Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Esteja preparado para tudo”: supervulcão está despertando na Itália

    Esqueça o vulcão ativo mais famoso da Itália, o Monte Vesúvio, que destruiu Pompeia em 79 d.C.

    Supervulcão é a ameaça mais perigosa na Itália neste momento
    Supervulcão é a ameaça mais perigosa na Itália neste momento Reprodução

    Barbie Nadeauda CNN*

    Roma

    A ameaça vulcânica mais perigosa na Itália neste momento é aquela da qual você provavelmente nunca ouviu falar: Campi Flegrei, ou Campos Flégreos.

    Esta planície despretensiosa, que se estende por 200 quilômetros sob a baía de Nápoles e as ilhas de Capri e Ischia até os arredores da cidade de Nápoles, é uma caldeira gigante, ou depressão, deixada por um supervulcão há cerca de 2 milhões de anos.

    É agora o local de vários vulcões ativos há 39.000 anos, muitos dos quais estão submersos. Também é povoado por vilas e shopping centers e abriga 800 mil pessoas e um hospital em construção. Mais de 500 mil habitantes locais vivem no que a agência de proteção civil italiana considera uma “zona vermelha”, uma área que abrange 18 cidades e que corre maior risco em caso de erupção. Outros 3 milhões de residentes de Nápoles vivem imediatamente fora da extremidade oriental da caldeira, segundo a agência de proteção civil.

    A última grande erupção do Campi Flegrei ocorreu em 1538 e criou uma nova montanha na baía. A atividade sísmica na área tem se intensificado desde dezembro de 2022, de acordo com o Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia da Itália (INGV), e os especialistas temem que o vulcão possa estar despertando depois de gerações em repouso.

    A região densamente povoada, que fica a menos de 50 quilômetros do Vesúvio, é propensa a um fenômeno sísmico conhecido como bradissismo, definido por ciclos de elevação e rebaixamento gradual do solo. A última vez que a região viu tal atividade foi em 1984, quando o solo subiu 3,5 metros, antes de iniciar uma descida lenta acompanhada por atividade sísmica semelhante ao que está acontecendo na área agora.

    Atualmente num estado de bradissismo positivo, quando o solo se move para cima, toda a zona vulcânica também está sofrendo uma onda de terremotos que abala os nervos e faz com que os residentes procurem segurança nas ruas. Em setembro, o terremoto mais forte dos últimos 40 anos atingiu a região, e esse terremoto de magnitude 4,2 foi seguido por outro de intensidade semelhante poucos dias depois.

    Até agora, em 2023, o Campi Flegrei registou mais de 3.450 terremotos, dos quais 1.118 ocorreram apenas em agosto. Isto representa mais do triplo do total do ano anterior, segundo dados do INGV. Mais de 500 terremotos ocorreram em outubro, dos quais o mais forte atingiu magnitude 4,0, seguido por uma dúzia de tremores secundários.

    Até o início de maio, os terremotos foram quase todos inferiores a 3,0 de magnitude, segundo o INGV.

    Muitos especialistas acham que a população local deveria estar melhor preparada para lidar com a atividade sísmica e a possibilidade de uma erupção. Em 5 de outubro, a agência de proteção civil do país apresentou um plano de evacuação atualizado, que prevê a movimentação de meio milhão de pessoas durante um período de 72 horas em estradas que muitos moradores locais temem não acomodarem um tráfego tão intenso. A última vez que tal plano foi estudado foi em 2019, e as descobertas mostraram que faltava um plano de evacuação.

    Carlo Doglioni, chefe do INGV, prestou depoimento sobre os resultados potenciais da atividade sísmica perante a câmara baixa da Comissão Ambiental do governo italiano, em 28 de setembro.

    “Existem dois cenários possíveis em relação à evolução da situação no Campi Flegrei: o melhor é que a crise de bradissismo em curso termine como aconteceu em 1983-84; o pior é uma erupção semelhante à de 1538”, disse ele.

    “É uma evolução que não conhecemos e que estamos monitorando”, disse Doglioni.

    Campi Flegrei, um grande vulcão adormecido perto de Nápoles, tem um histórico de erupções, e a última ocorreu em 1538. Recentemente, o aumento da atividade sísmica e o aumento do nível da terra levantaram preocupações entre os residentes locais.
    Campi Flegrei, um grande vulcão adormecido perto de Nápoles, tem um histórico de erupções, e a última ocorreu em 1538. Recentemente, o aumento da atividade sísmica e o aumento do nível da terra levantaram preocupações entre os residentes locais. / Jesse Allen/Robert Simmon/NASA

    O que está por trás do aumento da atividade

    Giuseppe De Natale, diretor de pesquisa do INGV em Nápoles, disse que o atual ciclo de elevação está associado à pressão abaixo da superfície da caldeira. “Não sabemos exatamente a profundidade do aumento de pressão, pode estar entre zero e 3,5 quilômetros”, disse.

