Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA dizem que Rússia recuperou pedaços de destroços de drone abatido no Mar Negro

    Um caça russo Su-27 derrubou o drone americano MQ-9 na terça-feira (14); governo Biden minimizou a importância dos destroços ou o potencial de obter inteligência sensível dos restos da aeronave

    Drone MQ-9 Reaper da Força Aérea dos EUA em hangar na Base Aérea de Amari, Estônia
    Drone MQ-9 Reaper da Força Aérea dos EUA em hangar na Base Aérea de Amari, Estônia 01/07/2020REUTERS/Janis Laizans

    Natasha BertrandOren Liebermannda CNN

    Os EUA acreditam que a Rússia recuperou alguns destroços no Mar Negro do drone de vigilância americano abatido, disse uma autoridade americana familiarizada com o assunto à CNN.

    O oficial descreveu os destroços recuperados como pedaços de fibra de vidro ou pequenos pedaços do drone MQ-9 Reaper.

    A CNN informou na quarta-feira (15) que a Rússia chegou ao local onde o drone de vigilância dos EUA caiu no Mar Negro, aproximadamente 128 quilômetros a sudoeste da Crimeia.

    Mas o governo Biden minimizou a importância dos destroços do drone ou o potencial de obter qualquer inteligência sensível dos restos da aeronave.

    “Tornamos impossível para eles coletarem qualquer coisa de valor de inteligência dos restos daquele drone, quaisquer restos que possam haver na superfície da água”, disse John Kirby, coordenador de comunicações estratégicas do Conselho de Segurança Nacional, à CNN na quarta-feira.

    Após a colisão entre o drone dos EUA e os caças russos na manhã de terça-feira (14), os operadores do drone tomaram medidas para apagar o software sensível do drone antes que ele caísse no Mar Negro, segundo autoridades dos EUA.

    “O que sobrar… que estiver flutuando provavelmente serão superfícies de controle de voo, esse tipo de coisa. Provavelmente nada de valor intrínseco real para eles em termos de reengenharia ou algo assim”, disse Kirby.

    O drone pousou em águas que podem ter quase um quilômetro e meio de profundidade, disse o presidente do Joint Chiefs, general Mark Milley, em entrevista coletiva na quarta-feira.

    “Isso é propriedade dos EUA e vamos deixar isso lá neste momento, mas provavelmente se desfez. Provavelmente não há muito o que recuperar, francamente”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original