Estatais da China sofrem para alinhar retórica do clima com a realidade

Apesar de muitas dessas empresas já terem começado a esboçar planos e definir metas, elas também têm um grande papel social no sistema político do país

Turista fotografa a névoa causada por poluentes no ar em Xangai, na China
Turista fotografa a névoa causada por poluentes no ar em Xangai, na China Feature China - 24.dez.2020/Barcroft Media via Getty Images

David Stanwayda Reuters

Ouvir notícia

As promessas ambiciosas dos líderes da China de cortar as emissões colocaram sob pressão suas gigantescas corporações estatais – que fazem uso intensivo de carbono – e elas correm o risco de fracassar em meio a sinais confusos de políticos e outras restrições.

Quando o presidente chinês, Xi Jinping, disse em setembro que a maior fonte mundial de gases de efeito estufa reduziria as emissões para zero até 2060, as atenções se voltaram para as empresas estatais chinesas.

Pequim já apresentou metas climáticas atualizadas às Nações Unidas, à medida que uma nova rodada de negociações sobre mudança climática está em andamento em Glasgow, na Cúpula do Clima (COP26). O próximo desafio é descobrir como implementá-las.

No entanto, as dificuldades enfrentadas pelas empresas gigantes da China dificultarão para Pequim oferecer promessas mais fortes e facilitar o caminho para um programa mais ambicioso de cortes de emissões globais – especialmente enquanto o país enfrenta uma escassez de energia.

“As estatais estão ocupadas traçando seus planos e tentando definir suas metas, e algumas delas já estão criando um planejamento mais detalhado para a transição”, disse Ma Jun, diretor do Instituto de Assuntos Públicos e Ambientais (IPE), que acompanha os registros ambientais e climáticos de grandes corporações na China.

“Para garantir que eles possam cumprir outras metas exigentes quando, entretanto, são afetadas pelas metas climáticas é necessária uma estratégia de transição realmente sólida e, até agora, ainda há grandes lacunas”, acrescentou Ma.

O IPE avaliou 58 unidades listadas de empresas estatais chinesas de setores como aço, petroquímica, energia elétrica e aviação, cobrindo mais de 1 bilhão de toneladas de emissões anuais.

O estudo descobriu que, embora elas geralmente estejam à frente de seus colegas do setor privado, algumas estão ficando para trás, e em índices como eficiência energética, setores como o aço ainda estão atrás de seus rivais globais, disse Ma.

Das 58, 91% divulgaram dados climáticos e de emissões em seus relatórios oficiais. Mais da metade tomou medidas para reduzir as emissões, mas apenas 16% até agora anunciaram metas.

Mulher usando máscara caminha perto de prédios em meio à poluição em Hebei, na China
Mulher usando máscara caminha perto de prédios em meio à poluição em Hebei, na China / REUTERS/Stringer

Enquanto isso, apenas seis emitiram “declarações climáticas” formais, incluindo gigantes geradores de energia como Huaneng, Huadian e Datang, que prometeram elevar as emissões a um pico até 2025, antes da meta nacional de 2030.

Três outras, incluindo a Baowu Iron and Steel – a maior siderúrgica da China –, bem como os dois maiores fornecedores de petróleo e gás PetroChina e Sinopec – prometeram atingir zero emissões por volta de 2050, uma década antes da meta nacional.

De acordo com os dados do IPE, a Sinopec tem a pontuação mais alta entre as estatais chinesas no que diz respeito à divulgação de dados, metas e ações específicas relacionadas às mudanças climáticas e ocupa a 35ª posição globalmente, atrás de empresas como Dell e Apple.

Em um relatório publicado no mês passado, o IPE disse que a pontuação média na região da China é significativamente menor do que no resto do mundo.

Responsabilidades sociais

As estatais desempenham um grande papel no sistema político da China, e a promessa de Xi de neutralizar uma pegada de carbono anual de 10 bilhões de toneladas levou associações de uma ampla gama de indústrias de alta emissão a traçar roteiros.

Mas as empresas também são obrigadas a cumprir outras “responsabilidades sociais”, incluindo a garantia do abastecimento de energia e matérias-primas, bem como objetivos mais amplos como o emprego e a estabilidade social.

A redução na escassez de energia nas últimas semanas é vista como um sinal de que, em uma crise, as empresas chinesas retornarão rapidamente aos combustíveis fósseis porque o sistema não lhes dá outra opção.

Alguns críticos – incluindo pesquisadores de políticas em think tanks estatais – dizem que as metas da China não colocaram pressão suficiente sobre as grandes empresas, com o consumo de carvão caindo apenas a partir de 2026 e as autoridades locais ainda permitindo que a capacidade de geração de carvão aumente.

A dependência estrutural da China em relação ao carvão, causada em parte por um mercado de energia inflexível e pelo sistema de preços, também torna difícil para as empresas obter energia renovável.

Muitas empresas não têm escolha a não ser comprar eletricidade de usinas estatais movidas a carvão, com os governos locais buscando proteger empregos e interesses econômicos.

“Sempre houve um incentivo para as províncias construírem e comercializarem entre si, quando, na verdade, o que deveriam fazer é usar as linhas de transmissão”, disse Matt Gray, analista do instituto de estudos climáticos TransitionZero.

Embora as empresas siderúrgicas, por exemplo, tenham sido incentivadas a trocar de alto-forno por uma tecnologia mais limpa de forno elétrico para reduzir a poluição, elas ainda são forçadas a depender da eletricidade a carvão.

A perda de energia solar e eólica devido à falta de acesso à rede também continua sendo um problema maior do que os reguladores admitem, de acordo com um relatório de inspetores ambientais deste ano.

“Se realmente queremos que as energias renováveis funcionem, precisamos de muito mais suporte – todo o sistema (de energia elétrica) precisa ser transformado”, disse Ma.

Mais Recentes da CNN