Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fotógrafo captura imagem de peixe raro que anda com “mãos” de barbatanas

    Francês Nicolas Remy estava determinado a ver o peixe por si mesmo; ele viajou para a Austrália para megulhar em águas geladas e fazer o registro

    Existem menos de 3 mil peixes-mão manchados na natureza
    Existem menos de 3 mil peixes-mão manchados na natureza Nicolas REMY

    Nell Lewisda CNN

    Nas profundezas escuras e lamacentas do rio Derwent, na Tasmânia, um tipo incomum de peixe pode ser encontrado caminhando – não nadando – ao longo do leito do rio. O peixe-mão manchado, que se move usando barbatanas peitorais que parecem mãos, espreita nas profundezas escuras, pronto para atacar qualquer presa que atraia com a isca fofa acima de sua boca.

    Sua coloração creme e manchas marrom-escuras ou alaranjadas se misturam com o fundo arenoso, tornando os peixes difíceis de detectar e ainda mais difíceis de fotografar. Isso, juntamente com o fato de que a espécie está criticamente ameaçada, com menos de 3 mil indivíduos na natureza.

    Mas o fotógrafo francês, Nicolas Remy, estava determinado a ver por si mesmo o tal peixe indescritível. Em 2022, ele viajou de sua base em Sydney para o estado mais frio da Austrália e mergulhou nas águas do Derwent, que estavam a 11 graus de temperatura.

    Uma hora depois, ele avistou o primeiro peixe-mão manchado, mas com o flash de sua câmera ele havia sumido. Tudo o que a fotografia havia capturado era uma nuvem de lodo. Remy percebeu que teria que aprimorar sua técnica para esta espécie e passou três dias consecutivos e um total de nove horas no rio.

    Por fim, depois de dominar uma técnica especial de natação com suas nadadeiras que não agitavam o lodo e usar um tipo diferente de dispositivo de iluminação que criava um holofote estreito, Remy conseguiu sua chance – um close-up do peixe carismático, com suas “mãos” e a isca fofa à vista. A fotografia conquistou o primeiro lugar na categoria de água fria do concurso Underwater Photography Guide’s Ocean Art 2022.

    Remy espera que suas fotografias ajudem a destacar essa espécie rara que a maioria das pessoas conhece – e se importa – pouco. Usando a fotografia em estilo retrato, ele quer criar uma conexão emocional com o peixe, levando as pessoas a se engajarem na conservação da “espécie de aparência muito estranha”.

    Salvando o peixe-mão

    Esforços para preservar o peixe-mão manchado e seus parentes ainda mais criticamente ameaçados, o peixe-mão vermelho e o peixe-mão de ziebell, estão em andamento. A Equipe Nacional de Recuperação de Peixes-Mão planeja reviver todas as três espécies, que são encontradas nas águas do sudeste da Austrália. Do peixe-mão vermelho, acredita-se que apenas 100 adultos permaneçam, enquanto o de ziebell não é visto na natureza desde 2007.

    Atualmente, o peixe-mão vermelho é encontrado apenas em dois pequenos trechos de recife no sudeste da Tasmânia / Tyson Bessell

    “A baixa capacidade de dispersão, o pequeno tamanho da população e a produção reprodutiva relativamente baixa os tornam suscetíveis a distúrbios ambientais”, diz Jemina Stuart-Smith, presidente da Equipe Nacional de Recuperação de Peixes-Mão, que aponta a perda de habitat, poluição e desenvolvimento urbano como grandes ameaças.

    Além disso, seu método peculiar de caminhar, em vez de nadar, torna difícil para o peixe-mão usar as correntes oceânicas para carregá-lo para longe de áreas degradadas, acrescenta ela.

    Os esforços de recuperação envolvem o monitoramento de populações de todas as três espécies, restaurando seu habitat natural, removendo espécies invasoras ou ouriços-do-mar superabundantes e trabalhando com aquários para estabelecer programas de reprodução em cativeiro e garantir o povoamento.

    O peixe-mão de ziebell é o mais esquivo das três espécies, sem avistamentos confirmados desde 2007 / Andrew Green

    No rio Derwent, a equipe plantou um habitat artificial para encorajar a desova do peixe-mão manchado, que já mostrou resultados promissores na estabilização das populações, diz Stuart-Smith.

    Mas, embora tenha havido algum progresso, a situação ainda é urgente e a equipe de recuperação precisa de financiamento e recursos de longo prazo, diz Stuart-Smith. Ela espera que o recente plano de ação de espécies ameaçadas do governo australiano, que visa evitar novas extinções, ajude, já que o peixe-mão vermelho está listado entre as 110 espécies prioritárias do plano.

    A conscientização também é crucial para os esforços de conservação, diz ela, e a fotografia pode ser um meio importante para isso.

    Mark Strickland, fotógrafo americano e juiz do concurso fotográfico Ocean Art 2022, concorda. Ele disse à CNN: “Ao capturar e compartilhar belas imagens de espécies raramente vistas, os fotógrafos subaquáticos podem desempenhar um papel descomunal ao criar consciência e preocupação entre as pessoas que, de outra forma, poderiam não estar cientes da situação enfrentada por essas espécies e do frágil habitats onde residem”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original