Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fim de uma era: população da Índia pode superar a da China neste fim de semana, diz ONU

    Esse não é necessariamente um título que a maioria dos países cobiça; entenda

    Carlotta DottoRhea Mogulda CNN

    Contar milhões de pessoas nunca é uma tarefa fácil, mas as Nações Unidas dizem que seus últimos cálculos mostram que, até o final deste fim de semana, a Índia terá mais pessoas do que a China, marcando uma mudança histórica na demografia global.

    A maior parte do mundo cresceu com a China detendo o título de país mais populoso do mundo, mas décadas de políticas restritivas que limitam as famílias a um filho diminuíram drasticamente a taxa de natalidade local, permitindo que a Índia avançasse.

    No entanto, esse não é necessariamente um título que a maioria dos países cobiça.

    Alguns anos atrás, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi expressou preocupação com a “explosão populacional” da Índia e elogiou as famílias que consideraram cuidadosamente o impacto de mais bebês – nelas mesmas e na nação.

    “Na Índia do século 21, a capacidade de realizar sonhos começa com uma pessoa, começa com uma família. Se a população não for educada, não for saudável, nem a casa nem o país poderão ser felizes”, disse Modi.

    Então, como a população da Índia ficou tão grande e quanto tempo isso vai durar?

    A CNN analisou os dados do World Population Prospects da ONU e conversou com especialistas para aprofundar os números nos detalhes em torno da mudança demográfica da Índia.

    Como a Índia ficou tão grande?

    Não surpreendentemente, a fertilidade é a chave para entender o que impulsiona a ascensão ou queda da população de um país.

    É comumente aceito que a taxa média de fertilidade de um país – filhos por mulher – deve ser de 2,1 para que a população se sustente – e ainda mais para crescer.

    Na década de 1960, quando os avós de hoje estavam tendo filhos, a taxa de fertilidade da Índia era de 6, aproximadamente a mesma taxa de alguns países africanos agora.

    Mas, de acordo com o governo, a taxa de fertilidade total da Índia caiu para 2,0 no último período de avaliação nacional de 2019 a 2021, abaixo de 3,4 de 1992 a 1993.

    “Quando a taxa de fertilidade cai, a população continua a crescer por várias décadas. E isso ocorre porque coortes mais jovens e grandes ainda estão chegando à idade em que se tornam pais”, disse Frank Swiaczny, pesquisador sênior do Instituto Federal de Pesquisa Populacional.

    Assim, mesmo com uma taxa de fertilidade de substituição ou sub-reposição, a população da Índia continuará a crescer lentamente devido ao número considerável de mulheres entrando em seus anos reprodutivos.

    Não surpreendentemente para uma nação de seu tamanho, a taxa de fertilidade da Índia é desigual em todo o país, contribuindo para uma divisão norte-sul que vê mais bebês produzidos no norte. Mas mesmo lá, os números não estão fora das paradas.

    “O que realmente nos surpreendeu é que a maior taxa de fertilidade na Índia – 3,0 em Bihar – nem é tão alta”, disse Barbara Seligman, diretora de estratégia e crescimento e vice-presidente sênior da PRB, um grupo sem fins lucrativos que se concentra em dados demográficos e pesquisa populacional.

    “É realmente impressionante ver quantos estados estão abaixo do nível de reposição”, acrescentou Seligman.

    Todos, exceto cinco estados – Bihar, Meghalaya, Uttar Pradesh, Jharkhand, Manipur – estão nesse nível e, notavelmente, estão todos no norte.

    Nos estados do sul, surge um padrão diferente. Por exemplo, Goa tem uma taxa de fertilidade semelhante a alguns países do sul da Europa, que atualmente lutam para sustentar uma população envelhecida com uma força de trabalho cada vez menor. É uma tendência que os especialistas dizem que os líderes da Índia deveriam não ignorar.

    De acordo com a classificação da ONU, a Índia é agora uma “sociedade envelhecida”, o que significa que 7% de sua população tem 65 anos ou mais.

    Em alguns estados, por exemplo, em Kerala, no sul da Índia, a população com mais de 65 anos dobrou nos últimos 30 anos e agora está em 12%.

    O mesmo padrão se estenderá a mais estados, dada a baixa taxa de fertilidade total. “Vamos ver mais e mais estados ao longo dos próximos 30 anos envelhecendo da mesma forma que Kerala está agora”, disse Seligman.

    O crescimento populacional da Índia está diminuindo

    A Índia pode ter ultrapassado a China em população total, mas dados da ONU também mostram que sua taxa de crescimento diminuiu.

    Entre 1971 e 1981, a população da Índia cresceu em média 2,2% ao ano. De 2001 a 2011, esse índice caiu para 1,5% e é ainda menor agora.

    De acordo com as projeções da ONU, a população da Índia deve atingir o pico de cerca de 1,7 bilhão em 2064.