    Existem duas hipóteses sobre o que poderia estar causando o atual aumento da atividade sísmica em Campi Flegrei, segundo De Natale.

    A primeira – e potencialmente mais perigosa – possibilidade é de que possa ser uma “intrusão de magma proveniente da câmara magmática localizada a cerca de oito quilómetros de profundidade”, disse De Natale.

    A segunda, que ele disse ser mais provável, é que haja uma grande “desgaseificação” de gases criados pelo magma proveniente da câmara magmática profunda. A desgaseificação na mesma profundidade da câmara de magma é o que ele acredita ter causado o estrondo do solo.

    “O problema são as rochas”, disse De Natale. “As rochas rasas não conseguem suportar altos níveis de pressão, então se a pressão aumentar muito, pode ocorrer a fratura completa das rochas, o que geralmente é a causa da erupção de um vulcão.”

    Benedetto De Vivo, professor aposentado de geoquímica da Universidade de Nápoles, concorda que a cratera está desgaseificando e não pensa que a elevação da terra se deva apenas ao magma. Esses gases, acredita ele, são causados ​​pelo recuo do magma abaixo da caldeira, e não pelo aumento. Mas ele disse que é impossível saber exatamente o que está acontecendo.

    “Podemos usar estatísticas para criar modelos, mas não podemos prever o processo natural porque não conhecemos todas as variáveis ​​em jogo”, disse De Vivo.

    Apesar das objeções dos moradores locais de que a perfuração poderia desencadear mais atividade sísmica, De Natale obteve aprovação em 2009 para liderar uma equipe de especialistas em vulcões de 18 países em 2012 em uma missão para perfurar um buraco piloto de 501 metros de profundidade na caldeira, na tentativa de ver exatamente o que estava acontecendo. No entanto, Rosa Russo Iervolino, então presidente da Câmara de Nápoles, suspendeu o projeto de perfuração antes do início, alegando preocupações com a população. Em 2012, depois de ela ter deixado o cargo, o projeto foi brevemente reinstaurado pelo novo presidente da Câmara, Luigi di Magistris, mas nessa altura o financiamento já tinha esgotado e apenas o poço foi perfurado.

    De Natale disse que não há planos para retomar a perfuração, e o atual governo da cidade disse à CNN que há áreas “de maior preocupação” do ponto de vista orçamentário quando se trata de projetos municipais, incluindo o desenvolvimento de melhores planos de evacuação para o Monte Vesúvio e para a região do Campi Flegrei.

    Planejando em torno de um enigma natural

    Os supervulcões estão entre as ameaças naturais mais desconcertantes e menos compreendidas do mundo.

    O que distingue um supervulcão de um vulcão comum é a quantidade de material vulcânico que ele ejetou durante erupções anteriores – um reflexo do poder explosivo do vulcão.

    Um supervulcão é aquele que ejetou mais de 240 milhas cúbicas de material e atingiu o nível 8 – a maior ameaça – no Índice de Explosividade Vulcânica (VEI), de acordo com o Serviço Geológico dos EUA. O índice VEI mede quantos detritos são ejetados, a que altura e por quanto tempo dura a erupção. Yellowstone, que entrou em erupção há 2,1 milhões de anos, foi uma das maiores erupções já conhecidas. As erupções mais recentes de outros supervulcões notáveis, incluindo Long Valley na Califórnia, Toba na Indonésia e Campi Flegrei, foram todas do mesmo tamanho.

    Os cientistas têm um registro de atividade de 2 mil anos em Campi Flegrei. Os pilares do Templo Romano de Serápis, na cidade de Pozzuoli, no meio da caldeira, escavados no século 18, mostram evidências de buracos feitos por moluscos, revelando que os pilares já estiveram submersos. A base do templo está ligada ao mar por uma série de túneis subterrâneos, e a subida e descida do solo causada pelo bradissismo resultou na inundação da água e depois no escoamento da estrutura, tornando possível observar o fenômeno sísmico ao longo do tempo.

    Em 2016, o governo regional designou a área de Campi Flegrei como “amarela” no seu sistema de alerta, o segundo de quatro níveis que passam do verde para o vermelho para indicar o perigo para a população proveniente do movimento do solo.

