Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    França registra alta participação no segundo turno das eleições parlamentares

    Participação era de 59,71% por volta das 17h (12h no horário de Brasília)

    Eleitores franceses votam no segundo turno das eleições parlamentares
    Eleitores franceses votam no segundo turno das eleições parlamentares Reuters

    Gabriel StargardterTassilo Hummelda Reuters

    A participação eleitoral no segundo turno das eleições parlamentares da França, neste domingo (7), aumentou acentuadamente desde a última vez em 2022, em uma votação que pode trazer a vitória para o Reunião Nacional (RN), da ultradireita.

    Embora se espere que o RN conquiste o maior número de assentos na Assembleia Nacional, as últimas pesquisas de opinião indicaram que o partido pode não conquistar a maioria absoluta.

    Um parlamento suspenso prejudicaria gravemente a autoridade do presidente Emmanuel Macron e anunciaria um período prolongado de instabilidade e impasse político na segunda maior economia da zona euro.

    Se o RN obtiver a maioria, inaugurará o primeiro governo de ultradireita na França desde a Segunda Guerra Mundial e repercutirá na União Europeia, à medida que os partidos populistas estão obtendo mais apoio em todo o continente.

    A participação era de 59,71% por volta das 17h (12h, horário de Brasília), acima dos 38,11% no mesmo horário do segundo turno de votação em 2022, disse o Ministério do Interior.

    A votação termina às 18h (13h, no horário de Brasília) em vilas e cidades pequenas e 20h (15h) em cidades maiores. Os pesquisadores fornecerão projeções iniciais com base em contagens iniciais de uma amostra de postos de votação às 20h.

    “O país enfrenta três visões radicalmente opostas da sociedade”, disse Olivier Grisal, um aposentado, enquanto caminhava em direção ao seu local de votação na cidade de classe média de Conflans Sainte-Honorine, a oeste de Paris, com sua esposa.

    “Há a ultradireita, há o macronismo que, na minha opinião, também é perigoso e tem tendências ditatoriais e depois há a esquerda que também não é boa”, disse ele.

    As pesquisas de opinião preveem que o RN de Marine Le Pen emergirá como a força dominante na Assembleia Nacional, à medida que os eleitores punem Macron pela crise do custo de vida e pela falta de contato com as dificuldades que as pessoas enfrentam.

    No entanto, o RN parece não conseguir atingir a meta de 289 assentos que daria ao protegido de Le Pen, Jordan Bardella, de 28 anos, o cargo de primeiro-ministro com uma maioria absoluta.

    A margem de vitória projetada para a ultradireita diminuiu desde que a aliança centrista de Macron, Ensemble, e a Nova Frente Popular (NPF), de esquerda, retiraram dezenas de candidatos das disputas a três no segundo turno, numa tentativa de unificar os votos.

    “A França está à beira do precipício e não sabemos se vamos saltar”, disse Raphael Glucksmann, membro do Parlamento Europeu que liderou a chapa de esquerda francesa na votação europeia do mês passado, à rádio France Inter na semana passada.

    A violência política aumentou durante a curta campanha de três semanas. O ministro do Interior, Gerald Darmanin, disse que as autoridades registaram mais de 50 agressões físicas a candidatos e ativistas.

    Algumas boutiques de luxo ao longo da avenida Champs Elysees, incluindo a loja Louis Vuitton, bloquearam as janelas, e Darmanin disse que estava mobilizando 30 mil policiais em meio a preocupações com protestos violentos caso a ultradireita vencesse.

    O RN ampliou o seu apoio para além da sua base tradicional ao longo da costa mediterrânica e do norte desindustrializado, aproveitando a raiva dos eleitores contra Macron devido aos orçamentos familiares limitados, à segurança e às preocupações com a imigração.

    “Os franceses têm um desejo real de mudança”, disse Le Pen à TF1 TV na quarta-feira (3).