    No momento, mais de 40% dos residentes do país têm menos de 25 anos, e a idade média estimada em 2023 é de 28 anos – quase uma década mais jovem que a da China -, segundo dados da ONU.

    Em 2021, a população em idade ativa da Índia era de mais de 900 milhões e deve atingir 1 bilhão na próxima década, de acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

    Essa força de trabalho massiva – e relativamente mal paga – não é apenas jovem, mas também fala inglês, é alfabetizada digitalmente e tem uma reputação de empreendedorismo, tornando o país um grande atrativo para empresas ocidentais que buscam um centro de produção alternativo à China.

    Mas a contribuição da Índia para a parcela da população mundial em idade ativa deve diminuir nas próximas décadas, abrindo caminho para uma população mais jovem de trabalhadores emergentes da África.

    A Índia pode ter a maior parte da população em idade ativa de hoje, mas especialistas dizem que o país precisa de políticas fortes para capitalizar sua juventude.

    “Um grande número de pessoas não é suficiente, precisamos apresentar um plano holístico”, disse Sonalde Desai, diretor do Conselho Nacional de Pesquisa Econômica Aplicada (NCAER) e professor da Universidade de Maryland, à CNN.

    “Precisamos de pessoas que tenham as habilidades para preencher alguns dos empregos de alto valor e uma economia que produza esses empregos de alto valor.”

    Poonam Muttreja, diretor executivo da Population Foundation of India, disse que abordar a lacuna é “imperativo para a Índia progredir para cumprir suas aspirações de ser um país desenvolvido”.

    O que vem a seguir para a Índia?

    Embora continue sendo um dos países mais pobres per capita do mundo, a Índia está subindo nas tabelas econômicas globais – sua economia de quase US$ 3,5 trilhões é agora a quinta maior do mundo e está entre as que mais crescem.

    Em 2023, o Banco Mundial espera que a Índia supere todas as outras grandes economias com crescimento de 6,6% – em comparação com 4,3% da China e apenas 0,5% dos Estados Unidos, enquanto em algumas projeções espera-se que ocupe o terceiro lugar no ranking próximos 10 anos e se tornar apenas o terceiro país com um PIB de US$ 10 trilhões até 2035.

    No entanto, apesar de suas fortunas, a riqueza da Índia não é distribuída uniformemente.

    A pobreza continua sendo uma realidade diária para milhões de indianos, e especialistas dizem que, embora o país tenha uma grande população de jovens prontos e dispostos a trabalhar, em comparação com outros países, os números mostram que não há empregos suficientes para eles.

    O problema é pior nas regiões economicamente desfavorecidas do norte, que dependem fortemente da agricultura.

    Uttar Pradesh, por exemplo, abriga 17% da população da Índia, mas tem apenas 9% de seus empregos industriais.

    Sabina Dewan, pesquisadora visitante sênior do Center for Policy Research, diz que o crescimento populacional pode ser uma “enorme força produtiva para a economia”, mas o crescimento econômico “depende de fornecer empregos de boa qualidade, produtivos e bem remunerados”.

    E isso começa investindo mais em educação além da escola primária, especialmente para mulheres.

    “Precisamos fortalecer nosso sistema de ensino médio, torná-lo mais seguro e próximo de onde estão as meninas, porque muitos pais não mandam suas filhas para escolas secundárias, que são distantes, por questões de segurança”, disse Muttreja.

    Depois que saem da escola, o nível de participação das mulheres na força de trabalho – a estimativa da força de trabalho ativa e das pessoas procurando trabalho – foi de apenas 19% em 2021, mostram dados do Banco Mundial.

    Isso é menos da metade da taxa geral de participação da força de trabalho de 46%, já uma das mais baixas da Ásia. As taxas comparativas para a China e os Estados Unidos foram de 68% e 61%.

    A Índia não precisa apenas de melhores políticas para colocar as mulheres no mercado de trabalho – elas precisam garantir que elas possam permanecer lá, disse Desai.

    Para isso, são necessárias mais opções de contracepção temporária para dar às mulheres mais controle sobre a gravidez, disse ela.

    A educação é a melhor pílula anticoncepcional que pode ser dada a uma mulher, acrescentou Muttreja

    Segundo ele, se a Índia não conseguir o equilíbrio certo, corre o risco de desperdiçar a vantagem considerável de ser o país mais populoso do mundo com a maior parcela mundial de capital humano em idade ativa.

    “O desafio de educar, oferecer treinamento e empregos suficientes e de boa qualidade é enorme”, disse ela.

    “Se não criarmos bons empregos suficientes, desperdiçamos o tremendo potencial de nossos trabalhadores. E poderíamos estar olhando para uma população jovem que tem maiores aspirações do que nunca, mas poucas oportunidades de geração de renda.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original