EUA superam 50 milhões casos de Covid-19 em meio ao surgimento da Ômicron

Após cerca de dois meses de declínio de infecções, o país relatou aumentos diários nas últimas duas semanas, impulsionados pela variante Delta de transmissão mais fácil

Bandeiras brancas representando vítimas da Covid-19 nos EUA na National Mall, em Washington
Bandeiras brancas representando vítimas da Covid-19 nos EUA na National Mall, em Washington 17/09/2021REUTERS/Joshua Roberts

Kavya BRittik Biswasda Reuters

Ouvir notícia

Os Estados Unidos cruzaram com 50 milhões de casos de coronavírus neste domingo (12), segundo a contagem da Reuters, à medida que a variante Delta continua a ameaçar os americanos e a variante Ômicron recém-descoberta se espalha.

Após cerca de dois meses de declínio de infecções, os Estados Unidos relataram aumentos diários nas últimas duas semanas, impulsionados pela variante Delta de transmissão mais fácil.

Estados nas partes mais frias do país estão vendo o maior aumento de novas infecções em uma base per capita, incluindo Vermont, New Hampshire e Michigan.

O número de pacientes hospitalizados com Covid também está aumentando, 20% desde o feriado de Ação de Graças no final de novembro.

No mês passado, as mortes aumentaram 4,6%, com o número de mortos no país ultrapassando 800.000.

Quase metade dos estados dos Estados Unidos detectou casos da variante Ômicron, mas a variante Delta ainda é responsável por 99% dos casos atuais de Covid, disse a diretora do CDC, Dra. Rochelle Walensky.

Para Ômicron ser um problema significativo, será necessário alterar esse equilíbrio para se tornar dominante. “Se começarmos de repente a ver 10% das novas infecções sendo Omicron, e então aumentar na próxima semana para 20%, isso nos dirá que estamos em uma onda de substituição, como a que vimos quando Delta substituiu Alpha”, disse John Moore, professor de microbiologia e imunologia no Weill Cornell Medical College.

Uma análise dos dados da Reuters mostra que levou quase um ano para atingir os primeiros 25 milhões de casos Covid e 323 dias, menos de um ano para passar de 25 milhões para 50 milhões de casos.

Estudos laboratoriais divulgados esta semana sugerem que a variante Ômicron do coronavírus irá diminuir o poder da vacina Pfizer e BioNTech de prevenir a infecção por COVID-19 após duas doses, embora uma terceira dose possa restaurar essa proteção.

Cerca de 14% das pessoas nos Estados Unidos já receberam uma injeção de reforço. Quase 10 milhões dessas pessoas conseguiram as fotos extras desde o feriado de Ação de Graças, com preocupações sobre a variante Ômicron.

A Pfizer Inc. e a Merck desenvolveram medicamentos antivirais Covid-19 que funcionam em todas as variantes, com os países correndo para comprar os comprimidos.

A vacinação ainda deve ser a prioridade para os americanos, mas tomar pílulas que podem manter as pessoas fora do hospital “pode ​​ser um salva-vidas”, disse o secretário de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, Xavier Becerra.

Mais Recentes da CNN