Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Esforços para garantir saída de estrangeiros de Gaza foram frustrados pelo Hamas, dizem EUA

    Além de empecilhos impostos pelo grupo radical islâmico, um alto funcionário americano diz que desafios logísticos também embargam a liberação de civis

    Palestinos com dupla nacionalidades atravessam a passagem de Rafah de Gaza com o Egito
    Palestinos com dupla nacionalidades atravessam a passagem de Rafah de Gaza com o Egito Arafat Barbakh/Reuters (01.nov.23)

    Donald Juddda CNN

    Os esforços para garantir a passagem segura de cidadãos estrangeiros da Faixa de Gaza foram frustrados pelo Hamas e por uma série de desafios logísticos, agravando ainda mais uma terrível situação humanitária, uma vez que milhares de estrangeiros permaneciam presos na região devastada pela guerra, de acordo com um alto funcionário dos EUA.

    O Hamas, que controla a Faixa de Gaza, não permitiria que ninguém saísse da área, segundo o alto funcionário da administração americana, o que provocou uma série de negociações lideradas pelo Embaixador David Satterfield.

    À medida que a crise humanitária em Gaza piorava, o Hamas transmitiu que os cidadãos estrangeiros seriam autorizados a sair “contanto que vários palestinos feridos também pudessem sair, o que obviamente não é questionável”, disse o responsável.

    Mas aproximadamente um terço dos palestinos feridos listados foram sinalizados como membros do Hamas no processo de verificação, o que era “simplesmente inaceitável para o Egito, para nós, para Israel”, disse o funcionário.

    Veja também: Brasileiros estão fora de terceira lista para deixar Faixa de Gaza

    Após outra ronda de negociações, foi alcançado um acordo para garantir “que os civis palestinos feridos que partiam com os cidadãos estrangeiros não eram combatentes do Hamas, [mas] verdadeiramente civis apanhados nesta terrível e horrível tragédia”.

    Um avanço foi finalmente alcançado na terça-feira para permitir que portadores de passaportes estrangeiros e um grupo de civis gravemente feridos partissem pela passagem de fronteira de Rafah, com o primeiro grupo partindo na quarta-feira (1º).

    Os problemas com a passagem de Rafah para o Egito, que a administração caracterizou como “não sendo realmente a passagem por onde normalmente passa um grande número de civis”, complicaram ainda mais os fatores.

    “Portanto, tivemos que trabalhar com muito cuidado com os egípcios e com a ONU para implementar os mecanismos”, disse o funcionário, acrescentando que os detalhes finais foram acertados em ligações entre o presidente Joe Biden e o presidente egípcio Abdel Fattah El-Sisi e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, no fim de semana.

    Entretanto, disse o responsável, há “um processo igualmente intenso em curso” para garantir a libertação segura dos reféns detidos pelo Hamas em Gaza.

    A libertação bem-sucedida de dois reféns no mês passado, disse o funcionário, “foi uma espécie de piloto para ver se era possível”.

    “É possível, mas os números de que estamos falando são extremamente difíceis.”

    Negociar a libertação de um número tão grande de reféns, acrescentou o responsável, exigiria “uma pausa bastante significativa nas hostilidades”.

    Na terça-feira, o porta-voz das Forças de Defesa de Israel (FDI), o contra-almirante Daniel Hagari, disse que o número de reféns que se acredita serem detidos pelo Hamas na Faixa de Gaza chega a 240.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original