Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Guerra de Israel terá impactos políticos longos e profundos

    Ressonância do conflito entre Israel e o grupo radical islâmico Hamas será mais ampla do que seu alcance geográfico; próximos dias serão fundamentais

    Salva de foguetes é disparada por militantes do Hamas em direção a Israel: ataque tem sido comparado ao 11 de Setembro
    Salva de foguetes é disparada por militantes do Hamas em direção a Israel: ataque tem sido comparado ao 11 de Setembro Majdi Fathi/NurPhoto via Getty Images

    Stephen Collinsonda CNN

    Acontecimentos como o ataque do grupo radical islâmico Hamas a Israel, no sábado (8), desencadeiam choques políticos profundos e transformações estratégicas que ninguém poderia prever até então.

    Os ataques aéreos, a tomada de reféns e os assassinatos em massa dentro de Israel ocorreram em um momento no qual a ordem global já se encontrava num ponto crucial, com a era pós-Guerra Fria varrida pela invasão da Ucrânia pela Rússia e pela ascensão da China como superpotência.

    As cenas de civis abatidos a tiro num festival de música, os relatos dolorosos de famílias dilaceradas e a primeira explosão violenta de ataques de represália israelenses em Gaza paralisam o mundo, mas a política nunca fica parada por muito tempo.

    A ruptura súbita e sangrenta de um raro interregno de calma e esperança de avanços diplomáticos no Oriente Médio mudou os cálculos em Israel, nos Estados Unidos, no mundo árabe e por todo o mundo.

    O ataque do Hamas foi comparado ao 11 de Setembro – como um ataque comparativamente de baixa tecnologia contra civis que violou a pátria de um adversário mais poderoso e sofisticado, em parte por desafiar a imaginação dos avaliadores de ameaças.

    A lição desse trauma histórico foi que as medidas políticas e militares tomadas pelos líderes americanos e outros, quando a política normal voltou à vida, não mudaram o mundo apenas através da ação militar: elas desencadearam forças políticas extraordinárias e criaram condições que ainda influenciam a sociedade e as eleições.

    Veja imagens do conflito

    Talvez seja aqui que Israel se encontra agora. O Estado judeu não é estranho a ataques com foguetes vindos de Gaza ou do Líbano, atentados em ônibus ou suicidas. No entanto, os invasores do Hamas acabaram de destruir as ilusões dos israelenses sobre a sua própria segurança com mais profundidade do que em qualquer momento desde a guerra do Yom Kippur, em 1973.

    O sentimento de violação emocional condicionará a resposta de Israel nos próximos dias e influenciará a forma como o resto do mundo reagirá.

    Para agravar a ferida nacional de Israel está o extremo desafio político que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu enfrenta agora. Reconhecido pela segurança local, seu longo mandato será agora recordado por uma das mais devastadoras falhas de inteligência da história do país.

    Por enquanto, os cismas na sociedade israelense, causados pela coligação de extrema-direita de Netanyahu e pelas suas tentativas de reformar o sistema judicial de uma forma que os críticos dizem ameaçar a democracia, fecharam-se na causa mais ampla da unidade nacional. Mas o veterano líder tem um incentivo para lançar uma resposta devastadora ao ataque, para cobrir as suas vulnerabilidades políticas, bem como para vingar a agonia da nação.

    A dolorosa realidade de que o Hamas mantém reféns civis que pode utilizar como alavanca contra Netanyahu torna a situação ainda mais intensa. As consequências políticas a longo prazo são impossíveis de prever.

    Na segunda-feira (9), o primeiro-ministro prometeu que o contra-ataque não será esquecido, o que levantou a questão imediata de saber se essa reação bastaria para eliminar o Hamas do território israelense.

    Outra lição tirada do 11 de Setembro, contudo, é que as guerras lançadas nas semanas sombrias após um ataque nem sempre resultam como esperado e correm o risco de ricochetear contra os líderes responsáveis. Israel já sofreu o preço de uma incursão na densamente povoada Gaza, um labirinto urbano com extensos campos de refugiados. Depois do 11 de Setembro, a guerra ao terror da administração de George W. Bush causou efeitos secundários durante anos – incluindo fadiga de guerra e cinismo em relação ao governo, que ajudou a alimentar as chegadas de Barack Obama e Donald Trump ao poder nos Estados Unidos.

