Garoto de 13 anos morre nos EUA com tiro na cabeça enquanto brincava

Polícia acredita que tiros foram propositais, mas que menino não era o alvo

Crime aconteceu em Tuscaloosa, Alabama
Crime aconteceu em Tuscaloosa, Alabama CNN

Kelly McClearyda CNN

Ouvir notícia

Um menino de 13 anos foi baleado e morto enquanto brincava com um iPad em sua casa na cidade de Tuscaloosa, Alabama. O garoto estava em seu quarto na noite de sexta-feira quando começou um tiroteio e disparados perfuraram a janela, atingindo o menino na cabeça, segundo o Departamento de Polícia de Tuscaloosa.

O tiroteio que matou o garoto de 13 anos não parece ter sido acidental, de acordo com o capitão Marty Sellers, da Unidade de Crimes Violentos do Departamento de Polícia de Tuscaloosa.

“Foi um tiroteio proposital, mas (o garoto) provavelmente não era o alvo disso. Estamos procurando possíveis suspeitos. Estamos olhando para alguns veículos que estamos tentando localizar. Ainda estamos trabalhando ativamente”, disse Sellers.

Os policiais chegaram ao local por volta das 18h20. Investigadores encontraram vários cartuchos de balas na frente da casa, disseram as autoridades. O chefe de polícia de Tuscaloosa, Brent Blankley, chamou o tiroteio de “um assassinato sem sentido”.

“Os pais e a família do menino tiveram que ficar do outro lado da rua e observar os paramédicos o levarem em uma ambulância, depois de perceberem que não havia nada que eles pudessem fazer”, disse a polícia.

“Vemos adultos sendo baleados o tempo todo, e é terrível, mas quando é uma criança, isso leva a situação a outro nível”, disse Blankley, em vídeo postado na página do departamento de polícia local no Facebook. “Somos todos pais e mães aqui. Quando você vê isso, essa tragédia sem sentido, isso te atinge de forma diferente”, acrescentou.

O capitão pediu às testemunhas que contassem aos investigadores o que viram. “Vários tiros foram disparados, então chamou a atenção das pessoas, certamente. Era início de noite, não estava escuro lá fora, as pessoas viram coisas e só precisamos dar um passo à frente. Imagine se fosse sua família”, disse ele ao WBRC, afiliado da CNN.

(Texto traduzido. Leia o original aqui.)

Mais Recentes da CNN