Equipe do líder da oposição venezuelana sofre racha com saída de colaborador

Estados Unidos e dezenas de outros países reconhecem o governo provisório de Juan Guaido

Segundo AGU, saída de diplomatas venezuelanos foi acertada com representantes de Caracas
Segundo AGU, saída de diplomatas venezuelanos foi acertada com representantes de Caracas Foto: Alexander Rodriguez/Pixabay

Deisy BuitragoVivian Sequerada Reuters

Caracas

Ouvir notícia

Julio Borges, o político que atua como ministro das Relações Exteriores do governo interino da Venezuela, apoiado pelos EUA, disse neste domingo (5) que deixaria seu posto, enfraquecendo ainda mais a oposição poucas semanas depois de ser derrotada nas eleições regionais.

Os Estados Unidos e dezenas de outros países reconhecem o governo provisório, liderado por Juan Guaido e formado no início de 2019, e consideram a reeleição do presidente Nicolas Maduro em 2018 como fraudulenta.

O governo interino não está cumprindo seus objetivos, cujas diferenças com Guaido são conhecidas, disse Borges, em entrevista coletiva on-line.“O governo [provisório] faz sentido como instrumento para sair da ditadura, mas neste momento, a nosso ver, o governo provisório está deformado”, disse Borges.

“Em vez de ser um instrumento de combate à ditadura, o governo interino se tornou uma espécie de casta”, continuou. Borges mora em Bogotá, capital da vizinha Colômbia, onde obteve asilo político depois que o governo de Maduro o acusou de participar de um complô contra o presidente.

Ele é membro do partido Primeira Justiça, um dos quatro maiores partidos da oposição e faz parte da coalizão de Guaido na assembleia nacional.

Nem a Primeira Justiça nem o gabinete de Guaido responderam imediatamente aos pedidos de comentários.Borges disse que oficializará sua renúncia durante uma sessão legislativa na terça-feira e que o governo interino deve “desaparecer”.

Ele deve servir apenas para administrar ativos estatais com sede no exterior, como a refinaria norte-americana Citgo, e sua estrutura política deve ser reformulada, acrescentou.

As divisões internas na oposição e os lentos acordos de aliança entre os partidos são vistos pelos analistas e por alguns membros da própria oposição como uma das causas das derrotas nas eleições locais e regionais, quando os candidatos da oposição conquistaram apenas três dos 23 governadores.

 

Mais Recentes da CNN