Fuga para a Rússia e contrabandistas: como família escapou da guerra na Ucrânia

Mila Turchyn, americana de origem ucraniana, foi trabalhar como voluntária na Polônia enquanto tentava resgatar mãe e irmã da cidade de Izium

Família reunida após uma das filhas e a mãe fugiram da guerra para a Rússia e depois para a Polônia
Família reunida após uma das filhas e a mãe fugiram da guerra para a Rússia e depois para a Polônia Li-Lian Ahlskog Hou

Salma AbdelazizLauren KentLi-Lian Ahlskog Houda CNN

Przemysl

Ouvir notícia

Mila Turchyn entra em um estacionamento do McDonald’s perto da fronteira entre Polônia e Ucrânia. Ela está ansiosa por não confiar no homem que está prestes a conhecer, um contrabandista de pessoas.

Turchyn encontrou o homem por meio de um aplicativo de mensagens há alguns dias, anunciando serviços de transporte de ucranianos retidos na Rússia. Eles fizeram um acordo, US$ 500 para levar a mãe e a irmã de Turchyn de Moscou para Przemysl, na Polônia. É mais do que a maioria das famílias que fogem da guerra pode pagar.

Ela está se perguntando se funcionou.

Turchyn se vira e de repente se encontra nos braços de sua irmã. Há um breve momento de alegria, mas não há tempo para abraçar sua mãe. O contrabandista quer ser pago imediatamente. Ele a extorque por mais dinheiro. Ela paga. Neste ponto, não há nada mais que ela queira do que estar com sua família.

A troca finalmente acabou e as três mulheres estão reunidas na Polônia. Elas silenciosa e rapidamente se abraçam.

Para os ucranianos que agora se encontram deslocados na Rússia, no entanto, chegar em segurança é perigoso. Milhares de ucranianos foram deportados à força para o país que os bombardeou e sitiou, dizem as autoridades ucranianas.

Quando a invasão da Ucrânia pelos russos começou no final de fevereiro, Turchyn, uma estudante de medicina ucraniana-americana que mora em Cleveland, Ohio, começou a pesquisar freneticamente em aplicativos de mensagens, desesperada para encontrar qualquer informação sobre sua cidade natal, Izium, onde sua mãe e irmã moravam.

“Eu estava tentando encontrar migalhas de informação”, explica ela. “Temos esses grupos do Viber (aplicativo de mensagens) e todo mundo está falando: ‘Você sabe onde um míssil atingiu hoje? Você sabe qual casa foi destruída hoje?'”

Seu telefone foi inundado com imagens da cidade, que está no centro de uma luta feroz há semanas. A escassez de alimentos, água e remédios criou uma catástrofe humana para milhares de pessoas que vivem sob constantes ataques aéreos e bombardeios.

“A cada dia fica pior”, disse Max Strelnyk, deputado do gabinete do conselho da cidade de Izium, à CNN no final de março. “Não houve pausa no bombardeio – começou semanas atrás – pelos russos. Os mortos estão enterrados no parque central.”

Izium fica na estrada principal entre Kharkiv e as áreas separatistas apoiadas pelos russos de Luhansk e Donetsk, no leste da Ucrânia, colocando-a na mira do ataque brutal de Putin.

Alguns dias depois do conflito, Turchyn perdeu contato com sua família. As redes celulares em Izium foram deliberadamente cortadas ou bloqueadas. Ela temia que sua mãe e irmã tivessem sido mortas.

“Alguém viu (nos grupos de mensagens) que um míssil realmente atingiu meu quintal, e eu estava chorando tanto porque não sabia se talvez elas já estivessem mortas”, lembra ela entre lágrimas.

Incapaz de ajudar seus entes queridos, Turchyn decidiu ajudar os outros e viajou para a fronteira Polônia-Ucrânia, onde milhões de refugiados estavam cruzando em segurança.

“Vim para a Polônia para pegar essa energia e convertê-la em algo”, diz ela. “Porque chorar, estar deprimida e ficar sentada em casa não iria mudar nada.”

No Facebook, ela encontrou a Lesko House, um prédio de escritórios em desuso transformado em centro de refugiados por seu proprietário Wojciech Bryndza, que gastou milhares de dólares do próprio bolso para fornecer comida e abrigo a dezenas de famílias em fuga.

Turchyn decidiu morar e ser voluntária no abrigo. Todos os dias ela tentava ligar para sua família. Finalmente, ela recebeu uma ligação de retorno, mas não veio de Izium.

“Eu ouvi falar deles pela primeira vez depois de um mês inteiro, e eu estava tão dividida. Eu estava feliz que elas estavam vivas. Mas eu estava apavorada. Elas estavam na Rússia. E eu não sei, eu deveria estar feliz? Ou devo ficar triste?” ela diz.

Mais tarde, Turchyn descobriu que sua mãe e irmã, desesperadas para fugir de Izium, encontraram um morador local disposto a levá-las à fronteira russa por um preço. Não havia como ir para o leste, mais para a Ucrânia.

/ Reprodução CNN

“Tivemos apenas uma chance de sair desse inferno”, disse Vita, irmã mais velha de Turchyn, à CNN. “E decidimos não perder essa chance. Decidimos ir lá e descobrir o que viria depois.”

Assim que chegaram a Moscou, as duas tentaram embarcar em um trem para Belarus, mas dizem que foram impedidas de fazê-lo pelas autoridades de fronteira russas.
Turchyn estava desesperada para tirá-las de lá. Ela começou a pedir ajuda aos grupos no “Viber”, serviço de mensagens e rede social, que lhe forneceram informações durante a guerra.

“Alguém da Polônia me deu um número, e isso levou a outro número e outro número”, diz ela sobre tentar encontrar um contrabandista online. “Eles tentam manter em segredo porque, obviamente, é perigoso.”

Ao longo de pelo menos dois dias, sua mãe e irmã viajaram em uma grande van com vários outros ucranianos pela Letônia e Lituânia, em direção ao sul, em direção a Varsóvia, até se reunirem em Przemysl.

“Agora elas me informaram sobre os detalhes, é pior do que eu pensava”, diz Turchyn enquanto sua mãe e irmã compartilham detalhes de suas semanas sob bombardeio russo.

“Você pode descrevê-lo em uma palavra, foi um inferno. Foi um pesadelo do qual você nunca poderia acordar”, diz Luba, sua mãe.

Dezenas de milhares de ucranianos que vivem sob a ocupação russa enfrentam a mesma situação sombria – o isolamento da Ucrânia mesmo em seu solo nativo, a única saída para os poucos que conseguem encontrá-la é em direção a Putin.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN