Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA não creem que Putin tenha decidido invadir Ucrânia, mas citam “clara possibilidade”

    Para conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, maneira mais rápida de diminuir as tensões seria a Rússia retirar o acúmulo de tropas na fronteira dos países

    Adrienne VogtKevin Liptakda CNN*

    Ouvir notícia

    Os EUA não acreditam que o presidente russo, Vladimir Putin, tenha tomado uma decisão sobre invadir a Ucrânia, disse nesta sexta-feira (11) o conselheiro de segurança nacional do presidente norte-americano Joe Biden, Jake Sullivan, em uma entrevista coletiva.

    Mais cedo, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, havia dito que a Rússia está concentrando ainda mais tropas perto da Ucrânia e uma invasão poderia acontecer a qualquer momento, talvez antes do final dos Jogos Olímpicos de Inverno na China.

    Mesmo tentando transmitir uma mensagem urgente de que uma invasão poderia ocorrer a qualquer momento, Sullivan disse que não conseguia “entrar na cabeça de Putin”.

    “Eu quero ser muito claro. Não estamos dizendo que uma decisão foi tomada – que uma decisão final foi tomada pelo presidente Putin. Mas temos um nível suficiente de preocupação com base no que estamos vendo na região e o que nossos analistas de inteligência captaram, estamos enviando esta mensagem clara, e continua sendo uma mensagem que estamos enviando há algum tempo”, disse Sullivan durante entrevista na Casa Branca.

    “E é, sim, é uma mensagem urgente porque estamos em uma situação urgente”, continuou o conselheiro.

    Sullivan expandiu sua declaração de que a Rússia poderia lançar uma invasão da Ucrânia “a qualquer momento”. Ele disse que há uma “possibilidade muito distinta” de que a Rússia aja militarmente, mas não conseguiu identificar quando ou como.

    “Não vou entrar em informações de inteligência, mas se você olhar para a disposição das forças na Bielorrússia e na Rússia do outro lado da fronteira ucraniana do norte, do leste, os russos estão em posição de ser capaz de montar uma grande ação militar na Ucrânia a qualquer momento. E por essa razão acreditamos que é importante para nós comunicarmos aos nossos aliados e parceiros, aos ucranianos e aos cidadãos americanos que ainda estão lá”, disse Sullivan.

    “Maneira de diminuir as tensões é a Rússia reduzir as tropas”

    A maneira mais rápida de diminuir as tensões entre a Rússia e a Ucrânia é a Rússia retirar o acúmulo de tropas na fronteira dos países, disse o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan.

    “Apenas um país reuniu mais de 100.000 soldados na fronteira de outro país com todas as capacidades e capacidades para conduzir uma invasão. Esse país é a Rússia. Esse país não são os Estados Unidos”, disse Sullivan em entrevista na Casa Branca.

    “Assim, a maneira mais rápida de diminuir essa situação para todos os envolvidos seria a Rússia optar por diminuir sua mobilização de forças. Os Estados Unidos estão respondendo ao aumento ativo e sustentado da pressão militar sobre a Ucrânia, estamos fazendo isso em sintonia com aliados e parceiros e, ao mesmo tempo, temos sido extremamente avançados em nossa disposição de nos engajarmos na diplomacia, para abordar as preocupações mútuas da Rússia, dos europeus e dos Estados Unidos quando se trata de segurança na Europa”, disse ele.

    Sullivan disse que fala “quase todos os dias” com assessores do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky. O presidente Joe Biden conversou diretamente com Zelensky.

    Rússia agora tem forças suficientes para invasão da Ucrânia

    A Rússia agora tem forças suficientes para realizar uma grande operação militar contra a Ucrânia e um ataque destinado a capturar grandes partes do país pode começar “a qualquer momento”, segundo assessor de segurança nacional da Casa Branca.

    Sullivan reiterou que qualquer americano que ainda esteja na Ucrânia deve partir nas próximas 24 a 48 horas. Ele disse que uma invasão russa poderia começar com um ataque aéreo que dificultaria as partidas.

    Sullivan disse que a inteligência dos EUA acredita que o presidente russo, Vladimir Putin, pode ordenar uma invasão antes do final dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim, em 20 de fevereiro, e que um ataque rápido à capital da Ucrânia, Kiev, é uma possibilidade.

    “Não vimos nada chegar até nós que diga que uma decisão final foi tomada, que a ordem foi dada”, disse ele.

    Mas com 100.000 soldados concentrados na fronteira com a Ucrânia, Sullivan disse que uma invasão russa pode envolver a captura de grandes partes da Ucrânia, bem como de grandes cidades, incluindo Kiev.

    *Com informações de Jeff Mason e Steve Holland, da Reuters

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN