Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA alertam Israel sobre retirada de apoio em meio à “carnificina” em Gaza, dizem fontes

    “O problema para [Israel] é que as críticas estão ficando mais altas, não apenas entre os seus detratores, mas por parte dos seus melhores amigos”, afirmou um funcionário do governo norte-americano

    Casas atacadas por Israel no centro da Faixa de Gaza
    Casas atacadas por Israel no centro da Faixa de Gaza 2/11/2023 REUTERS/Mohammed Fayq Abu Mostafa

    Kevin LiptakMJ LeeNatasha BertrandPriscilla AlvarezJennifer Hanslerda CNN

    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e seus principais conselheiros estão alertando Israel de que se tornará cada vez mais difícil para o país prosseguir os seus objetivos militares em Gaza, à medida que o clamor global se intensifica sobre o sofrimento humanitário na região.

    Biden, o secretário de Defesa, Lloyd Austin, e o secretário de Estado, Antony Blinken – que viajou quinta-feira (2) para Israel com uma mensagem sobre a proteção de vidas de civis – pressionaram explicitamente o caso em recentes conversas privadas com os israelenses, dizendo-lhes que a erosão do apoio terá consequências estratégicas terríveis para as operações das Forças de Defesa de Israel (FDI) contra o Hamas.

    Nos bastidores, as autoridades norte-americanas também acreditam que há tempo limitado para Israel tentar cumprir o seu objetivo de eliminar o Hamas na sua operação atual antes que a indignação devido ao sofrimento humanitário e às baixas civis – além dos apelos por um cessar-fogo – atinjam um ponto de inflexão.

    Na verdade, há um reconhecimento dentro do governo norte-americano de que esse momento pode chegar rapidamente: alguns dos conselheiros mais próximos do presidente acreditam que faltam apenas semanas, não meses, até que rejeitar a pressão sobre o governo dos EUA para apelar publicamente a um cessar-fogo se torne insustentável, segundo relataram fontes à CNN.

    Não há sinais de que a ofensiva de Israel esteja se abrandando. Os militares israelenses disseram na quinta-feira que estão cercando a cidade de Gaza e “aprofundando” suas operações na região.

    A CNN testemunhou os céus do norte de Gaza iluminados por sinalizadores e explosões enquanto o bombardeio se intensificava na noite de quinta-feira.

    Particularmente chocantes para Biden e sua equipe de segurança nacional, disseram duas fontes, foram os ataques aéreos israelenses esta semana que atingiram um campo de refugiados no norte de Gaza, resultando em cenas sombrias de destruição generalizada e mortes. O presidente “não gostou nada disso”, enfatizou uma das fontes.

    “O problema para [Israel] é que as críticas estão ficando mais altas, não apenas entre os seus detratores, mas por parte dos seus melhores amigos”, afirmou um funcionário do governo norte-americano.

    O porta-voz das FDI, tenente-coronel Jonathan Conricus, afirmou que o ataque tinha como alvo um comandante do Hamas escondido em um bunker subterrâneo e que, quando o complexo implodiu, possivelmente desabou edifícios próximos.

    Os protestos já bloquearam ruas nas capitais ocidentais e até interromperam uma arrecadação de fundos privada que Biden participou na quarta-feira em Minnesota. “Como rabino, preciso que você peça um cessar-fogo agora mesmo”, gritou um membro da audiência.

    Biden respondeu fazendo um apelo explícito à pausa nos combates: “Acho que precisamos de uma pausa”, disse ele, acrescentando mais tarde, quando pressionado pelo manifestante: “Uma pausa significa dar tempo para retirar os prisioneiros”.

    O presidente não estabeleceu quaisquer limites para Israel, insistem as autoridades. E até este ponto, a Casa Branca tem feito grandes esforços para evitar apelar a um cessar-fogo, argumentando que fazê-lo apenas ajudaria o Hamas, dando ao grupo radical islâmico tempo para se reagrupar e planejar operações futuras.

    Biden disse ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que as imagens ​​de mulheres e crianças palestinas sendo retiradas dos escombros poderiam começar a restringir a capacidade de Israel de avançar com sua operação atual.

    Em conversas com Netanyahu, Biden alertou que Israel será julgado duramente pela comunidade internacional se não tomar medidas para aliviar significativamente o sofrimento humanitário e minimizar as mortes de civis palestinos.

    E isso não se limita apenas à operação das FDI em Gaza: numa chamada com Netanyahu no domingo (29), Biden disse ao primeiro-ministro que estava preocupado com o aumento da violência contra os palestinos por parte dos colonos israelenses na Cisjordânia e foi enfático ao dizer que os ataques têm que parar, de acordo com uma fonte informada sobre a conversa.

    Biden e os principais responsáveis ​​pela segurança nacional também intensificaram os seus apelos a pausas humanitárias nos combates para permitir que os reféns detidos pelo Hamas saíssem de Gaza e a ajuda chegasse.

    Essas pausas – que as autoridades norte-americanas dizem ser totalmente diferentes de um cessar-fogo e localizadas no âmbito e limitadas na duração – são uma das várias questões específicas sobre as quais as principais autoridades norte-americanas pressionaram Israel nos últimos dias, à medida que aumentam os protestos sobre o sofrimento dos civis palestinos.

    Outros incluem a manutenção da conectividade telefônica e de internet na região, permitindo a entrada de combustível e água em Gaza e restringindo a escalada da violência na Cisjordânia, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

    Os militares israelenses afirmam que há suprimentos de combustível em Gaza detidos pelo Hamas, que não estão sendo distribuídos para fins humanitários.

    Ao longo dos seus 10 telefonemas, Biden pressionou Netanyahu sobre pontos e itens de ação específicos, incluindo o aumento significativo do número de caminhões de ajuda autorizados a entrar em Gaza, facilitando a saída de cidadãos estrangeiros de Gaza e restringindo a violência extremista dos colonos contra os palestinos na Cisjordânia.

    Partindo quinta-feira para uma visita a Israel, Blinken disse que pretendia discutir “medidas concretas que podem e devem ser tomadas para minimizar os danos aos homens, mulheres e crianças em Gaza”.

    “Não vou entrar em detalhes aqui, mas está na agenda”, declarou Blinken.

    “Quando vejo uma criança palestina, um menino ou uma menina, retirada dos escombros de um prédio desabado, isso me atinge tanto no estômago quanto ver uma criança em Israel ou em qualquer outro lugar. Então, isso é algo que temos a obrigação de responder, e o faremos”, acrescentou.

    Questionado pela CNN se Israel tinha demonstrado moderação na sua ofensiva em Gaza, Blinken não respondeu sim ou não e, em vez disso, reiterou que Israel tem o direito de se defender e a “responsabilidade de fazer todo o possível para proteger os civis”.

    Outros democratas próximos da Casa Branca têm adotado cada vez mais um tom diferente e mais duro.

    “É hora de os amigos de Israel reconhecerem que a abordagem atual está causando um nível inaceitável de danos civis e não parece provável que alcance o objetivo de acabar com a ameaça do Hamas. Exorto Israel a reconsiderar imediatamente a sua abordagem”, disse o senador Chris Murphy, de Connecticut, numa declaração na quinta-feira.

    Autoridades do Pentágono acreditam que Israel tem atacado alvos legítimos do Hamas, incluindo alguns comandantes seniores.

    À medida que crescem as questões sobre a influência que os EUA têm sobre a tomada de decisões israelenses, há uma sensação de que Israel calibrou a sua estratégia na sua invasão terrestre com base nos conselhos de oficiais militares americanos, disseram as autoridades.

    Austin tem sido muito direto em suas conversas quase diárias com o ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, disseram autoridades de defesa, pressionando-o para obter detalhes sobre os objetivos de Israel em Gaza e reiterando o quão importante é para Israel ser visto pela comunidade internacional como alguém que trabalha para proteger civis.

    O chefe do Estado-Maior Conjunto, general CQ Brown, enfatizou a proteção dos civis e o acesso da ajuda humanitária aos civis em Gaza em seu telefonema esta semana com o chefe do Estado-Maior israelense, tenente-general Herzi Halevi, de acordo com um relatório da Defesa norte-americana.

    Os EUA reconhecem que Israel conduzirá a sua própria análise de custo-benefício dos ataques, um cálculo fortemente influenciado pelo ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro.

    Embora os EUA possam conduzir as suas próprias análises de forma diferente, o governo Biden mantém que esta é a guerra que Israel deve travar e que tomará as suas próprias decisões finais.

    Ainda assim, as autoridades estão preocupadas com o fato de os ataques estarem causando um número desproporcional de vítimas civis e transmitiram isso aos israelenses, relatou um funcionário do governo à CNN.

    Da mesma forma, as autoridades norte-americanas estão preocupadas com o fato de o combustível não estar entrando em Gaza para fins humanitários.

    Blinken planeja levantar a questão em suas conversas com autoridades israelenses nesta sexta-feira (3).

    A questão do combustível foi levantada nos altos escalões dos governos de Israel e dos EUA nos últimos dias, disseram as autoridades, juntamente com outras preocupações humanitárias.

    Embora Israel tenha concordado recentemente em permitir que mais caminhões de ajuda atravessassem a fronteira para Gaza, foi necessária uma campanha de pressão sustentada por parte dos EUA para os levar até lá.

    Na Casa Branca, na segunda-feira (31), as divergências internacionais sobre a guerra Israel-Hamas estavam em evidência.

    Dias depois de o Chile ter retirado o seu embaixador em Israel, alegando “violações do direito humanitário internacional na Faixa de Gaza”, o presidente Gabriel Boric sentou-se com Biden no Salão Oval.

    Embora a reunião tenha sido considerada centrada na cooperação econômica, nas alterações climáticas e na migração, esperava-se também que a guerra entre Israel e o Hamas surgisse.

    Questionado no início da reunião se ele planejava expressar suas preocupações sobre Israel, Boric respondeu claramente que sim.

    Veja também – Israel mira túneis do Hamas após completar cerco à cidade de Gaza

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original