Noruega: Suspeito de ataque com arco e flecha recebe 5 acusações de assassinato

Espen Andersen Bråthen, um cidadão dinamarquês de 37 anos, foi preso na quarta-feira (13) pelo ataque, que ocorreu naquele dia na cidade norueguesa de Kongsberg

Policias investigam área após ataque de homem com arco e flecha
Policias investigam área após ataque de homem com arco e flecha Reuters

Sebastian ShuklaLaura Smith-Sparkda CNN

Kongsberg

Ouvir notícia

O suspeito de um ataque mortal com arco e flecha na Noruega recebeu de cinco acusações de assassinato, disse a polícia na sexta-feira (15), e está sendo mantido em uma instituição psiquiátrica de alta segurança, em vez de uma prisão, em meio a preocupações com sua saúde mental.

Espen Andersen Bråthen, um cidadão dinamarquês de 37 anos, foi preso na quarta-feira (13) pelo ataque, que ocorreu naquele dia na cidade norueguesa de Kongsberg.

A polícia entrevistou mais de 50 testemunhas, disse o subchefe de polícia, Per Thomas Omholt, em uma coletiva de imprensa em Kongsberg na sexta-feira, e está verificando a mídia digital do suspeito.

“Este é um caso muito sério para a comunidade local e o país. Vamos descobrir o que aconteceu”, disse ele.

“Estamos trabalhando com muitas hipóteses [sobre o motivo], mas a principal no momento é a relacionada à saúde”, acrescentou. “A hipótese em torno da jihad não foi reforçada da mesma forma que a hipótese da saúde.”

A polícia revelou na quinta-feira que Bråthen havia se convertido ao Islã e que policiais já haviam entrado em contato com ele, inclusive por causa de preocupações relacionadas à radicalização.

Homem mata várias pessoas na Noruega em ataque com arco e flecha em Kongsberg, na Noruega / Getty Images

Três armas, incluindo o arco e a flecha, foram tiradas do suspeito, disse Omholt. A polícia se recusou a compartilhar detalhes dos outros enquanto investigam.

As identidades das cinco pessoas mortas ainda não foram divulgadas, acrescentou Omholt. A polícia continua trabalhando para identificar e notificar os parentes mais próximos.

Um comunicado da polícia divulgado na tarde de sexta-feira disse que outras acusações ainda podem ser feitas, uma vez que o suspeito também causou ferimentos em três pessoas e atirou flechas em outras.

“Os homicídios foram cometidos em ambientes fechados e ao ar livre, e o perpetrador também entrou em residências particulares. Além disso, ele atirou flechas contra as pessoas em público”, disse o comunicado.

Flores e velas são colocadas em um memorial improvisado para as vítimas do ataque em Kongsberg, Noruega, na sexta-feira. / Terje Bendksby/NTB/AFP/Getty Images

“Detalhes sobre as armas do crime e como as vítimas foram mortas ainda não serão divulgados. A polícia ainda está entrevistando testemunhas e não queremos influenciar suas declarações”, disse Omholt no comunicado. Várias vítimas também foram entrevistadas, disse o comunicado.

Bråthen está sob prisão preventiva por quatro semanas, com os dois primeiros isolados e o restante sujeito à proibição de visitas, cartas e mídia.

“A pessoa acusada reconheceu os fatos do caso, mas não fez qualquer declaração a respeito da responsabilidade criminal”, disse o comunicado.

“Devido ao estado de saúde do acusado, ele foi internado em uma ala psiquiátrica de alta segurança durante o período de prisão preventiva. Ele também passará por um exame psiquiátrico forense completo para determinar se ele foi ou não responsável por seus atos.”

Eventos de ‘não disputa’

Um porta-voz da polícia regional disse à CNN na sexta-feira que Bråthen havia sido entregue aos serviços de saúde e não compareceria ao tribunal naquele dia.

Bråthen “não está contestando o que aconteceu”, disse o porta-voz da polícia à CNN.

O chefe do Serviço de Segurança da Polícia da Noruega (PST), Hans Sverre Sjøvold, disse a repórteres na quinta-feira que o ataque “parece ser um ato de terrorismo”, mas observou que é importante que a investigação prossiga e “esclareça quais são os motivos do acusado.”

O chefe da polícia Ole Bredrup Sæverud disse na quinta-feira que a polícia “não recebeu relatórios em 2021 sobre a radicalização” em relação ao suspeito, mas que as preocupações foram levantadas anteriormente.

Quatro mulheres e um homem morreram no ataque. Todos tinham entre 50 e 70 anos, disse Sæverud.

As pessoas colocaram flores e acenderam velas em uma vigília pelas vítimas em Kongsberg na noite de quinta-feira, com mais pessoas parando para prestar suas homenagens no memorial improvisado na sexta-feira.

‘Ataque terrivelmente cruel’

O recém-inaugurado primeiro-ministro norueguês, Jonas Gahr Støre, deve viajar para a cidade na sexta-feira.

A tragédia coincidiu com o anúncio de Gahr Støre do novo governo norueguês na quinta-feira. Reconhecendo isso durante uma coletiva de imprensa na capital, Oslo, ele chamou de “um dia muito especial para apresentar um novo governo” à luz do país que experimentou um “ataque horrivelmente cruel a pessoas inocentes na noite passada”.

Ele expressou seu alívio pelo fato de a polícia norueguesa ter prendido o suspeito, enquanto enfatizava que o resultado ainda era “profundamente trágico”.

O primeiro-ministro traçou um paralelo entre o ataque de quarta-feira e os ataques com armas e bombas perpetrados na Noruega em 2011 pelo extremista de extrema direita Anders Behring Breivik, acrescentando que dois ministros de seu novo governo foram sobreviventes desses ataques.

“Foi um ato de terrorismo, e este ato que aconteceu ontem naturalmente nos lembra aqueles que passaram por coisas tão terríveis e nós os apoiaremos”, disse ele.

O ataque de Kongsberg “mostra que nossa sociedade é vulnerável”, disse Gahr Støre, ao enfatizar que “não é bom para nós concluirmos qual é o motivo, o que está por trás dessa ação.” Ele disse que a polícia norueguesa “deve ter permissão para terminar seu trabalho e esclarecer”.

Texto traduzido. Leia o original em inglês.

Tópicos

Mais Recentes da CNN