Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Governador ucraniano diz que retirada por parte de rota humanitária está terminando

    Sumy, cidade, que integra os corredores humanitários, está prestes a fechar

    Militares escoltam pessoas com crianças para trem de saída de Kiev
    Militares escoltam pessoas com crianças para trem de saída de Kiev 07/03/2022REUTERS/Gleb Garanich

    Tim Lister e Olya Voitovychda CNN

    Ouvir notícia

    O chefe da administração regional na região de Sumy, Dmytro Zhyvytsky, disse que a rota de evacuação para fora da cidade, que integra os corredores humanitários para a retirada de civis da Ucrânia, está prestes a fechar. De acordo com a autoridade em seu canal no Telegram, a rota seria fechada às 19h30 do horário local – 14h30 em Brasília.

    A cidade de Sumy sofreu ataques pesados ​​nos últimos dias e está quase isolada do resto do país. Na noite de segunda-feira (7), 21 pessoas foram mortas na cidade em um ataque aéreo.

    “No momento, os cidadãos estão sendo retirados por seus próprios veículos. A coluna organizada partiu em direção à cidade de Romny. Há carros particulares. Eles são acompanhados por um carro da Cruz Vermelha”, disse Zhyvytsky em seu canal Telegram.

    “Depois das 19h30, o posto de controle fecha e será impossível sair de Sumy. O regime de cessar-fogo foi acordado até as 21h”, explicou o chefe da administração regional.

    Cessar-fogo

    Um cessar-fogo permitiu que cinco corredores humanitários fossem abertos para a retirada de civis. Além da capital, Kiev, os corredores foram formados por Sumy, Cherhihiv, Kharkiv e Mariupol.

    As forças russas afirmaram que interromperam os ataques nos locais das rotas por volta de 9h no horário local — 4h de Brasília. No entanto, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Ucrânia, Oleg Nikolenko, afirmou no Twitter nesta terça que forças russas bombardearam uma rota de evacuação para civis presos em Mariupol. A Rússia não se manifestou sobre a acusação.

    A chefe de direitos humanos da ONU (Organização das Nações Unidas), Michelle Bachelet, pediu nesta terça-feira que os civis presos possam sair em segurança. “Repito meu apelo urgente para um fim pacífico das hostilidades”, declarou.

    Mais Recentes da CNN