EUA reafirmam defesa das Filipinas em decisão sobre Mar da China Meridional

Tensões no Mar da China Meridional aumentaram neste ano; embaixada chinesa em Washington acusa EUA de 'semear discórdia'

O destroier de mísseis teleguiados USS Benfold navegará pelo Mar da China Meridional nesta segunda-feira (12)
O destroier de mísseis teleguiados USS Benfold navegará pelo Mar da China Meridional nesta segunda-feira (12) Foto: US Navy

Jennifer Hansler e Brad Lendon, CNN

Ouvir notícia

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, reafirmou o compromisso do país em defender as forças armadas das Filipinas de um ataque no Mar da China Meridional, sob um tratado de defesa mútua de 70 anos.

Blinken fez os comentários neste domingo (11) em um comunicado que marca o quinto aniversário de uma decisão de um tribunal de arbitragem independente que rejeitou as amplas reivindicações territoriais da China sobre a hidrovia, aliando-se às Filipinas.

As tensões no Mar da China Meridional – que também é contestado por Brunei, Malásia, Taiwan e Vietnã – aumentaram neste ano, com Manila acusando Pequim de tentar intimidar seus navios da guarda costeira, além de enviar sua chamada “milícia marítima” para expulsar os barcos de pesca das Filipinas.

O principal diplomata dos EUA disse que o país poderia invocar o pacto de defesa mútua EUA-Filipinas no caso de qualquer ação militar chinesa contra ativos filipinos na região.

“Também reafirmamos que um ataque armado às forças armadas filipinas, embarcações públicas ou aeronaves no Mar da China Meridional invocaria os compromissos de defesa mútua dos EUA sob o Artigo IV do Tratado de Defesa Mútua EUA-Filipinas de 1951”, disse Blinken.

Blinken também pediu ao governo chinês que “cumpra suas obrigações de acordo com o direito internacional (e) cesse seu comportamento provocativo” no Mar do Sul da China.

A decisão de 2016 do Tribunal Permanente de Arbitragem em Haia rejeitou as reivindicações da China sobre o Mar da China Meridional abertamente, enquanto deixava claro que a China estava infringindo a soberania das Filipinas por meio de atividades como a construção de ilhas na zona econômica exclusiva de Manila (ZEE).

Pequim rejeitou a decisão do tribunal e continuou a construir e reforçar militarmente suas posições no Mar da China Meridional. Ele afirma que os EUA e outros países estão aumentando as tensões na região, enviando seus navios de guerra para lá, violando sua soberania.

Washington rebate que sua presença naval no Mar da China Meridional apóia a liberdade de navegação de acordo com o direito marítimo internacional.

Ressaltando a posição dos EUA, o destruidor de mísseis teleguiados USS Benfold realizou uma operação de liberdade de navegação (FONOP) perto das ilhas Paracel, no noroeste do Mar da China Meridional, nesta segunda-feira (12), disse a 7ª Frota da Marinha dos EUA em um comunicado.

Essas ilhas, conhecidas como cadeia Xisha na China, também são reivindicadas pelo Vietnã e por Taiwan, mas a China as controla desde os anos 1970. O porta-voz da Marinha dos EUA, tenente Mark Langford, disse que a operação de segunda-feira desafiou as alegações de todas as três partes.

“Esta operação de liberdade de navegação (…) defendeu os direitos, liberdades e usos legais do mar reconhecidos no direito internacional, contestando as restrições ilegais à passagem inocente impostas pela China, Taiwan e Vietnã e também contestando a reivindicação da China de linhas de base estreitas cercando as Ilhas Paracel “, disse Langford.

A China disse que colocou forças para “advertir e afastar” o destróier americano, que disse violar sua soberania. Os EUA contestaram as reivindicações pela última vez em maio.

“Esta é outra prova inflexível da agressiva hegemonia de navegação dos EUA e militarização do Mar da China Meridional”, disse o coronel da Força Aérea do PLA Tian Junli, porta-voz do Comando do Teatro do Sul do PLA, em um comunicado após o FONOP dos EUA na segunda.

“Os fatos mostram que os Estados Unidos são um verdadeiro criador de riscos à segurança no Mar da China Meridional”, disse Tian.

Em sua declaração neste domingo, Blinken pediu à China que “tome medidas para reassegurar a comunidade internacional de que está comprometida com a ordem marítima baseada em regras que respeita os direitos de todos os países, grandes e pequenos”.

“Em nenhum lugar a ordem marítima baseada em regras está mais ameaçada do que no Mar da China Meridional. A República Popular da China (RPC) continua a coagir e intimidar os estados costeiros do Sudeste Asiático, ameaçando a liberdade de navegação nesta passagem global crítica”, disse Blinken, referindo-se à China por seu nome oficial.

Ele pediu à China que “tome medidas para assegurar à comunidade internacional que está comprometida com a ordem marítima baseada em regras que respeite os direitos de todos os países, grandes e pequenos”.

Blinken disse que os EUA estão por trás da decisão de 2016 contra a China, conforme reiterado no ano passado pelo então Secretário de Estado Mike Pompeo, que disse na época que “as reivindicações de Pequim por recursos offshore na maior parte do Mar da China Meridional são completamente ilegais, como são sua campanha de intimidação para controlá-los.”

Em resposta aos comentários de Pompeo, a embaixada chinesa em Washington acusou os Estados Unidos de “distorcer” o direito internacional e “exagerar” a situação para “semear discórdia”.

(Esse texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN