Explosão no prédio do governo de Kharkiv deixa pelo menos dez mortos e 35 feridos

Segunda maior cidade da Ucrânia voltou a registrar ataques nesta terça-feira; oito equipes trabalham no resgate das vítimas

Hannah RitchieTeele RebaneIvana Kottasováda CNN

Ouvir notícia

Pelo menos dez pessoas morreram e 35 ficaram feridas em ataques com foguetes das forças russas no centro de Kharkiv, a segunda maior cidade de Ucrânia, nesta terça-feira (1º), de acordo com o assessor do Ministério do Interior da Ucrânia, Anton Herashchenko.

A explosão atingiu um prédio do governo e os arredores. “A Freedom Square foi atingida por um míssil de cruzeiro. Houve um segundo golpe de um foguete semelhante que atingiu o prédio depois que os socorristas chegaram (em 5-7 minutos). Um terço do prédio da administração caiu”, disse Herashchenko em um post no Telegram.

A explosão atingiu um prédio do governo e os arredores, de acordo com vídeos do incidente postados pelo Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia (Mofa) e funcionários do governo ucraniano. Os vídeos publicados nesta terça foram verificados pela CNN.

O Ministério do Interior confirma o número de mortes após foguetes das forças russas atingirem o centro de Kharkiv. “Os escombros estão sendo removidos e haverá ainda mais vítimas e feridos”, disse o assessor do Ministério do Interior, Anton Herashchenko, em um post nas redes sociais.

O Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia postou um vídeo em sua conta oficial do Facebook nesta terça relatando os ataques. Segundo as informações, há pessoas presas sob os escombros. “Como resultado do bombardeio de artilharia, um prédio da administração estadual e um prédio adjacente foram danificados. As pessoas estão presas sob os escombros. O chefe das operações de resgate soube que mais de 20 pessoas ficaram feridas”, disse um membro do serviço no vídeo.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, classificou o ataque como terrorista. “O foguete na praça central de Kharkiv é um terror aberto e descoberto. A Rússia é um estado terrorista. Ninguém vai perdoar. Ninguém jamais esquecerá.”

Segundo o serviço de emergência local, oito equipes trabalham no resgate das vítimas. “Há oito esquadrões de resgate de emergência no local trabalhando, com 80 funcionários e voluntários separando os destroços, arrastando-os para encontrar os feridos e os mortos. O trabalho continua”.

“A Rússia está travando uma guerra em violação do direito internacional humanitário. Mata civis, destrói a infraestrutura civil. O principal alvo da Rússia são as grandes cidades que agora são atingidas por seus mísseis”, tuitou o Ministério do Interior, que compartilhou um vídeo mostrando o que parece ser um ataque com mísseis ao prédio da Administração Estatal Regional de Kharkiv.


Um vídeo separado postado por Kostiantyn Nemichev, chefe do Estado-Maior de Defesa de Kharkiv, mostrou as consequências do suposto ataque, incluindo o interior do prédio que foi reduzido a escombros.

O edifício da Administração Estatal Regional abriga escritórios do governo local. Ele está localizado na “Praça da Liberdade” – a praça principal de Kharkiv e um marco arquitetônico.

Anton Gerashchenko, conselheiro do Ministro de Assuntos Internos da Ucrânia, também compartilhou um vídeo em sua conta oficial do Telegram, tirado do nível da rua na Praça da Liberdade. O vídeo mostra o local da explosão e os destroços no solo onde ficava o prédio da Administração Estatal Regional de Kharkiv.

Ataques em Mariupol

O prefeito de Mariupol, na Ucrânia, disse na manhã desta terça-feira que a cidade portuária do Sul estava sob bombardeios constantes que mataram civis e danificaram a infraestrutura, enquanto a Rússia iniciava o sexto dia de sua invasão, de acordo com a agência de notícias Reuters.

“Tivemos bairros residenciais bombardeados por cinco dias. Eles estão nos atacando com artilharia, estão nos bombardeando com GRADS, estão nos atingindo com forças aéreas”, disse Vadym Boichenko em uma transmissão ao vivo pela TV ucraniana.

Entenda o conflito

Após meses de escalada militar e intemperança na fronteira com a Ucrânia, a Rússia atacou o país do Leste Europeu. No amanhecer desta quinta-feira (24), as forças russas começaram a bombardear diversas regiões do país – acompanhe a repercussão ao vivo na CNN.

Horas mais cedo, o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou uma “operação militar especial” na região de Donbas (ao Leste da Ucrânia, onde estão as regiões separatistas de Luhansk e Donetsk, as quais ele reconheceu independência).

O que se viu nas horas a seguir, porém, foi um ataque a quase todo o território ucraniano, com explosões em várias cidades, incluindo a capital Kiev.De acordo com autoridades ucranianas, dezenas de mortes foram confirmadas nos exércitos dos dois países.

Em seu pronunciamento antes do ataque, Putin justificou a ação ao afirmar que a Rússia não poderia “tolerar ameaças da Ucrânia”. Putin recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para casa”. O líder russo afirmou ainda que não aceitará nenhum tipo de interferência estrangeira.Esse ataque ao ex-vizinho soviético ameaça desestabilizar a Europa e envolver os Estados Unidos.

A Rússia vem reforçando seu controle militar em torno da Ucrânia desde o ano passado, acumulando dezenas de milhares de tropas, equipamentos e artilharia nas portas do país. Nas últimas semanas, os esforços diplomáticos para acalmar as tensões não tiveram êxito.

A escalada no conflito de anos entre a Rússia e a Ucrânia desencadeou a maior crise de segurança no continente desde a Guerra Fria, levantando o espectro de um confronto perigoso entre as potências ocidentais e Moscou.

(*Com informações da Reuters e da CNN Internacional) 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN