Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda como Israel e aliados interceptaram mais de 300 mísseis e drones iranianos

    Militares de Israel disseram neste domingo que 99% dos projéteis disparados pelo Irã foram interceptados

    Autoridades em Tel Aviv estão em alerta devido os drones lançados pelo Irã
    Autoridades em Tel Aviv estão em alerta devido os drones lançados pelo Irã CNN

    Brad Lendonda CNN

    Quase todos os mísseis balísticos e drones que o Irã lançou contra Israel num ataque sem precedentes no final do sábado (13) foram interceptados e não atingiram o seu alvo, de acordo com autoridades israelenses e americanas, destacando a defesa antimísseis em múltiplas camadas implantada pelos dois parceiros aliados.

    Grande parte das mais de 300 munições iranianas, a maioria das quais se acredita terem sido lançadas de dentro do território iraniano durante um ataque de cinco horas, foram interceptadas antes de chegarem a Israel, a mais de 1.100 milhas (1.770 quilômetros) de seu lançamento.

    Os militares de Israel disseram neste domingo (14) que “99%” dos projéteis disparados pelo Irã foram interceptados por Israel e seus parceiros, com apenas “um pequeno número” de mísseis balísticos a atingir Israel.

    No total, cerca de 170 drones, mais de 30 mísseis de cruzeiro e mais de 120 mísseis balísticos foram lançados contra Israel pelo Irã durante a noite de sábado, disseram os militares.

    Em uma ligação no domingo, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que isso constituiu uma vitória para Israel, já que nada de “valor” foi atingido, disse um alto funcionário do governo dos EUA à CNN.

    Autoridades dos EUA disseram que mais de 70 drones e três mísseis balísticos foram interceptados por navios e aeronaves militares da Marinha dos EUA, sem fornecer detalhes sobre exatamente quais defesas foram usadas para derrubar os projéteis.

    A Marinha dos EUA derrubou pelo menos três mísseis balísticos usando o sistema de defesa antimísseis Aegis a bordo de dois destroyers de mísseis guiados no Mediterrâneo oriental, disseram autoridades a Oren Liebermann da CNN no Pentágono.

    Aviões de guerra americanos também abateram material bélico iraniano, informou Liebermann. Embora não tenha sido revelado onde esses jatos dos EUA operavam, existem porta-aviões da marinha do país e aeronaves terrestres bem ao alcance da região.

    Biden disse em comunicado que os EUA estavam bem preparados para ajudar a defender Israel contra o ataque iraniano.

    “Para apoiar a defesa de Israel, os militares transferiram aeronaves e destroyers de defesa contra mísseis balísticos para a região ao longo da semana passada”, disse Biden em um comunicado.

    “Graças a essas implantações e à habilidade extraordinária de nossos militares, ajudamos Israel a derrubar quase todos os drones e mísseis que chegavam”, disse.

    A Grã-Bretanha afirmou que também estava preparada para intervir usando aeronaves da Força Aérea Real que possui na região.

    “Esses jatos do Reino Unido interceptarão quaisquer ataques aéreos dentro do alcance de nossas missões existentes, conforme necessário”, disse um comunicado do Ministério da Defesa.

    Um porta-voz militar israelense também disse que a França estava envolvida no bloqueio dos ataques iranianos.

    “Estamos trabalhando em estreita colaboração com os EUA, o Reino Unido e a França que agiram esta noite. Esta parceria sempre foi estreita, mas esta noite manifestou-se de uma forma inusitada”, disse o porta-voz.

    Sistemas de defesa

    Entretanto, Israel opera uma série de sistemas para bloquear ataques de tudo, desde mísseis balísticos com trajetórias que os levam acima da atmosfera até mísseis de cruzeiro e foguetes que voam baixo.

    O sistema Domo de Ferro de Israel tem estado frequentemente nas manchetes desde que o país iniciou a sua ofensiva militar em Gaza em resposta aos ataques do Hamas em Israel, em 7 de Outubro, que desencadearam as atuais hostilidades na região.

    O Domo é a camada inferior da defesa antimísseis de Israel, de acordo com a Organização de Defesa de Mísseis do país (IMDO).

    Existem pelo menos 10 baterias dele em Israel, cada uma equipada com um radar que detecta foguetes e depois usa um sistema de comando e controle que calcula rapidamente  se um projétil que se aproxima representa uma ameaça ou tem probabilidade de atingir uma área despovoada.

    Se o foguete representar uma ameaça, o equipamento dispara mísseis do solo para destruí-lo no ar.

    O próximo degrau na escada da defesa antimísseis é o David’s Sling, que protege contra ameaças de curto e médio alcance, de acordo com o IMDO.

    David’s Sling, um projeto conjunto do Rafael Advanced Defense System de Israel e da gigante de defesa dos EUA Raytheon, usa interceptores cinéticos Stunner e SkyCeptor para atingir alvos a até 300 quilômetros de distância, de acordo com o projeto Missile Threat do Center for Estudos Internacionais e Estratégicos (CSIS).

    Acima dele estão os sistemas Arrow 2 e Arrow 3 de Israel, desenvolvidos em conjunto com os Estados Unidos.

    O Arrow 2 utiliza ogivas de fragmentação para destruir mísseis balísticos que se aproximam na sua fase terminal – à medida que mergulham em direção aos seus alvos – na alta atmosfera, de acordo com o CSIS.

    O Arrow 2 tem um alcance de 56 milhas e uma altitude máxima de 32 milhas, de acordo com a Missile Defense Advocacy Alliance, que chamou o Arrow 2 de uma atualização das defesas antimísseis Patriot dos EUA que Israel já usou nesta função.

    Enquanto isso, o Arrow 3 usa tecnologia hit-to-kill para interceptar mísseis balísticos que se aproximam no espaço, antes que eles reentrem na atmosfera a caminho dos alvos.

    Israel também possui aviões de combate de última geração, incluindo jatos stealth F-35I que já usou para abater drones e mísseis de cruzeiro, de acordo com reportagens da imprensa.

    Os mísseis balísticos que atingiram Israel caíram na Base Aérea de Netavim, no sul de Israel, disse o porta-voz militar de Israel, acrescentando que causaram apenas danos estruturais leves. A base estava funcionando e continuando suas operações após o ataque, com aviões continuando a utilizar a base, acrescentou.

    Fotos divulgadas pela Força Aérea Israelense na manhã de domingo mostraram caças F-35 e F-15 retornando às suas bases em Israel após o que foi chamado de “interceptações” e “missões de defesa aérea” bem-sucedidas.

    Algumas das armas lançadas contra Israel foram disparadas do Iraque e do Iémen, acrescentou o porta-voz.

    Veja imagens dos ataques:

    Irene Nasser, Eugenia Yosef e Benjamin Brown da CNN contribuíram para este texto.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original