    A agência de proteção civil italiana disse em outubro que iria mover algumas partes da área para o nível seguinte, laranja, dada a intensidade da atividade recente. O INGV tem agora que aprovar a mudança de nível, o que se espera que faça, uma vez que inicialmente solicitou a mudança à agência de proteção civil. Aumentar o nível para laranja permitirá que as agências evacuem mais facilmente a área mais vulnerável aos efeitos do bradissismo e dos contínuos terremotos e manterá as populações mais vulneráveis ​​seguras, dizem as autoridades.

    Durante uma reunião com a agência de proteção civil e o governo no dia 7 de novembro, o INGV determinou também que 15 mil edifícios, incluindo 125 escolas e outras estruturas acadêmicas, estão em zona de alto risco. Uma diretiva será divulgada em 27 de novembro delineando um novo protocolo para evacuações, exercícios e potencialmente transferência temporária de algumas instituições da área até que o atual ciclo de bradissismo diminua.

    A probabilidade de uma erupção

    Partes do vulcão podem estar enfraquecendo devido aos efeitos do bradissismo, de acordo com um artigo publicado na revista científica Communications Earth & Environment em junho. Mas a situação continua imprevisível, dizem os especialistas.

    “O que esperamos depende do terreno continuar subindo. Se continuar a se mover no ritmo atual, esperamos que o número de pequenos terremotos por dia flutue ao longo das semanas, de apenas um punhado para enxames de algumas centenas de eventos, como se sentiu em meados de agosto e no final de setembro”, disse o coautor do estudo. Christopher Kilburn, professor de vulcanologia na University College London.

    “Quaisquer terremotos de magnitude maior têm maior probabilidade de ocorrer durante os enxames. Estes são os sinais clássicos de que a crosta está sendo esticada até o ponto de ruptura.”

    No entanto, isso não significa que uma erupção seja inevitável.

    “É o mesmo para todos os vulcões que estão quietos há gerações”, disse o coautor do estudo Stefano Carlino, vulcanologista do Observatório do Vesúvio, num comunicado de imprensa que acompanha o artigo.

    “Campi Flegrei pode estabelecer uma nova rotina de subida e descida suave, como visto em vulcões semelhantes em todo o mundo, ou simplesmente regressar ao repouso”, disse Carlino. “Ainda não podemos dizer com certeza o que vai acontecer. O ponto importante é estar preparado para todos os resultados.”

    Um primeiro passo para a preparação deveria ser evitar o aumento populacional, proibindo mais construções em Campi Flegrei, que é uma das áreas mais desenvolvidas da Itália, disse Benedetto De Vivo, professor aposentado de geoquímica da Universidade de Nápoles.

    Ele também disse que deveria haver uma rota de evacuação melhor com estradas mais largas para que as pessoas que vivem na área densamente povoada pudessem evacuar dentro de 24 horas. “Não podemos construir nem mais uma casa na área”, disse ele.

    Os especialistas em vulcões italianos têm receio de fazer previsões específicas sobre erupções vulcânicas, por medo de serem responsabilizados se estiverem errados, de acordo com o INGV.

    Sete cientistas foram condenados por homicídio culposo por terem dito aos residentes de L’Aquila, no centro de Itália, para não se preocuparem com um aumento da atividade sísmica em 2009. Um terremoto que ocorreu poucos dias depois de um cientista ter aparecido para dizer que não havia problema em relaxar e beber uma taça de vinho matou mais de 300 pessoas. Os cientistas acabaram sendo absolvidos em recurso, mas a experiência deixou a comunidade científica italiana abalada.

    Um dos maiores tipos de erupções vulcânicas, chamada “erupção ignimbrítica” – como a que ocorreu na área de Campi Flegrei há cerca de 39 mil anos – não é o que Natale acredita que possa acontecer tão cedo.

    “É difícil estudar essas potenciais erupções enormes, muito raras, mas muito catastróficas, e esta é uma das áreas mais importantes, mas também mais desafiadoras da vulcanologia”, disse Natale.

    Ele disse que a próxima erupção de Campi Flegrei – se ocorrer num futuro próximo – provavelmente estaria mais alinhada com a última atividade significativa em 1538, que criou o Monte Nuovo, de 133 metros de altura, visível no mar. No entanto, devido ao crescimento populacional, os impactos de um evento semelhante poderiam ser muito diferentes nos dias de hoje.

    “Essa (1538) foi uma erupção muito pequena, que, se acontecesse hoje, em uma área densamente urbanizada, seria muito destrutiva de qualquer maneira”, disse Natale.

    *Katie Hunt contribuiu para esta reportagem

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original

    Tópicos

    Tópicos