Estudo da ONU sobre incêndios florestais: é hora de “aprender a viver com fogo”

Número de eventos extremos de incêndios aumentará 14% até 2030 e 30% até 2050, diz relatório do Pnuma

Aumento dos incêndios em várias regiões do mundo foram relacionados ao aumento da temperatura terrestre
Aumento dos incêndios em várias regiões do mundo foram relacionados ao aumento da temperatura terrestre 27/07/2021 REUTERS/David Swanson

Rachel Ramirezda CNN

Ouvir notícia

Os incêndios florestais se intensificaram ao redor do mundo, fornecendo uma lembrança implacável de como a crise climática revira vidas e inflige bilhões de dólares por ano em danos. E só vai piorar, segundo especialistas nas queimadas.

Um relatório divulgado nesta quarta-feira (23) pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) sugere que é hora de “aprender a viver com o fogo” e nos adaptarmos ao aumento da frequência e gravidade dos incêndios, que inevitavelmente colocarão mais vidas e economias em perigo.

O número de eventos de incêndios extremos aumentará até 14% até 2030, de acordo com a análise do relatório. Até 2050, o aumento previsto é de para 30%.

Mesmo com os esforços mais ambiciosos para reduzir as emissões, o relatório mostra que essas consequências devem acontecer a curto prazo.

Embora a situação seja terrível e a eliminação dos riscos de queimadas seja impossível, as comunidades ainda podem reduzir seu risco e exposição, disse Andrew Sullivan, diretor de pesquisa da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization e editor do relatório.

“Incêndios incontroláveis e devastadores estão se tornando uma parte esperada dos calendários sazonais em muitas partes do mundo”, disse Sullivan em uma coletiva de imprensa na segunda-feira.

“Onde os incêndios florestais ocorreram historicamente, eles podem aumentar; no entanto, onde os incêndios não ocorreram historicamente, eles podem se tornar mais comuns”.

As queimadas afetam todos os aspectos da sociedade, incluindo a saúde pública, a subsistência, a biodiversidade e o clima já em mudança. Pesquisadores do Pnuma, incluindo mais de 50 especialistas de universidades, agências governamentais e organizações internacionais ao redor do mundo, dizem que o relatório serve como um “roteiro” para a adaptação a um mundo em chamas.

Padrão mutável

Os incêndios sempre serviram a um propósito ecológico vital na Terra, essencial para muitos ecossistemas. Eles restauram os nutrientes do solo, ajudando a germinar as plantas e a remover a matéria em decomposição.

Sem fogo, as folhagens excessivamente cobertas, como gramíneas e arbustos, podem melhorar a paisagem para piorar as erupções, particularmente durante a seca extrema e ondas de calor. A queima proposital de partes da terra tem historicamente evitado incêndios maiores e mais destrutivos. Os povos indígenas têm aplicado este método preventivo, conhecido como queimadas controladas ou prescritas, por milhares de anos.

Mas à medida que os humanos aqueceram o planeta, desenvolveram mais terra e criaram políticas de supressão de incêndios enquanto negligenciavam o manejo florestal, os incêndios tornaram-se mais mortais e destrutivos do que nunca.

Esses fatores, de acordo com o relatório do Pnuma, mudaram drasticamente o regime de incêndios.

Eles agora queimam mais e estão se tornando mais quentes em lugares onde sempre ocorreram; enquanto isso, os incêndios também estão se acendendo e se espalhando em lugares inesperados, incluindo pântanos, turfas e no descongelamento do permafrost no Ártico.

“O que chama a atenção é que agora existem ecossistemas que começam a queimar e que não esperávamos nessa intensidade”, disse Tim Christophersen, chefe do Departamento de Natureza para o Clima do PNUMA, à CNN.

“Por exemplo, há muito mais áreas úmidas que, pelo nome, você pensaria que não pegam fogo facilmente. Vemos cada vez mais incêndios também no Círculo Polar Ártico, onde os incêndios são naturalmente raros”.

Os incêndios, que muitas vezes são acendidos por raios ou pela atividade humana, estão se tornando mais frequentes por causa das mudanças climáticas causadas pelo homem.

Os cientistas descobriram, por exemplo, que as mudanças climáticas tornaram as condições climáticas extremas que alimentaram a época de incêndios destrutivos de 2019-2020 na Austrália 30% mais propensas a ocorrer.

Além disso, um estudo recente descobriu que as florestas nas Montanhas Rochosas estão queimando mais agora do que em qualquer outra época em 2.000 anos. Nos últimos dois anos, os incêndios florestais no oeste dos EUA performaram um comportamento extremo de incêndio e fumaça em todo o país, ao mesmo tempo em que criavam seu próprio clima.

Os incêndios também estão prejudicando cada vez mais a saúde pública. Um estudo recente constatou que a exposição anual à fumaça do fogo selvagem resulta em mais de 30.000 mortes nos 43 países analisados.

Outro estudo descobriu que o aumento de partículas finas da fumaça do fogo em 2020 levou a um surto de casos de Covid-19 e mortes na Califórnia, Oregon e Washington.

Os incêndios florestais também se tornaram mais caros. Nos EUA, o relatório do Pnuma observou dados do National Interagency Fire Center, que mostram que os custos médios anuais do combate a incêndios dispararam para US$1,9 bilhões a partir de 2020 – um aumento de mais de 170% em uma década.

Os pesquisadores dizem que os governos não estão aprendendo com o passado, e que estão perpetuando condições que não são ambiental e economicamente benéficas para o futuro.

“O mundo precisa mudar sua postura em relação aos incêndios – de reativo para proativo – porque os incêndios florestais vão aumentar em frequência e intensidade devido à mudança climática”, disse Christophersen. “Isso significa que todos nós temos que estar mais bem preparados”.

Mudança de pensamento

O relatório prevê que a probabilidade de eventos intensos, semelhantes aos que foram observados nos chamados incêndios florestais no “Black Summer” na Austrália, em 2019 e 2020, ou no fogo que marcou recordes no Ártico em 2020, aumentará em até 57% até o final do século.

E, devido às condições sempre mutáveis em que os incêndios agora ocorrem, os pesquisadores dizem que as autoridades e os legisladores precisam trabalhar em conjunto com as comunidades locais, trazer de volta o conhecimento indígena e investir dinheiro para evitar que os incêndios ocorram, em primeiro lugar, para reduzir os danos e perdas que vêm depois.

Os pesquisadores do Pnuma sugerem que os governos adotem uma “fórmula pronta para o fogo”, que compromete dois terços dos gastos com planejamento, prevenção, preparação e recuperação, com apenas uma porcentagem menor destinada a responder aos danos e perdas.

“Esta fórmula precisa ser ajustada a cada contexto regional e nacional”, disse Christophersen. “Mas em geral, é uma mudança de investir apenas na resposta e mais na prevenção, planejamento e recuperação”.

Mudanças climáticas: Veja fotos dos incêndios florestais ao redor do mundo

Christophersen acrescentou que a construção de uma cooperação regional e internacional mais forte para ajudar outros países também é crucial.

“Alguns países estão mais avançados do que outros e podem compartilhar seus conhecimentos com outros países”, disse ele. “No momento, o que me mantém acordado à noite é que ainda não há uma resposta global real, portanto precisamos de mais investimentos também nesse tipo de plataforma global”.

O relatório reconhece que o próprio sistema das Nações Unidas “carece de um sólido conhecimento especializado dedicado a este desafio”, que eles planejam mudar através de uma série de iniciativas que ajudariam os países.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN