EUA deixam Acordo de Paris em meio a incertezas eleitorais

Caso o candidato democrata Joe Biden vença, é provável que o país tente retornar ao acordo

Foto: Kerry Key/Columbia University

Da Reuters

Ouvir notícia

Os Estados Unidos saíram formalmente do Acordo de Paris nesta quarta-feira (4) cumprindo uma antiga promessa do presidente Donald Trump de retirar o segundo maior emissor de gases do efeito estufa do pacto global de combate às mudanças climáticas.

Mas o resultado do acirrado concurso eleitoral nos EUA determinará por quanto tempo. O rival democrata de Trump, Joe Biden, prometeu voltar ao acordo se for eleito.

“A retirada dos EUA deixará uma lacuna em nosso regime e nos esforços globais para atingir os objetivos e ambições do Acordo de Paris”, disse Patricia Espinosa, secretária executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), à Reuters.

Os Estados Unidos ainda são parte da UNFCCC (Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima). Espinosa disse que o órgão estará “pronto para auxiliar os EUA em qualquer esforço para voltar a aderir ao Acordo de Paris”.

Trump anunciou pela primeira vez sua intenção de retirar os Estados Unidos do pacto em junho de 2017, argumentando que isso prejudicaria a economia dos EUA. O governo notificou formalmente as Nações Unidas há um ano, em 4 de novembro de 2019.

A saída torna os Estados Unidos o único país de 197 signatários a se retirar do acordo firmado em 2015.

A UNFCCC, Grã-Bretanha, França, Chile e Itália disseram que “notam com pesar” a retirada dos EUA, em um comunicado conjunto nesta quarta-feira. A Grã-Bretanha sediará o próximo grande encontro de países signatários do acordo de Paris, em novembro de 2021.

“Continuamos comprometidos em trabalhar com todas as partes interessadas e parceiros dos EUA em todo o mundo para acelerar a ação climática”, disse o comunicado.

“Se os negadores do clima mantiverem o controle da Casa Branca e do Congresso, entregar um planeta seguro para o clima será mais desafiador”, disse Laurence Tubiana, um ex-diplomata francês fundamental na mediação do acordo de Paris, que agora dirige a Fundação Europeia do Clima, sem fins lucrativos.

Chamando a retirada de uma “oportunidade perdida”, Tanguy Gahouma-Bekale, presidente do Grupo Africano de Negociadores nas negociações climáticas globais, disse que também criaria um déficit nas finanças climáticas.

Ele apontou para uma promessa da era Obama de contribuir com 3 bilhões de dólares para um fundo para ajudar os países vulneráveis a combater as mudanças climáticas, dos quais apenas 1 bilhão foi entregue.

Leia também:
Mundo corre o risco de se tornar um ‘inferno inabitável’ para milhões, diz ONU
Como as mudanças climáticas afetam as pandemias
Relatório da ONU afirma que mundo não cumpriu nenhuma meta para salvar natureza

Apoio universal

Outros grandes emissores têm pressionado as ações climáticas, mesmo sem garantias de que os EUA seguirão o exemplo.

Uma porta-voz da Comissão Executiva da União Europeia disse que o acordo de Paris tem o “apoio universal” do resto da comunidade internacional.

China, Japão e Coréia do Sul seguiram a UE prometendo se tornarem neutros em carbono. O desafio agora é traduzir essas metas de longo prazo para 2050 – ou, no caso da China, para 2060 – em políticas para reduzir as emissões nesta década.

Uma forte promessa de redução de emissões da maior economia do mundo “daria um grande impulso” a esses esforços, disse Pete Betts, um ex-negociador climático da UE e da Grã-Bretanha.

“Os EUA colocariam seu peso diplomático nos esforços para persuadir outras economias importantes a aumentar seus esforços”, disse ele.

Países que representam 51% das emissões mundiais se comprometeram a reduzir suas emissões de carbono a zero líquido – com alguns indo além e se comprometendo a zerar todos os gases de efeito estufa, disse a coalizão de pesquisa Climate Action Tracker.

Uma promessa líquida zero dos Estados Unidos – que Biden diz que faria, se eleito – teria 63% das emissões globais cobertas por tais compromissos.

Apesar da falta de incentivo da atual Casa Branca, muitos estados e empresas dos EUA se moveram para reduzir as emissões, enquanto as mudanças climáticas aumentaram a agenda do investidor global, inclusive em Wall Street.

Grupos que representam a BlackRock Inc, com sede em Nova York, a maior administradora de ativos do mundo, e outras administradoras de ativos nos Estados Unidos, Europa, Ásia, Austrália e Nova Zelândia, que juntas administram trilhões de dólares em ativos, emitiram um comunicado conjunto instando os Estados Unidos a voltarem rapidamente ao acordo.

Se Biden vencesse, poderia voltar a aderir ao acordo de Paris por meio de um processo que levaria 30 dias.

Uma vitória de Trump, no entanto, “selaria o destino dos Estados Unidos – pelo menos em nível federal – como um país isolado do resto do mundo: impotente para moldar o diálogo internacional ou a direção do clima”, disse Nat Keohane, vice-presidente sênior para o clima no Fundo de Defesa Ambiental sem fins lucrativos.

Mais Recentes da CNN