EUA advertem China contra ação unilateral em relação a Taiwan

Embora os Estados Unidos, como a maioria dos países, não tenham laços formais com Taiwan, Washington é o mais importante financiador internacional e o principal fornecedor de armas da ilha

Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, deixou claro que Washington não mudou sua política de "uma China" em relação a Taiwan
Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, deixou claro que Washington não mudou sua política de "uma China" em relação a Taiwan Alex Brandon/AP

Da Reuters

Ouvir notícia

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse a seu homólogo chinês no domingo que os Estados Unidos se opõem às ações da China que aumentaram as tensões no Estreito de Taiwan, disse um alto funcionário do Departamento de Estado.

Durante uma reunião de uma hora com o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, à margem de uma cúpula do Grupo dos 20, Blinken deixou “muito claro” que Washington se opõe a qualquer mudança unilateral de Pequim no status quo local, disse o oficial.

Um recente aumento nos exercícios militares chineses na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan é parte do que Taipei vê como um aumento do assédio militar de Pequim.

A China reivindica a ilha como parte de seu próprio território e vê qualquer intervenção estrangeira em Taiwan como interferência em seus assuntos internos.

Os Estados Unidos querem administrar a intensa competição entre as duas maiores economias do mundo de forma responsável, disse o funcionário do departamento de estado, acrescentando que ambos os lados reconhecem que linhas abertas de comunicação são fundamentais.

Embora os Estados Unidos, como a maioria dos países, não tenham laços formais com Taiwan, Washington é o mais importante financiador internacional e o principal fornecedor de armas da ilha, e é obrigado por lei a fornecer os meios de defesa.

Os Estados Unidos há muito seguem uma política de “ambigüidade estratégica” sobre se interviriam militarmente para proteger Taiwan no caso de um ataque chinês, embora o presidente dos EUA, Joe Biden, tenha dito na semana passada que viria em defesa de Taiwan se necessário.

Blinken deixou claro que Washington não mudou sua política de “uma China” em relação a Taiwan, disse o funcionário.

Ele e Wang não discutiram um recente teste de armas hipersônicas chinesas que, segundo especialistas militares, parece mostrar a busca de Pequim por um sistema orbital da Terra projetado para escapar das defesas antimísseis americanas, disse o oficial.

Mais Recentes da CNN