Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Estados Unidos precisarão passar por uma nova onda de fechamentos, afirma Fauci

    Imunologista da Casa Branca diz que país não conseguiu conter transmissão da Covid-19

    Anthony Fauci fala durante audiência no Senado dos EUA
    Anthony Fauci fala durante audiência no Senado dos EUA Foto: Al Drago/Reuters (30.jun.2020)

    Pedro Teodoro*, da CNN

    O imunologista da Casa Branca, Anthony Fauci afirmou nesta quarta-feira (5) que os Estados Unidos precisarão de um novo isolamento rígido.

    A declaração foi feita em entrevista a Sanjay Gupta, correspondente de saúde da CNN, em evento online organizado pela Universidade de Harvard. Ambos fizeram uma análise atual do novo coronavírus no país.

    De acordo com Fauci, os EUA não conseguiram conter de forma efetiva a transmissão da doença em território local e se propôs a reabrir atividades consideradas “não essenciais” sem estudo científico prévio.

    Leia também:

    Eleições nos EUA: Trump perde terreno enquanto país luta contra Covid-19

    EUA ultrapassam marca de 150 mil mortes por Covid-19

    “Os EUA retomaram sua economia muito rapidamente e sem um preparo prévio; as consequências estão acontecendo agora”, afirmou o imunologista. “Por esse erro de cálculo, a nação terá de fazer um novo isolamento rígido nas próximas semanas”.

    Fauci também discutiu com Gupta a respeito da politização no uso de máscaras. Para ele, uma recomendação científica não deveria ser levada para o discurso político. “É completamente ridículo o que estão fazendo com esse objeto”, afirmou.  

    Nas últimas semanas, a CNN vem noticiando que o uso de máscara tem sido usado de maneira política. O presidente Donald Trump e parte do partido republicano, por exemplo, se opõem a obrigatoriedade.  

    Por fim, Anthony Fauci pediu para que as autoridades norte-americanas corrijam o atraso nos resultados de testes da Covid-19. Atualmente, os mecanismos usados para verificar se o indivíduo tem ou não o vírus demoram “mais do que o aceitável”.

    “Quanto mais rápido tivermos uma resposta, mais eficaz será a atuação dos órgãos de saúde”, disse o médico.

    (Com informações da CNN Internacional. Supervisão de Evelyne Lorenzetti)