Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Estados Unidos derrubam objeto voador suspeito sobre o Alasca

    É a segunda vez que o país derruba um objeto voando sobre seu espaço aéreo em pouco menos de uma semana, após abater um balão chinês suspeito de espionagem no último sábado

    Maegan VazquezBetsy KleinOren Liebermannda CNN

    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse à CNN que o abate de um “objeto de alta altitude” pairando sobre o Alasca na sexta-feira (10) “foi um sucesso”, logo depois que as autoridades de segurança nacional americanas divulgaram que o comandante-chefe deu a aprovação militar para a ação.

    O anúncio marca a segunda vez que caças americanos derrubaram um objeto voando sobre o espaço aéreo dos EUA em pouco menos de uma semana, após a decisão de Biden de abater um balão chinês suspeito de espionagem na costa da Carolina do Sul no último sábado.

    Desta vez, o presidente tomou medidas mais decisivas para derrubar rapidamente o objeto no Alasca, mas questões importantes sobre a origem do objeto e sua funcionalidade permanecem sem resposta.

    Depois que o objeto foi detectado pela primeira vez na quinta-feira (9), caças F-35 foram enviados para investigá-lo, de acordo com um funcionário dos EUA. O objeto, disse o coordenador do Conselho de Segurança Nacional para comunicações estratégicas, John Kirby, durante uma coletiva de imprensa na Casa Branca, estava voando a uma altitude de 12 quilômetros e “representava uma ameaça razoável à segurança de voos civis”.

    Os caças foram investigar o objeto novamente na manhã de sexta-feira. Ambas as aproximações renderam informações “limitadas”, disse Kirby aos repórteres.

    “Alguns caças voaram ao redor do objeto antes da ordem de derrubá-lo, e a avaliação dos pilotos foi de que não havia tripulação”, acrescentou Kirby.

    O presidente foi informado pela primeira vez na noite de quinta-feira “assim que o Pentágono tinha informações suficientes”, disse Kirby, acrescentando que, por recomendação do Pentágono, Biden ordenou que os militares “derrubassem o objeto – e eles o fizeram”.

    O objeto foi derrubado por aviões de caça atribuídos ao Comando Norte dos EUA. E autoridades dos EUA disseram que o objeto foi derrubado sobre as águas congeladas do Oceano Ártico, perto da fronteira canadense, a cerca de 16 quilômetros da costa norte do Alasca. Os EUA esperam recuperar os destroços, disse Kirby.

    Biden, questionado mais tarde na sexta-feira se tinha algum comentário sobre o objeto abatido sobre o Alasca, disse à CNN: “Foi um sucesso”.

    Um caça F-22 da Base Conjunta Elmendorf-Richardson, no Alasca, derrubou o objeto “às 13h45, horário padrão do leste, hoje, dentro do espaço aéreo soberano dos EUA sobre as águas territoriais dos EUA”, disse o secretário de imprensa do Pentágono, Brigadeiro General Pat Ryder, a repórteres na sexta-feira.

    Ele disse que o objeto foi abatido pelo F-22 com um AIM-9X, o mesmo tipo de aeronave e míssil usado para abater o balão na costa da Carolina do Sul.

    Um funcionário dos EUA observou que não havia nenhuma preocupação séria sobre danos colaterais a pessoas ou propriedades no local quando a decisão de derrubá-lo foi tomada. O Comando Norte dos EUA e o NORAD queriam abater o objeto durante o dia porque as breves horas de sol no extremo norte tornavam mais fácil para que um jato em movimento rápido tentasse encontrar e seguir um objeto em movimento lento, disse o oficial.

    O objeto não parecia ter nenhum equipamento de vigilância, de acordo com uma autoridade dos EUA, o que o tornaria menor e provavelmente menos sofisticado do que o balão chinês abatido no fim de semana passado.

    Oficiais militares expressaram confiança de que o objeto não era um bem pertencente às forças armadas ou ao governo dos EUA.

    O objeto representava uma ameaça para voos civis

    Ryder disse que o Departamento de Defesa não tinha detalhes sobre as “capacidades, propósito ou origem” do objeto. Ele acrescentou que o objeto representava uma ameaça razoável para a segurança do voo civil, observando que “o objeto era do tamanho de um carro pequeno, portanto não era semelhante em tamanho ou forma ao balão de vigilância de alta altitude que foi derrubado na costa de Carolina do Sul em 4 de fevereiro”.

    O Comando do Alasca do Comando Norte dos EUA coordenou a operação com a ajuda da Guarda Aérea Nacional do Alasca, da Administração Federal de Aviação e do Federal Bureau of Investigation (FBI), disse Ryder.

    O objeto derrubado sobre o Alasca era muito menor do que o balão de vigilância chinês derrubado em águas territoriais no sábado. A carga útil do balão chinês derrubado no último sábado foi descrita por autoridades dos EUA como sendo aproximadamente do tamanho de três ônibus, enquanto o objeto de grande altitude derrubado na sexta-feira foi descrito como sendo do tamanho de um carro pequeno. Os EUA não atribuíram o segundo objeto voador a nenhum país ou entidade.

    “Estamos chamando isso de objeto porque é a melhor descrição que temos no momento. Não sabemos quem é o dono – se é estatal, corporativo ou privado, simplesmente não sabemos”, disse Kirby.

    O objeto “não parecia ser controlado e, portanto, (estava) à mercê dos ventos predominantes”, tornando-o “muito menos previsível”, disse Kirby.

    A Administração Federal de Aviação emitiu uma restrição temporária de voo na sexta-feira na área ao redor de Deadhorse, no Alasca, enquanto os militares agiam contra o objeto.

    O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, disse na sexta-feira que apoiou a decisão de derrubar o objeto.

    “Esta tarde, um objeto que violou o espaço aéreo americano foi derrubado. Fui informado sobre o assunto e apoiei a decisão de agir. Nossos serviços militares e de inteligência sempre trabalharão juntos, inclusive por meio do @NORADCommand, para manter as pessoas seguras”, tuitou Trudeau.

    Desde que surgiram as notícias na semana passada sobre o balão chinês que estava flutuando no espaço aéreo dos EUA, novos detalhes surgiram sobre o que agora é entendido como uma operação de vigilância global das forças armadas da China.

    Na quinta-feira, as autoridades revelaram que acreditam que os balões espiões descobertos pelos EUA fazem parte de uma grande frota que está conduzindo operações de vigilância globalmente. Os EUA rastrearam os balões em 40 países e cinco continentes.

    Os EUA desenvolveram um método para rastrear a frota de balões espiões da China no ano passado, informou a CNN exclusivamente na sexta-feira.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original