Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Exploradores encontram naufrágio mais profundo do mundo no Pacífico

    O USS Destroyer Escort Samuel B. Roberts (DE-413), conhecido como Sammy B, foi encontrado a uma profundidade de 6.895 metros, no Mar das Filipinas

    Sammy B. é o naufrágio mais profundo encontrado até a atualidade
    Sammy B. é o naufrágio mais profundo encontrado até a atualidade Caladan Oceanic

    Julia Buckleyda CNN

    Ouvir notícia

    Ele se esconde a mais de seis quilômetros de profundidade abaixo do Oceano Pacífico, dividido ao meio e alojado em uma encosta.

    Há um novo naufrágio mais profundo do mundo a ser identificado e pesquisado — e é o USS Destroyer Escort Samuel B. Roberts (DE-413), conhecido como Sammy B.

    Victor Vescovo, um explorador que já havia completado expedições aos pontos mais profundos do mundo, localizou os destroços juntos em 22 de junho.

    Ele encontra-se a uma profundidade de 6.895 metros, no Mar das Filipinas. Em comparação, o pico do Monte Kilimanjaro tem 5.896 metros, enquanto o assentamento permanente mais alto do mundo, La Rinconada, nos Andes peruanos, tem 5.100 metros.

    Anteriormente, o naufrágio mais profundo já identificado e pesquisado era o USS Johnston, encontrado no ano passado por Vescovo. Ele fica a 6.469 metros.

    O explorador Victor Vesovo liderou a busca / Caladan Oceanic

    Vescovo, o piloto, e o especialista em sonar, Jeremie Morizet, mergulharam para rastrear os destroços de ponta a ponta. O naufrágio se partiu em dois pedaços, a cerca de 10 metros um do outro.

    O navio Sammy B. afundou na Batalha de Samar, em 25 de outubro de 1944, na qual a Marinha dos Estados Unidos derrotou a maior frota japonesa, a leste da ilha de Samar, nas Filipinas.

    Ele lutou contra três navios de guerra japoneses, incluindo o Yamato, considerado o maior já construído. O navio dos EUA transportou 224 tripulantes, 89 dos quais foram mortos. O capitão Robert W. Copeland foi um dos sobreviventes.

    89 dos 224 membros da tripulação original da embarcação morreram em batalha / Caladan Oceanic

    O navio “lutou ferozmente, embora tenha sido completamente superado pelos navios de guerra japoneses e cruzadores pesados ​​os quais enfrentou”, disse Vescovo à CNN.

    “O heroísmo do capitão e da sua tripulação é lendário na Marinha, e foi uma grande honra encontrar o lugar [do navio] de descanso final. Acho que ajuda a encerrar a história da embarcação, para as famílias daqueles que morreram e para aqueles que trabalharam nela. Ter um navio desaparecido nas profundezas, para nunca mais ser visto, pode deixar aqueles ligados ao barco com um sentimento de vazio”.

    “Encontrar os destroços ajuda trazer um final, e descobrir detalhes sobre a batalha que talvez não soubéssemos antes. Como costumamos dizer, ‘o aço não mente'”.

    Vescovo, fundador da empresa de exploração Caladan Ocean e membro da EYOS Expeditions, fez seis mergulhos ao longo de oito dias procurando pela embarcação, e também por outro naufrágio dos EUA, o navio Gambier Bay.

    Registros anteriores que apontavam a localização dos navios eram imprecisos, mas o time foi auxiliado por um sistema de escaneamento customizado, além de pesquisas extensas.

    Inicialmente, eles localizaram destroços do Sammy B. — como lançador de torpedos com três tubos, utensílio presente somente naquela embarcação entre as naufragadas. No último dia, conseguiram encontrar o naufrágio.

    Vescovo afirmou ter sido “uma honra” encontrar a embarcação, dizendo em nota que localizá-la tinha dado ao time a chance de “recontar sua história de heroísmo e compromisso”.

    “Em momentos difíceis, é importante refletir sobre aqueles que sacrificaram muito, de bom grado, em situações ainda piores para assegurar nossas liberdades e maneiras de viver”, declarou.

    “Eu sempre fico impressionado pela bravura extraordinária daqueles que batalharam nessa guerra, contra chances assustadoras, e venceram.”

    Vescovo disse que foi “uma honra” descobrir o naufrágio / Caladan Oceanic

    Ele disse à CNN que sua equipe não tinha certeza de que a expedição seria um sucesso.

    “O Sammy B é um navio pequeno em comparação a outras embarcações militares, e não tínhamos certeza se poderíamos achá-lo no oceano extremamente vasto e profundo onde afundou. Mas com perseverança, algumas análises históricas incríveis, e muita tecnologia feita para as profundezas dos oceanos, pudemos encontrá-lo e ter a oportunidade de contar uma história impressionante”, explicou.

    “É inacreditavelmente animador achar um naufrágio no fundo do oceano, dadas todas as dificuldades para encontrá-lo. É um privilégio imenso ser a primeira pessoa a vê-lo depois de ter afundado em batalha há quase oitenta anos.”

    O time de Vescovo fez seis mergulhos em busca do navio / Caladan Oceanic

    Kelvin Murray, líder de expedições e diretor de operações e projetos submarinos na EYOS, disse: “Como sempre, houve esforço e dedicação de todo o time — a tripulação do navio, historiadores e outros especialistas. Usando uma combinação de trabalho de detetive e tecnologia inovadora, todos nós conseguimos revelar o local de descanso final dessa embarcação resistente”.

    “Foi uma expedição desafiadora, animadora e mordaz, uma que reconhece todos os navios e tripulantes de todas as nações que lutaram tão veementemente durante essa batalha. Todos estamos orgulhosos do que foi alcançado e emocionados com o que vimos.”

    O time também desceu até 7 mil metros de profundidade para procurar outro veículo — um porta-bagagens, chamado Gambier Bay — mas não conseguiram encontrá-lo. Eles não buscaram por outro destróier, o USS Hoel, devido à falta de dados.

    A tecnologia usada para localizar o Sammy B. pode ajudar a descobrir outros naufrágios, ainda mais profundos / Caladan Oceanic

    Mas o Sammy B. pode não ser o naufrágio mais profundo por muito tempo. O grupo acredita que o novo scanner Deep Ocean Search é o buscador mais profundo já operado de forma submersa — normalmente, esses equipamentos alcançam os 6 mil metros de profundidade, mas o novo já foi testado em até 11 mil metros, a profundidade total do oceano. O time da Caladan Oceanic planeja levá-lo ao fundo no próximo mês.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN