Grã-Bretanha se prepara para celebrar Jubileu de Platina da Rainha Elizabeth

Serão 4 dias de festa com agenda intensa a partir de quinta-feira, 2 de junho - com direito a shows no lado de fora do Palácio de Buckingham do Queen, Duran Duran e Diana Ross

Rainha Elizabeth: 70 anos de reinado serão celebrados com o Jubileu de Platina
Rainha Elizabeth: 70 anos de reinado serão celebrados com o Jubileu de Platina 23/05/2022Paul Grover/Pool via REUTERS

Michael Holdenda Reuters

Ouvir notícia

A Grã-Bretanha marcará os 70 anos da Rainha Elizabeth no trono nesta semana com quatro dias de celebrações, que vão desde desfiles militares e um serviço religioso a festas de rua e um show pop do lado de fora do Palácio de Buckingham.

Elizabeth, 96, marcou sete décadas no trono em fevereiro, e dois feriados foram reservados para criar um fim de semana de quatro dias para eventos nacionais que comemoram seu reinado, de 2 a 5 de junho.

Não está claro quantos deles a própria monarca comparecerá, forçada a perder vários compromissos oficiais nos últimos meses por causa do que o Palácio de Buckingham chama de “problemas de mobilidade”. Autoridades reais dizem que sua participação será decidida no dia.

Prestando homenagem a “Elizabeth the Great” no parlamento na semana passada, o primeiro-ministro Boris Johnson disse que seu serviço e dedicação ao dever não têm paralelo.

“Espero que nos próximos dias possamos mostrar, com cada fogueira, cada show e festa de rua e exibição de acrobacias, um amor e uma devoção para retribuir o amor, a devoção e a liderança que ela mostrou a todo o país ao longo de sete décadas”, disse.

Os quatro dias de eventos começam na quinta-feira (2) com o tradicional desfile militar “Trooping the Colour” no centro de Londres, que será seguido por um sobrevoo de aeronaves modernas e históricas.

A rainha também deve fazer uma aparição na varanda do Palácio de Buckingham para cumprimentar a multidão, embora os dois membros mais controversos da família real – seu filho, o príncipe Andrew e o neto, o príncipe Harry – estejam ausentes.

Em fevereiro, Andrew resolveu um processo nos EUA no qual foi acusado de abusar sexualmente de Virginia Giuffre. Ele já havia renunciado a funções públicas por causa de suas conexões com o falecido criminoso sexual norte-americano Jeffrey Epstein.

Harry, filho mais novo do príncipe herdeiro Charles, também desistiu dos deveres reais para se mudar com sua esposa americana Meghan para Los Angeles, de onde eles entregaram farpas e acusações de racismo contra a família real.

No entanto, é provável que ambos participem de outros compromissos no fim de semana prolongado. Outra ausência notável será seu falecido marido, o príncipe Philip, que morreu aos 99 anos em abril passado, após 73 anos ao seu lado.

Programação intensa

Sexta-feira haverá um serviço de ação de graças na Catedral de São Paulo, em Londres, enquanto no sábado a rainha deve participar da corrida de cavalos Derby com outros membros da família. Mais tarde, haverá um show do lado de fora do Palácio de Buckingham, com o grupo de rock Queen, a banda pop Duran Duran e a cantora norte-americana Diana Ross.

As comemorações terminarão no domingo, com festas de rua e um desfile pela capital britânica.

Elizabeth tornou-se a rainha da Grã-Bretanha e de mais de uma dúzia de outros reinos, incluindo Canadá, Austrália e Nova Zelândia, com a morte de seu pai, o rei George VI, em 6 de fevereiro de 1952, enquanto ela estava no Quênia em uma turnê internacional.

Na época, Josef Stalin, Mao Zedong e Harry Truman lideravam a União Soviética, a China e os Estados Unidos, enquanto Winston Churchill era o primeiro-ministro britânico.

Em setembro de 2015, ela ultrapassou sua tataravó, a rainha Vitória, e se tornou a monarca com o reinado mais longo em quase 1.000 anos de uma linha que remonta ao rei normando Guilherme I e sua conquista da Inglaterra em 1066.

Durante suas sete décadas no trono, a rainha tem sido um símbolo de estabilidade para o país durante grandes mudanças sociais, econômicas e políticas, incluindo o fim do Império Britânico.

“Não apenas sua majestade tem sido uma presença constante na vida da maioria de seus súditos, mas também é o terceiro monarca mais antigo da história mundial”, disse o presidente da Câmara dos Comuns do parlamento em um comunicado.

As pesquisas mostram que ela continua muito popular e respeitada, embora uma crescente indiferença à monarquia entre os jovens.

Uma pesquisa do YouGov para o grupo de campanha da República na última quinta-feira (26) também descobriu que mais da metade dos entrevistados não estava interessada no jubileu.

“Ao invés de ser uma celebração nacional, o jubileu é um interesse minoritário”, disse Graham Smith, da Republic. “A falta de interesse em todo o país e todas as faixas etárias abaixo de 65 anos mostra que o futuro da monarquia está em séria dúvida.”

 

Mais Recentes da CNN