    Esses sentimentos permanecem. Ao lançar sua candidatura independente à presidência — o que pode ter consequências imprevisíveis em estados indecisos críticos –, Robert F. Kennedy Jr. criticou repetidamente o complexo industrial militar e as “guerras contínuas”, mais de 20 anos após os atentados ao World Trade Center.

    Como o mundo reagirá à resposta de Israel?

    Os próximos passos de Israel serão preponderantes. Até agora, as emoções avassaladoras foram empatia e horror. Se o contra-ataque de Israel causar mais vítimas civis em Gaza ou deixar a região sem água e eletricidade por dias, a política, mesmo dentro das nações aliadas (onde luzes brancas e azuis pintam monumentos públicos) pode começar a mudar.

    Joe Biden, um dos presidentes democratas mais inequivocamente pró-Israel de que há memória, deverá abordar os ataques na televisão nesta terça-feira (10). Até agora, ele reduziu a animosidade com Netanyahu, que ainda não visitou a Casa Branca durante seu mandato.

    O líder israelense disse na segunda que está em “contato contínuo” com o mandatário norte-americano desde os ataques. Os EUA fornecem material de defesa aérea e munições a Israel e têm oferecido apoio de inteligência para o resgate de reféns. Como demonstração de apoio e dissuasão aos inimigos de Israel, Washington deve transferir um grupo de porta-aviões para o Mediterrâneo Oriental.

    Em algum momento nas próximas semanas, porém, os interesses das duas nações poderão divergir. Se surgirem provas, por exemplo, de que o Irã desempenhou um papel direto no planeamento dos ataques do seu representante, o Hamas, a pressão sobre Netanyahu para um ataque direto contra a República Islâmica será intensa.

    Washington ficará preocupado com a escala de qualquer ação desse tipo. A última coisa que Biden precisa em sua campanha pela reeleição é de que os EUA sejam arrastados para outra guerra no Oriente Médio.

    Veja também: Entenda os rumos da guerra entre Israel e Hamas

    O presidente também precisa de proteger seu capital político, especialmente enquanto os republicanos tentam retratá-lo como “velho e fraco”. Liderada pelo ex-presidente Donald Trump, a oposição criticou os ataques do Hamas e procurou atribuir a Biden a culpa pelas suas tentativas de neutralizar um confronto dos EUA com o Irã.

    Trump também tentou associar questões inflamatórias internas dos EUA com os acontecimentos no Oriente Médio, e alegou, sem provas, que as “mesmas pessoas” que atacaram Israel fluíam para os Estados Unidos. Outro candidato presidencial do republicano, o senador Tim Scott, repetiu sua afirmação de que Biden era “cúmplice na guerra real contra Israel”.

    Biden também deve estar ciente das consequências políticas à sua esquerda. Os democratas progressistas têm subido o tom nas críticas a Israel nos últimos anos, tanto pelo tratamento que dispensa aos palestinos em Gaza, que é controlada pelo Hamas, e na Cisjordânia, que é liderada pela Autoridade Palestina, quanto devido à inclinação de extrema-direita de Netanyahu. O mandatário norte-americano teve sua intenção de disputar a reeleição em 2024 questionada pelo próprio partido, e não pode se dar ao luxo de perder o apoio no campo progressista para o pleito.

    Consequências a longo prazo na política externa

    A Arábia Saudita não terá espaço político para negociar com Netanyahu enquanto centenas de palestinos são mortos nos contra-ataques em Gaza. Netanyahu tem ainda menos capacidade para fazer concessões territoriais duras na Cisjordânia.

    A natureza histórica do acordo proposto é uma das razões pelas quais o Irã pode ter recebido um forte incentivo para apoiar o ataque do Hamas.

    A guerra de Israel pode precipitar repercussões políticas estratégicas de muitos âmbitos. No caso dos Estados Unidos, há mais de uma década existe uma tentativa de afastamento do Oriente Médio e aproximação da Ásia. Qualquer sensação em Pequim e Moscou de que a América está novamente envolvida em conflitos na região, contudo, poderá oferecer aberturas para adversários norte-americanos.

    Na política e nas relações internacionais, tudo está interligado e qualquer ação provoca reações. Portanto, a guerra entre Israel e o Hamas terá uma ressonância muito mais ampla do que seu alcance geográfico.