Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda quem foi Eva Perón e o que fez na Argentina

    Ex-primeira-dama promoveu a lei do sufrágio feminino que apresentou em 1946 e foi aprovada em 1947

    Primeira-dama argentina Eva Perón dá discurso político
    Primeira-dama argentina Eva Perón dá discurso político Bettmann Archive

    CNN Espanhol

    Em cartazes nas grandes cidades e tatuagens, na fachada do Ministério da Saúde em Buenos Aires, em inúmeros filmes, novelas e peças, na nota de 100 pesos, em retratos em residências, repartições públicas e sindicatos, no discurso cotidiano; Eva Perón continua a ter uma forte presença na sociedade argentina — entre simpatizantes e detratores — 70 anos após sua morte.

    Mas quem exatamente era “Evita” — como era conhecida popularmente — e o que ela fez na Argentina?

    Biografia

    Eva María Duarte nasceu em 7 de maio de 1919 em Los Toldos, província de Buenos Aires, em uma família de baixa renda. Ela tinha quatro irmãos.

    Em 1935 viajou para Buenos Aires, capital da Argentina, e estreou como atriz na companhia Eva Franco: entre 1936 e 1942 desempenhou vários papéis no cinema, teatro e rádio.

    Em 1944, em um evento para arrecadar fundos para as vítimas do terremoto de San Juan, conheceu o Coronel Juan Domingo Perón, que na época ocupava os cargos de Secretário do Trabalho e Bem-Estar e Ministro da Guerra nos governos de fato de Pedro Ramírez e Edelmiro Julian Farrell. Eles se casaram em 22 de outubro de 1945.

    Juan Domingo Perón, ex-presidente da Argentina, e sua esposa “Evita” Perón / Bettmann Archive

    Eva Duarte de Perón iniciou sua carreira política — em defesa dos direitos das mulheres e dos setores mais vulneráveis — acompanhando seu marido em suas viagens políticas e na campanha presidencial de 1946, que Perón ganhou (ele assumiu a presidência em 4 de junho daquele ano ).

    Ela desmaiou em 1950, e exames médicos subsequentes revelaram um câncer. Devido a seus problemas de saúde, em 1951 anunciou que não acompanharia Perón na campanha presidencial, como era esperado, nas eleições e publicou seu famoso livro “A razão de minha vida”.

    Em 26 de julho de 1952, Eva María Duarte de Perón morreu de câncer do colo do útero, aos tinha 33 anos.

    Funeral de Eva Perón em 1952, após sua morte por um câncer de colo do útero / Archive Photos/Getty Images

    A Argentina havia assinado o Ato de Chapultepec de 1945, que instava a buscar o sufrágio feminino, mas ainda não havia feito progressos decisivos, exceto pela reivindicação em décadas anteriores de mulheres sufragistas e setores socialistas e comunistas.

    Eva Perón, já primeira-dama da Argentina, promoveu a lei do sufrágio feminino que apresentou em 1946 e foi aprovada em 1947, e os conceitos de igualdade jurídica dos cônjuges e autoridade parental compartilhada, que foram incorporados ao artigo 37 da Constituição promovida por Perón em 1949 (posteriormente revogada após o golpe militar de 1955).

    Em 1949, ele também fundou o Partido Peronista Feminino, que presidiu até sua morte.

    Também defendeu os direitos dos setores mais vulneráveis ​​e promoveu programas sociais: no âmbito da Fundação Eva Perón, foram criadas instituições educacionais, hospitais, a famosa Escola de Enfermagem e lojas de alimentos.

    Por causa de seu trabalho, ela ficou conhecida como a “porta-bandeira dos humildes” e a “mãe dos sem camisa”, que na Argentina era usada na época para se referir a pessoas muito pobres.

    Flores se acumularam em frente ao Ministério do Trabalho e do Bem-Estar em Buenos Aires após a morte de Eva Perón / Bettmann Archive

    Apoiadores e detratores

    Desde sua ascensão como primeira-dama e mesmo após sua morte em 1952, Eva Perón provocou tanto devoção de seus seguidores quanto fortes críticas de seus detratores, situação que perdura até hoje.

    Seu túmulo no cemitério de La Recoleta, na cidade de Buenos Aires, ainda está enfeitado com flores frescas e mensagens de seus apoiadores, e sua figura continua inspirando expressões artísticas: a série “Santa Evita”, baseada por sua vez no romance do escritor Tomás Eloy Martínez, estreia nesta terça-feira (26).

    Muitos vão se lembrar, especialmente fora da Argentina, do popular musical da Broadway “Evita”, de Andrew Lloyd Webber e Tim Rice, que teve sua versão cinematográfica em 1996, com o papel principal de Madonna. Baseado na biografia altamente crítica de Eva Perón publicada em 1952 por Mary Main, nenhuma das duas obras é celebrada pelos peronistas.

    Evita é um símbolo do peronismo, um dos movimentos políticos mais importantes da história da Argentina: o atual presidente, Alberto Fernández, pertence ao mesmo partido, assim como a vice presidente e ex-presidente, Cristina Fernandez de Kirchner.

    Assim, os setores críticos do governo Perón, que consideravam um líder autoritário e populista simpatizante do fascismo, também denunciaram a figura de Evita: questionaram o governo peronista pela censura à imprensa e a perseguição de opositores, entre outros coisas.

    Três anos após a morte de Evita, os setores antiperonistas, que contavam com o apoio de grande parte das forças armadas argentinas, finalmente derrubaram Perón em 1955, embora ele tenha retornado ao poder brevemente em 1973, antes de sua morte um ano depois.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original