chinês, que fornece um fluxo constante de armas para o campo de batalha. O lado dos EUA não está qualificado para dar lições à China e nunca aceitaríamos que os EUA ditassem ou mesmo coagissem as relações sino-russas”, disse um porta-voz do ministério em uma entrevista coletiva regular.

    “Quem está pedindo diálogo e paz? E quem está distribuindo facas e incentivando o confronto? A comunidade internacional pode ver claramente”, disse o porta-voz.

    As autoridades americanas se preocuparam o suficiente com a inteligência que a compartilharam com aliados e parceiros em Munique, de acordo com reportagem da CNN.

    Em uma reunião com Wang nos bastidores da conferência no sábado, Blinken também levantou a questão e alertou Wang sobre suas “implicações e consequências”, de acordo com uma leitura dos EUA.

    As acusações dos EUA, se verdadeiras, marcariam uma grande escalada no apoio da China à Rússia – e inaugurariam uma nova fase perigosa e imprevisível na própria guerra.

    Anteriormente, Pequim havia evitado cuidadosamente ações que poderiam desencadear sanções secundárias, o que seria um golpe devastador para uma economia prejudicada por três anos de custosa política de Covid zero.

    Embora Pequim alegue imparcialidade no conflito e nenhum conhecimento prévio das intenções da Rússia, ela se recusou a condenar Moscou e repetiu as falas do Kremlin culpando a OTAN por provocar o conflito.

    E enquanto a retórica pró-Rússia de Pequim parece ter abrandado nos últimos meses, seu apoio a Moscou – quando medido por seu comércio anual, compromissos diplomáticos e cronograma de exercícios militares conjuntos – aumentou no ano passado.

    As autoridades chinesas frequentemente calibram sua narrativa para diferentes públicos. Wang pode ter feito muitas promessas atraentes durante sua viagem à Europa, mas se elas serão traduzidas em uma mensagem consistente a ser entregue ao líder russo Vladimir Putin quando os dois se encontrarem no Kremlin esta semana é outra questão.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original