Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fóssil de um milípede gigante revela “o maior inseto que já existiu”

    Restos fossilizados da criatura, chamada Arthropleura, datavam do período carbonífero cerca de 326 milhões de anos atrás

    Fóssil de milípede gigante encontrado na praia de Howick Bay, em Northumberland, na Inglaterra
    Fóssil de milípede gigante encontrado na praia de Howick Bay, em Northumberland, na Inglaterra Divulgação/Neil Davies

    Katie Huntda CNN

    Ouvir notícia

    Um fóssil de milípede gigante, encontrado em uma praia no norte da Inglaterra, revelou o “maior inseto que já existiu”, dizem os paleontólogos.

    O fóssil foi descoberto em janeiro de 2018 em um pedaço de arenito que havia caído de um penhasco na praia de Howick Bay, em Northumberland. A rocha se abriu, revelando o fóssil.

    “Foi uma descoberta completa por acaso”, disse Neil Davies, professor de geologia sedimentar no departamento de Ciências da Terra da Universidade de Cambridge, que disse que o fóssil foi localizado por um ex-aluno de doutorado.

    “Foi uma descoberta incrivelmente excitante, mas o fóssil é tão grande que levou quatro de nós para carregá-lo até a face do penhasco”, continuou Davies.

    Os restos fossilizados da criatura, chamada Arthropleura, datavam do período carbonífero cerca de 326 milhões de anos atrás. Isso foi mais de 100 milhões de anos antes da ascensão dos dinossauros.

    Quando viva, a criatura foi estimada em 55 centímetros (22 polegadas) de largura e até 2,63 metros (8,6 pés) de comprimento, pesando 50 quilos (110 libras). Isso o tornaria o maior invertebrado conhecido de todos os tempos –maior do que os antigos escorpiões marinhos que já possuíam esse título, disse o comunicado. Invertebrados são animais sem coluna vertebral.

    “Este é definitivamente o maior bug que já existiu”, Davies confirmou por e-mail.

    É apenas o terceiro fóssil de Arthropleura descoberto. Os outros dois foram encontrados na Alemanha e eram muito menores do que o novo espécime.

    Para chegar a esse tamanho, eles devem ter ingerido uma dieta nutritiva. Naquela época, o território da Grã-Bretanha ficava no Equador, e os invertebrados e os primeiros anfíbios provavelmente viviam da vegetação que crescia em uma série de riachos e rios.

    Os pesquisadores acham que o esqueleto fossilizado era provavelmente um segmento mudado de exoesqueleto que se encheu de areia, preservando-o.

    “Encontrar esses fósseis de milípedes gigantes é raro, porque uma vez que eles morrem, seus corpos tendem a se desarticular (separar nas articulações), então é provável que o fóssil seja uma carapaça muda que o animal expeliu enquanto crescia”, acrescentou Davies. “Ainda não encontramos uma cabeça fossilizada, por isso é difícil saber tudo sobre eles”.

    Os animais da Arthropleura rastejaram por cerca de 45 milhões de anos antes de se extinguirem. Não se sabe exatamente por que eles desapareceram, mas pode ser devido a uma mudança no clima que não lhes convinha. Ou pode ter ocorrido durante o surgimento dos répteis, que passaram a dominar o mesmo tipo de habitat.

    O fóssil será exibido ao público no Sedgwick Museum em Cambridge em 2022. A pesquisa foi publicada no Journal of the Geological Society.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN